Conselho de Medicina responde: Psicanalista deve ser médico?

Posted on Posted in Formação em Psicanálise

O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro, por meio do Parecer CRM RJ 84/2000, defendeu que a Psicanálise não é restrita a médicos. Depreende-se, também, pelo texto, que não se restringe a psicólogos.

O texto do Parecer (abaixo reproduzido) coincide com a posição de nosso Instituto e dos inúmeros sindicatos e sociedades psicanalíticas existentes no Brasil. Grupos de psicanalistas podem formar novos psicanalistas, a partir de cursos de formação (como é o nosso caso), cabendo a cada instituto ou sociedade determinar a metodologia de ensino e os critérios para admissão de novos alunos.

Nosso Instituto também oferece o acompanhamento de supervisão aos alunos concluintes, no mesmo sentido de recomendação do Parecer, que defende que os psicanalistas estejam vinculados a instituto ou sociedade de Psicanálise.

Basicamente, o Parecer se posiciona assim:

  • A Psicanálise é escola de pensamento autônoma, não sendo ditada pela Medicina ou pela Psicologia, ainda que médicos e psicólogos adotem a Psicanálise como prática;
  • Profissionais formados em cursos de formação em Psicanálise (como o nosso curso) que estejam vinculado a grupo de psicanalistas (como o nosso) e que, depois de formados, sejam analisados por outros profissionais (isto é, psicanalistas precisam seguir fazendo Análise, como também recomendamos) podem atuar como psicanalistas.
  • Psicanalistas não podem invadir atividades restritas a outros profissionais, como receitar medicamentos (apenas médicos) ou aplicar testes psicológicos e usar ferramentais de outras áreas da psicologia (apenas psicólogos).

O percurso e as técnicas para uma atuação segura, usando apenas os métodos reconhecidamente psicanalíticos, são ensinados aos nossos alunos no nosso Curso de Formação em Psicanálise.

Segue o texto do Parecer CRM-RJ nº 84/2.000:

A psicanálise é uma atividade assistencial e que pode ser praticada por psicanalistas formados por sociedades psicanalíticas, esclarecendo que a atividade de psicanalista clínico não está ainda regulamentada. Ao final, determina que qualquer pessoa pode intitular-se psicanalista, respondendo pela falta de limites de sua prática e que pode exercer livremente a atividade o psicanalista formado por instituições autônomas, desde que a pessoa faça o curso de psicanálise clínica, faça análise didata e seja associada a uma entidade/sociedade/instituição psicanalítica. A psicanálise é, portanto, uma escola de pensamento sistematizada e organizada, com seus métodos de ensino e de formação. Tem sido tradicionalmente praticada há mais de um século em diversos países, inclusive o Brasil. Desde o seu início faz parte do campo da saúde mental e vem sendo exercida, preferencialmente, por médicos e psicólogos. No entanto, em suas múltiplas correntes, algumas aceitam que outros profissionais a exerçam. No que compete aos médicos, a Associação Brasileira de Psiquiatria não reconhece a Psicanálise como especialidade médica, embora muitos psiquiatras ou médicos de outras especialidades exerçam a função de psicanalistas.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *