13 Reasons Why: Falando Sobre o Suicídio

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Mesmo com tanto cuidado para se falar sobre o assunto, o suicídio ainda é visto com bastante tabu pela sociedade. Ainda que se chegue a um ponto de conversa, opiniões contrárias a respeito da exposição do tema dificultam sua importância. É o que acontece com 13 Reasons Why, um dos mais recentes produtos sobre o tema.

Sobre a série

13 Reasons Why é uma série de TV que mostra mostra a história curta de Hannah Baker, protagonista que acaba por cometer suicídio. Contudo, Hannah deixa 13 fitas de vídeos gravadas para explicar e justificar os motivos que a levaram a se matar. À medida em que assistimos as fitas, notamos diversos tipos de abusos físicos e mentais mostrados em extrema crueza.

As fitas acabam sendo direcionadas a uma pessoa em particular, a fonte de sofrimento presente da garota. Embora a jovem tenha partido, a sua presença nas fitas continua a assombrar e atormentar os que ficaram. Com isso, se instaura um sentimento de culpa e arrependimento em alguns, visto que nem perceberam suas ações.

Acompanhando o antes e depois de Hannah, conseguimos captar as nuances em aberto do catalisador da sua morte. Especula-se que se trata de depressão, mas não se tem a certeza. A jovem encontra na morte uma solução definitiva e rápida para algo que deveria ser momentâneo. Ao contrário dela, a ausência provoca uma dor permanente.

Ainda que doa, é preciso falar sobre

13 Reasons Why causou alvoroço por conta da abordagem a um tema bastante delicado. A cada episódio, notamos um reflexo da vida real ao qual renegamos bastante. É difícil falar sobre o suicídio porque o mesmo toca em uma ferida social muito sensível. Isso fica evidente nos personagens, que pouco enxergam o sofrimento da protagonista.

Quando nos municiamos de informação concreta e direta, temos a chance de prevenir e combater um mal maior. Por isso, a conversa em relação ao suicídio não perde o poder de necessidade. Não se trata de incentivar a alguém a tomar esse caminho. É o oposto: ele precisa entender que as emoções que carrega precisam ser vistas e atendidas.

Ainda que a morte doa em todos, tanto quem sofre com algum mal-estar quanto quem está próximo dessa pessoa devem se unir. Dessa forma, quem possui algum declínio precisa ter forças suficiente para se abrir com quem possa ajudar. Aos demais, a abertura do assunto se torna vital para a conscientização e identificação de quem tem impulsos autodestrutivos.

A forma como se aborda

Uma das maiores polêmicas envolvendo 13 Reasons Why se trata da forma como esta se apresenta. Muitos afirmam que o suicídio foi composto de forma muito romantizada na série. Toda a composição causa um mal-estar por mostrar progressivamente o declínio da personagem embaixo de músicas e ambientes intimistas.

Graças a isso, muitos acreditam que ao invés de conscientizar, a obra sirva para incentivar ao ato. O impacto que Hannah causou ao tirar a própria vida impacta a muitos, de modo a atrair suas atenções. Dessa forma, se construiu argumentos de que os suicidas conseguiriam na morte o que lutaram para alcançar em vida.

Todavia, os criadores afirmam que a composição da série visa mostrar que o suicídio não é bonito. A criação da personagem se deve para que o público goste dela e torça para que fique bem até o fim. Entretanto, essa empatia visa mergulhar o espectador no sofrimento dela. Assim, quando ela morre, eles entendem finalmente a sua dor.

Impacto

Ainda que tivesse recebido uma perspectiva mista, certamente 13 Reasons Why causou um impacto social imenso. Para o bem ou para o mal, a série mobilizou as pessoas a olharem para si e para os demais. O levante de questionamentos possibilitou um maior reflexo de como andamos cuidando de nossos pares. Isso fica evidente no que diz respeito a:

Prevenção às ondas de suicídio

Uma das maiores preocupações era de que a série conseguisse influenciar alguém a tirar a própria vida. Graças a isso, houve uma comoção entre diversos grupos para falar sobre o tema. Por conta disso, boa parte do público desinformado adquiria alguma munição para conversar mais abertamente com o tema.

CVV

Um aspecto bastante positivo da série se encontra na identificação e disposição para conversar. Muitas pessoas acabaram se enxergando na dor de Hannah e, felizmente, decidiram procurar ajuda. O CVV, Centro de Valorização da Vida, relatou que houve um aumento significativo de contatos após o lançamento da série.

Leia Também:  A Máquina de Brincar: breve resumo do livro

A cena final

O suicídio de Hannah é explorado e mostrado de forma detalhada dentro da série. A ideia dos produtores, como dito acima, era mostrar que isso é um caminho sem valor. Não há nada a ganhar tirando a própria e toda a destruição é terrível. Ainda que choque alguns, a cena tem o seu propósito dentro do que idealizaram ao projeto.

Hannar Baker não é uma heroína

A polêmica em torno de 13 Reasons Why se constrói porque o produto vai contra as recomendações da OMS. Isso porque, como mostrado acima, a série acaba sendo vista como uma glamourização do ato de morte. O suicídio é colocado como um desafio a ser vencido com extrema coragem.

Infelizmente, essa perspectiva acaba por valorizar a ação de Hannah. A protagonista vira heroína por ter conseguido fazer o que muitos não têm coragem. Porém, isso é quebrado quando vemos:

A justiça

Quem realmente faz a diferença de forma positiva é o personagem Clay. O mesmo acaba recebendo uma das fitas e é impactado pelo conteúdo delas. A partir daí, o mesmo se mobiliza para ajudar todos os outros que receberam o mesmo material.

Hannah é vingativa

Ao mandar uma fita para cada pessoa que impactou em sua vida, Hannah tenta colocar a sua morte sobre elas. A mesma se isenta do que acontecerá informando que tudo aconteceu graças ao trabalho externo desses indivíduos. Isso denota um lado vingativo da personagem, já que atribui seu sofrimento a alguém e o transfere ao mesmo.

Canalização

Ao invés de procurar ajuda especializada, Hannah opta por fazer gravações de si mesma. Nisso, acaba expondo seus sentimentos na morte no que poderia ter sido feito enquanto estava viva e acompanhada. A mesma possibilita que quem as assiste reflita e pense diretamente sobre as consequências das ações que produz.



Comentários finais: 13 Reasons Why

13 Reasons Why é um produto cinematográfico voltado a conscientização social. O suicídio foi velado em uma proteção onde quase ninguém ousa violar para tocar sobre. Por conta disso, muitas pessoas ficam isoladas quando se necessita criar um debate construtivo e sadio. O suicídio é grave e precisa ser exposto a fim de que seja combatido.

Ainda assim, cabe ressaltar que não devemos olhar de forma idealizada ao problema. A preocupação de muitos se concentra no poder de convencimento da obra em levar mais alguém à morte. A chamada romantização cria laços afetivos entre um indivíduo real e um projeto ruim e imaginado. A conversa tem de se estender também a esse lado social.

Com o que leu aqui, o convidamos a participar de nosso Curso de Psicanálise Clínica 100% online (clique para conhecer). O curso online proporciona as ferramentas adequadas para lidar adequadamente com cada resposta comportamental nossa. Por um preço conciso, você tem acesso a uma educação de qualidade e eficaz na construção de seu autoconhecimento.

Cabe ressaltar o acompanhamento contínuo de professores, material didático de qualidade incluso e flexibilidade total de horários para estudar. Garanta a chave de entendimento de si mesmo e dos demais. Faça nosso curso de Psicanálise e aprenda a interpretar casos como o de 13 Reasons Why não só na esfera cinematográfica, mas na vida real também.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

One thought on “13 Reasons Why: Falando Sobre o Suicídio

  1. O artigo é muito relevante. Nunca assistir a serie, mas eu debato muito sobre o suicídio pois muitas pessoas ainda acreditam que é a melhor escolha e saída dos problemas. As pessoas precisam observar mais, ouvir mais para que possam ajudar as outras pessoas a enxergar que existe uma outra saída e fazer com que a pessoa sinta que tem alguém que vai ajudar-la. Muitos só julgam e acham que é frescura ou algo do tipo, mas pelo que eu entendi do texto, a Hannah já não aguentava tanta dor e um meio dela lidar com isso foi antes de cometer o ato, se vingar de uma certa forma das pessoas que causaram esse sofrimento nela. Por um lado ela foi vingativa nesse sentido, mas ainda lendo o artigo eu percebi que também foi uma maneira dela chamar a atenção dessas pessoas para que refletissem sobre suas atitudes e observarem o que se pode causar com isso. O Clay percebeu e foi tentar evitar isso pois cada pessoa age diferente, ele viu que ela não teve forças e não conseguiu buscar ajuda e viu no suicídio um “alívio” para o que sentia e uma maneira de marcar a vida dessas pessoas jogando a culpa do seu ato sobre elas. Vou assistir a serie para entender melhor, mas obrigada pelo artigo foi muito eficaz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 7 =