da farmácia ao diva

Da Farmácia ao Divã

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Hoje falaremos da farmácia ao divã. Os psicofármacos utilizados em uma escala mundial adquiriram nos últimos anos, uma grande eficiência colaborativa para o tratamento de diversos transtornos mentais e comportamentais.

Da farmácia ao divã

Quando são bem receitados por um psiquiatra e bem utilizados por um paciente, a medicação pode promover muitos benefícios para o tratamento de um indivíduo, uma importante função da medicação deve ser possibilitar ao paciente auxílio para que inicie a psicoterapia.

Quando o uso da medicação está aliado à terapia, que pode ser oferecida em diversas abordagens, dentre elas a psicanálise, as chances de eficiência de um tratamento são expressivamente maiores.

No entanto, quando os psicofármacos são utilizados como remédios para todos os problemas da vida cotidiana, acaba-se por conduzir a um uso deliberado e excessivo dessas substâncias, o que amplia ainda mais os problemas que buscamos evitar.

Da farmácia ao divã e antidepressivos

Pensar que precisamos buscar uma resposta farmacêutica para cada uma das experiências conflituosas que vivemos, ou para a inerente angústia da condição humana é um dos motivos de encontrarmos dados estatísticos tão altos e tristes sobre a quantidade de mortes diárias que são causadas pela superdosagem de antidepressivos.

Por mais eficientes que os psicofármacos tenham se tornado nos últimos anos em alterar o funcionamento químico do nosso cérebro, eles são ineficazes para tratar ou curar sozinhos nosso sofrimento e mal-estar psíquico ou social, quando esse não é meramente derivado de um desequilíbrio hormonal, mas se desenvolve a partir dos significados da nossa individualidade e das diversas experiências que vão se elaborando em nós e se incorporando a estrutura do nosso caráter.

Por isso, é necessário que não tenhamos ilusões farmacêuticas de uma vida sem conflitos.

Conclusão

A psicanálise considera que na medida em que nos relacionamos com os outros e com as ideias, conscientes e inconscientes que mantemos sobre nós mesmos também aprendemos com as frustrações, tristezas, erros e perdas de maneira significativa para o desenvolvimento das nossas vidas.

Este artigo foi escrito por Pedro Sá (Instagram: __pedro.sa) é psicanalista clínico com experiência em casos de depressão, ansiedade, ideação suicida, luto e conflitos amorosos. Realiza atendimentos em modalidade presencial e on-line e ministra palestras empresariais sobre saúde mental e supervisão para psicanalistas recém formados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *