psicanalista Ernest Jones

Ernest Jones: trajetória, ideias e obras do psicanalista

Posted on Posted in Uncategorized

Alfred Ernest Jones (1897-1958), psicanalista e neurologista, foi o precursor da Psicanálise na Grã-Bretanha, tornando-se presidente da Associação Psicanalítica Britânica e, também, da Associação Psicanalítica Internacional, entre as décadas de 1920 e 1930.

Além disso, a partir de 1908 tornou-se amigo de Sigmund Freud e, logo, passou a ser o seu biógrafo oficial de Sigmund Freud. Inclusive, Jones, após sua aposentadoria, em 1949, dedicou-se à publicação da vida e Obra de Freud, que foi seu último projeto, falecendo em 1958.

Biografia de Ernest Jones

Albert Ernest Jones, nasceu em 1 de janeiro de 1879 e faleceu em 11 de fevereiro de 1958. Médico neurologista e psicanalisa galês, foi o primeiro a praticar a psicanálise na língua inglesa, exercendo grande influência em organizações e publicações psicanalíticas.

Jones, se formou médico especialista em neuropsiquiatria pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido, quando teve seu primeiro emprego no Hospital North Eastern, o qual ficou poucos meses. Logo após, residiu em Viena (Áustria) e Zurique (Suíça), onde trabalhou em uma famosa clínica chamada Burghölzli, a convite de Carl Gustav Jung.

Posteriormente, trabalhou em Munique (Alemanha) com o psiquiatra alemão Emil Kraepelin. Também morou em Bicêtre (França), trabalhando para o médico e professor Pierre Marie. Continuando sua trajetória, tornou-se professor de Psiquiatria em Toronto (Canadá).

Sua relação com Sigmund Freud, conhecido como o pai da Psicanálise, iniciou-se em 1908, quando o conheceu no Primeiro Congresso de Psicanálise em Salzburg (Áustria), quando passaram a ser amigos, tornando-se, então, o seu biógrafo oficial. Registros apontam uma longa relação entre eles, com 671 cartas que foram analisadas e publicadas.

Quem foi Ernest Jones? Vida e carreira

Ernest Jones nasceu na cidade de Gowerton (anteriormente chamada de Ffosfelin), no País de Gales, em uma vila industrial, filho de Thomas e Mary Ann Jones. O pai de Ernest foi um engenheiro de carvão que, em sendo uma pessoa autodidata, se estabeleceu na região como um empresário de sucesso. Inclusive, Thomas tornou-se contador e secretário da empresa chamada Elba Steelworks.

A educação de Ernest Jones se deu nas instituições Swansea Grammar School, Llandovery College e Cardiff University, no País de Gales. Além disso, estudou na University College London, com títulos de honras em medicina e obstetrícia, em 1901. Ainda, após cinco anos, tornou-se membro oficial do Royal College of Physicians.

Jones ocupou vários cargos como médico neurologista em Londres, em sua associação com o cirurgião Wilfred Trotter, passou a conhecer o trabalho de Freud. Ambos tinham grande interesse em filosofia e literatura, bem como em novas formas de terapia clínica.

Então, Jones já exercia a profissão de neurologia quando conheceu os trabalhos de Freud, em 1903, quando, então, passou a ser um entusiada da psicanálise, aplicando seus conhecimentos ao clinicar. Em 1907, quando trabalhava em Zurique, em seu contato com Carl Jung, foi convencido das novas ideias psicanalíticas. Logo em seguida, foi para Viena, tornando-se integrante da Sociedade Psicanalítica de Viena.

Quando, somente em 1908, no Primeiro Congresso de Psicanálise em Salzburg, conheceu Sigmund Freud e apresentou-lhe seu artigo. Então, nos quatro anos seguintes, após partir para o Canadá, desenvolveu diversas atividades relacionadas à psicopatologia e psicanálise. Inclusive, atuando na divulgação das ideias freudianas, estabelecendo organizações psicanalíticas, como as mais conhecidas Associação Americana de Psicopatologia e a Associação Americana de Psicanálise.

Vida pessoa do psicanalista Ernest Jones

O primeiro relacionamento de Ernest Jones foi com Loe Kann, uma rica holandesa, que conheceu por ter se tornado viciada em morfina, após tratamento por doença renal. Este relacionamento foi entre 1906 e 1913.

Em 1916 casou com Morfydd Llwyn Owen, pianista e compositora, que faleceu apenas seis meses depois, com complicações vindas de uma apendicite. Então, somente após os seus 40 anos, em 1919, que Jones passou a constituir família, quando se casou com Katherine Jolk, com a qual teve quatro filhos Mervyn, Nesta, Lewis e Gwenith.

O casamento é descrito como longo e feliz, embora tenham sofrido com a perda da filha mais velha, Gwenith, aos 7 anos, vítima de epidemia de gripe. O filho deles, Mervyn tornou-se escritor.

Conceitos e teorias de Ernest Jones | Relevância de Ernest Jones para Psicanálise

Ernest Jones desenvolveu um intenso programa de escrita e pesquisa, com diversas contribuições significativas para a literatura psicanalítica. Sendo os seus destaques suas monografias sobre Hamlet e On the Nightmare. 

Vários de seus periódicos foram publicados em Viena, o que lhe garantiu, ainda mais, contato com o círculo íntimo de Freud. Diante disso, em 1912, Jones, em acordo com Freud, formou um Comitê de legalistas, visando salvaguardar o legado, teórico e institucional, do movimento psicanalítico. 

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Como biógrafo de Freud em The life and work of Sigmund Freud (A vida e a obra de Freud), tornou os seus três volumes uma fonte para compreensão de como era a sociedade e a política na época. E, assim, como se davam as influências intelectuais para sociedade. Sobretudo as influências médicas, filosófica e culturais de Freud.

    Leia Também:  O caminhar do processo de psicanálise e sua importância para a cura

    Sobremaneira a epistemologia da psicanálise, com o crescimento do movimento psicanalítico em Viena e pelo mundo.

    Dentre as principais teorias criadas por Jones está o conceito de racionalização, adotado por Freud como um dos mecanismos de defesa. Além disso, também criou o conceito de afânise, relacionado à sexualidade feminina.

    Além disso, durante a guerra, com seus colegas ingleses Marie Bonaparte e Abraham Arden Brill, ajudou no acolhimento de analistas alemães, húngaros e vienenses. Pois estes fugiam do regime nazista, em razão de serem analistas e/ou judeus.

    Por fim, além de suas inúmeras contribuições para a psicanálise, Ernest Jones também foi um grande jogador de xadrez e campeão de patinagem artística.

    Obras do Psicanalista Ernest Jones

    Ernest Jones Citação

    Dentre as principais obras de Ernest Jones, podemos citar:

    • Documentos sobre Psicanálise . Londres: Balliere Tindall & Cox, em 1912, com Edições revisadas e ampliadas, 1918, 1923, 1938, 1948 (5ª edição);
    • Tratamento das Neuroses . Londres: Balliere Tindall & Cox, 1920;
    • Psicanálise e as neuroses de guerra, com Karl Abraham , Sandor Ferenczi e Ernst Simmel, Londres: International Psycho-Analytical Press, 1921;
    • Ensaios em Psicanálise Aplicada . Londres: International Psycho-Analytical Press, em 1923, com edição revisada e ampliada em 1951. Edição revisada e ampliada, 1951, Londres: Hogarth Press;
    • Aspectos sociais da psicanálise: palestras proferidas sob os auspícios da Sociedade Sociológica, atuando como editor, em 1924;
    • Psicanálise, em 1928. Londres: E. Benn. Reimpresso (1949) com um adendo como What is Psychoanalysis? . Londres: Allen & Unwin;
    • No Pesadelo, em 1931. Londres: Hogarth Press and Institute of Psycho-Analysis;
    • Os Elementos da Patinação Artística, em 1931, Londres: Methuen. Com edição revisada e ampliada em 1952, Londres: Allen and Unwin;
    • Hamlet e Édipo, em 1949, Londres: V. Gollancz;
    • Sigmund Freud: Vida e Trabalho, em 1953. Vol 1: O jovem Freud 1856–1900. Londres: Hogarth Press;
    • Sigmund Freud: Vida e Trabalho, em 1955. Vol 2: Os anos de maturidade 1901–1919. Londres: Hogarth Press;
    • Sigmund Freud: Vida e Trabalho, em 1957. Vol 3: A última fase 1919–1939. Londres: Hogarth Press;
    • Sigmund Freud: Vida e Trabalho, em 1961, como um resumo do trabalho anterior em 3 volumes, de Lionel Trilling e Stephen Marcus, com introdução de Lionel Trilling. Nova York: Basic Books;
    • Sigmund Freud: quatro endereços do centenário, em 1956. Nova York: livros básicos
    • Associações Livres: Memórias de um Psicanalista. Epílogo de Mervyn Jones, em 1959. Londres: Hogarth Press. Reimpresso (1990) com uma nova introdução por Mervyn Jones. New Brunswick e Londres: Transaction Publishers.

    Ernest Jones Obras

    Portanto, se você chegou até o final deste artigo, é interessado pelo estudo da Psicanálise. Sendo assim, convidamos você a conhecer o nosso Curso de Formação em Psicanálise. Com este estudo você terá ensinamentos de como funciona a mente, sobremaneira a mente consciente. Dentre os benefícios do curso estão:

    • Aprimorar o Autoconhecimento: A experiência da psicanálise, é capaz de proporcionar ao aluno e ao paciente/cliente visões sobre si mesmo que seria praticamente impossível obter sozinho.
    • Melhora o relacionamento interpessoal: Entender como funciona a mente, poderá proporcionar um melhor relacionamento com os membros da família e do trabalho. O curso é uma ferramenta que ajuda o estudante a entender os pensamentos, sentimentos, emoções, dores, desejos e motivações de outras pessoas.

    Por fim, se você gostou deste conteúdo, curta e compartilhe em suas redes sociais. Isso nos incentivará a continuar produzindo conteúdos de qualidade para nossos leitores.

    One thought on “Ernest Jones: trajetória, ideias e obras do psicanalista

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.