tratamento para depressão pós parto

Depressão pós parto: definição, sintomas, tratamento

Posted on Posted in Comportamento, Terapias, tratamento

A chegada de um bebê desencadeia uma mistura grandiosa de sentimentos na sua mãe. Desde alegria até a ansiedade e o medo, a mulher pode não conseguir lidar muito bem com essa carga alta de sensações. Para tentar explicar esse fenômeno, hoje nós conversaremos a respeito da depressão pós-parto, o que é, quais os sintomas e como tratá-la.

Depressão pós-parto: o que é?

A depressão pós-parto diz respeito a um transtorno de humor que afeta algumas mulheres após o parto dos filhos. Desse modo, a nova mamãe tem sérios problemas em gerenciar as suas emoções em relação ao bebê e a si mesma.

A combinação de diversos fatores emocionais e físicos provocam sentimentos voláteis e intensos nela, afetando a sua capacidade como cuidadora.

Estima-se que 70% a 80% das mães possam ser afetadas e apresentarem sintomas como ansiedade, tristeza e exaustão. Segundo a Fiocruz, 1 a cada 4 mulheres no Brasil sofrem com o problema, que pode durar por bastante tempo.

Causas

As causas da depressão pós-parto não são unilaterais, sendo resultado da combinação de problemas físicos e emocionais. Dentre os fatores mais comuns se destacam:

Mudanças físicas e químicas

Os hormônios femininos diminuem drasticamente depois que a mulher realiza o seu parto. Além da progesterona e estrogênio, a redução de outros hormônios influencia a depressão da mãe, além do cansaço e lentidão.

Problemas emocionais

Os primeiros dias após o parto mudam completamente a rotina da mãe e mexem com o seu lado emocional. Não só ela fica privada de dormir, mas também passa a questionar sua capacidade materna, autoestima e a sensação de controle. Esses fatores são determinantes para o surgimento do problema que ela enfrenta.

Depressão pós-parto: sintomas

Os sintomas de depressão pós-parto afetam diretamente a capacidade da nova mãe em conciliar os cuidados maternos com outros afazeres. Logo nas primeiras semanas após o parto e em até seis meses após é comum as pacientes apresentarem:

  • humor depressivo ou mudanças de humor bruscas;
  • problemas em se conectar com o bebê;
  • irritabilidade constante;
  • diminuição do interesse em atividades que antes eram prazerosas;
  • choro constante;
  • perda brusca de energia;
  • problemas com insônia ou dormir demais;
  • distanciamento da família e amigos;
  • ansiedade e/ou ataque de pânico;
  • medo de não ser uma mãe adequada ao se sentir inútil, vergonhosa ou culpada;
  • mudanças no apetite;
  • falta de concentração;
  • pensamentos suicidas ou homicidas.

Baby blues

Algo que se assemelha bastante com a depressão pós-parto é a famosa baby blues, também chamada de tristeza materna. Em suma, essa condição na mulher provoca mudanças de humor, ansiedade, choro frequente e problemas para dormir. Logo que o bebê nasce a tristeza materna pode se manifestar, podendo durar até duas semanas.

O baby blues é o período de reajuste que o corpo e a mente da mãe precisam para ela se acostumar a ser mãe. Não chega a ser tão grave quanto a depressão pós-parto, embora demande cuidados por parte da mulher.

O seu fluxo emocional se estabilizará em alguns dias, mas caso não receba cuidados adequados, é possível que evolua para depressão.

A psicose pós-parto

Ainda que seja rara, a psicose pós-parto é uma condição possível de surgir em qualquer mulher na primeira semana pós-parto. Tanto os sinais, quanto os sintomas desse problema costumam ser ainda mais graves do que a depressão pós-parto. Por exemplo:

  • confusão e desorientação;
  • pensamentos obsessivos a respeito da criança;
  • alucinações e delírios;
  • problemas para dormir;
  • paranoia;
  • tentativas de prejudicar o bebê ou a si mesma.

Já que ameaça a vida de mãe e filho, a psicose precisa ser tratada assim que possível.

Sequelas

Caso não receba tratamento, a mulher com depressão pós-parto pode ter sérios problemas para se ligar com a nova realidade. Para a própria mulher o seu quadro talvez evolua para uma depressão crônica com episódios mais severos futuramente.

O casal pode compartilhar os mesmos sinais depressivos, afetando a convivência emocional dos pais e desgastando a relação. Já as crianças podem desenvolver problemas comportamentais e emotivos, TDAH e problemas no desenvolvimento se a mãe não se tratar logo.

Tratamento

O tratamento de depressão pós-parto consiste em duas frentes específicas de ajuda para a mulher:

Medicamentos

Por meio dos antidepressivos as mães com depressão podem lidar melhor com as reações emocionais da doença. Cada caso é único, então as pacientes começarão a sentir os resultados de modo distinto uma das outras. Em média, os médicos recomendam o uso dos remédios por, pelo menos, seis meses.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Mulheres com depressão leve não necessitam da medicação, enquanto os demais casos podem combinar com a psicoterapia.

    Leia Também:  As 16 personalidades humanas: guia prático

    Psicoterapia

    Receber aconselhamento de um profissional ao longo da gravidez fará toda a diferença para a saúde emocional da mãe. Não só ela, mas também o pai é convidado para participar desse acompanhamento.

    O suporte adquirido nesse aconselhamento ajuda o casal a se fortalecer emocionalmente para resolver conflitos e redescobrir metas.

    A terapia cognitivo-comportamental é eficaz para que os pais consigam mudar padrões comportamentais e de pensamentos destrutivos. Ressignificando a perspectiva de cada um a respeito da maternidade, é possível ensinar como ter uma relação saudável com o bebê e consigo mesmo.

    Auxílios para o casal

    • terapia hormonal para regular a queda do estrogênio na mulher, diminuindo os sintomas depressivos;
    • ter a ajuda de uma babá profissional;
    • fortalecer os laços entre o casal e o bebê por meio de exercícios recomendados pelo terapeuta.

    Psicose pós-parto

    Como dito anteriormente, o tratamento precisa ser urgente, realizado por uma equipe médica dentro do hospital. Todavia, nós deixamos claro que esse tratamento pode afastar mãe e filho, bem como comprometer a amamentação da criança.

    Considerações finais sobre a depressão pós-parto

    A depressão pós-parto pode ser equiparada com um abismo emocional capaz de afogar uma mãe e sua família. Infelizmente, alguns casos não recebem a atenção que deveriam e a mulher sofre ativamente com essas consequências.

    A situaçõ fica ainda pior se ela não possui uma estrutura emocional tão fortalecida ou suporte de pessoas queridas.

    Sim, não é fácil se recuperar, mas também não é uma tarefa tão difícil, visto que nós temos acesso a profissionais capazes de colaborar com essa reabilitação.

    Assim que o tratamento for iniciado é de extrema importância que as recomendações sejam seguidas à risca pela família. Nesse momento tão difícil quando todos se apoiam fica muito mais fácil se curar e sorrir novamente.

    O nosso curso online de Psicanálise é um excelente complemento para entender melhor a depressão pós-parto. Além de aprimorar o autoconhecimento do estudante, o conhecimento das aulas ajuda a liberar o potencial completo contido em cada pessoa. Logo, você investirá em uma ferramenta capaz de influenciar no seu desenvolvimento pessoal e transformar a sua vida.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.