tradução de action out

Action Out: tradução e significado em Psicologia

Posted on Posted in Comportamentos e Relacionamentos

Você já se pegou fazendo algo que, depois, se arrependeu? Talvez, em um momento de fúria, você tenha gritado com alguém ou quebrado algo.

Ou, talvez, quando estava se sentindo triste, tenha comido demais ou bebido em excesso. Exemplos de acting out, esses comportamentos impulsivos representam um mecanismo de defesa empregado por pessoas de todas as idades e em diversos contextos.

O acting out é uma ação impulsiva que expressa emoções ou conflitos inconscientes. É uma forma de lidar com emoções ou situações que são difíceis de enfrentar de forma consciente.

Por exemplo, uma pessoa que está com raiva pode agir de forma agressiva para evitar sentir essa emoção. Ou, uma pessoa que está com medo pode evitar enfrentar uma situação desafiadora.

A seguir, veremos a tradução e o significado de acting out, bem como os diferentes tipos de acting out e suas consequências!

O que significa acting out?

Trata-se de um termo na psicanálise usado para indicar ações impulsivas que uma pessoa pode ter e contradiz seu comportamento comum. Muitas vezes essa expressão costuma surgir agressivamente, sendo uma marca de emergência daquilo que foi recalcado.

O psicanalista vê o acting out como uma forma de expressão de desejos recalcados que, por algum motivo, não foram contidos pela repressão, conforme a análise. Isso pode ocorrer por vários fatores, como estresse, ansiedade ou traumas.

Por exemplo, um paciente que está com raiva do analista pode agir de forma agressiva fora da sessão. Isso é uma forma de expressar a raiva que ele não consegue expressar diretamente para o analista.

O acting out também pode ser uma forma de expressar sentimentos ou desejos em relação ao analista. Por exemplo, um paciente que está com medo do analista pode evitar ir às sessões. Isso é uma forma de expressar o medo que ele sente em relação ao analista.

O acting out é um fenômeno complexo que pode ter várias causas e significados. É importante que o psicanalista esteja atento a esse fenômeno para poder ajudar o paciente a compreender e lidar com ele.

Acting out e transferência

De acordo com os estudiosos, o acting out não é nada mais do que um aspecto da transferência durante a terapia. Esse mecanismo é dependente do suposto saber que sustenta a transferência considerando diretamente as impressões do analista.

O acting out pode ser uma forma de expressar sentimentos ou desejos em relação ao analista. Por exemplo, um paciente que está com raiva do analista pode agir de forma agressiva fora da sessão. Isso é uma forma de expressar a raiva que ele não consegue expressar diretamente para o analista.

Desse modo, Lacan propôs uma oscilação para descrever melhor esse movimento que consiste na:

Transferência sem análise

Em suma, a falha ou ausência do analista que resulta nessa ejeção por parte do analisado. Por exemplo, a relação entre Freud e Fliess descrita nas cartas “Esboço de uma psicologia científica”. Freud afirmava que a neurose obsessiva experimentada pela paciente era resultado de um prazer sexual recriminado por ela mesma.

Precipitação

Quando a referência do analista é a única coisa que sustenta o acting out de modo precipitado, resultando na transferência.

Sintomas, respostas e histórias

Assim como na psicanálise, o acting out na psicologia é visto como ferramenta para o analista enxergar o que não é dito na análise.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Trata-se de um sintoma de conduta da própria análise, de modo a ser uma consequência dos sintomas do analisado e do analisando. Ou seja, o status da relação das trocas e estímulos existentes dentro da terapia com o profissional e seu cliente.

    Essa “passagem ao ato” é um meio de dizer a verdade instruindo os presentes na terapia para aonde devem ir. Dito de outra maneira, é uma resposta sem palavras para dar sustento ao significante a partir de um comentário central. É uma imagem produzida no inconsciente para o analisado contar uma história sem dizer qualquer palavra.

    Não existe o “Eu”

    O acting out não está na ordem do significante, pois falha simbolicamente por causa da ausência interpretativa e anula o efeito significante. Por isso que os analistas afirmam que esse fenômeno é da ordem do signo, representando qualquer coisa para qualquer um. Logo, nós temos um enigma aqui e, portanto, um sentido.

    O sujeito acaba não falando do seu lugar, não se designando como a entidade “eu”. Como ele não sabe o que diz fica incapacitado de reconhecer o sentido real do que está oculto.

    Uma ausência de palavras pode revelar um mundo

    Se o indivíduo abandonar o seu lugar e discurso acaba produzindo uma transferência selvagem sem palavras. O acting out surge quando o suposto saber que alimenta a transferência revela algo da realidade. Esse tipo de situação acontece:

    • quando o analista sai da posição de ser um mestre;
    • quando o indivíduo acolhe o seu próprio sintoma e fala como analisante;
    • no momento que ele passa o ato, abandonando a cena analítica em favor da realidade do mundo.
    Leia Também:  Ser impulsivo ou impulsiva: como identificar?

    A angústia e a realidade

    Um dos princípios do acting out é evitar angústia diante do real que passou pela falha do outro no campo analítico. O analista quando falha uma interpretação sai do seu discurso analítico, e o analisando, não podendo ficar sozinho no discurso, o segue.

    Logo, o efeito da angústia do analisante, além de calar o seu discurso, impõe motricidade dentro dessa cena.

    A passagem ao ato surge como ultrapassamento da cena em direção ao real, sendo ela criação do sujeito. Em linhas gerais, a passagem ao ato é um mergulho no vazio.

    Um exemplo disso é uma das pacientes lésbicas de Freud. Ao passar com a amada na frente do pai, temos um ato de acting out. Porém quando ela decide pular de um parapeito, observamos uma passagem ao ato.

    Princípio do prazer

    Diante de uma grande perda e sem alguém para lhe dar uma interpretação desse fato, uma pessoa pode aplicar o acting out no princípio do prazer.

    Por exemplo, uma criança pequena que perdeu a sua mãe e associa esse evento com uma bobina e um carretel. A criança estabelecerá a recuperação da bobina rejeitada e assumirá o simbólico para dominar o real.

    Analistas afirmam que o acting out pode ficar situado entre o discurso e o sem palavras. Sendo um ponto de verdade, é onde o recalque do indivíduo reside e é dito, porém o recalcado acaba morrendo. Assim como nessa Verneinung descrita acima, temos no acting out a rejeição do dizer e recusa de resposta com linguajar comum.

    Considerações finais sobre acting out

    A mecânica do acting out indica a libertação de um impulso no indivíduo que difere de tudo o que ele faz conscientemente. Por meio do não dizer, a pessoa resgata parte do que foi recalcado para que o outro possa interpretá-lo. Ainda que seja um ato falho do indivíduo, sua natureza de compromisso está esclarecida nas suas formas características.

    Além disso, esse mecanismo serve também para o terapeuta entender o que está fora da análise e “costurar as bordas”. Ou seja, tudo aquilo que não é mostrado ou que o paciente acaba escondendo, mesmo sem ele saber disso. Para Freud, o paciente deveria agir tão comum quanto fosse possível, manifestando apenas as suas reações anormais na transferência.

    Você pode aprender ainda mais sobre acting out e outros temas da saúde humana em nosso curso de Psicanálise. Desenvolver o seu autoconhecimento durante as aulas possibilitará um aprofundamento muito maior em suas capacidades naturais e crescimento pessoal. Entre em contato conosco e garanta um curso completo, acessível e com a certeza de mudança de vida.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *