Filme Psicose (Psico) de Alfred Hitchcock: interpretação

Posted on Posted in Psicanálise e Cultura, Uncategorized

Ficar assistindo filmes é a rotina de muitos, ainda mais quando estes nos deixam intrigados e com um suspense que nos prende até final. Nesse artigo vamos mostrar para você um pouco sobre o Filme Psicose, sua relação com a Psicanálise e muito mais, de um thriller que vai do suspense ao terror.

Psicose filme

Primeiramente, Psicose é um filme americano de Alfred Hitchcock, um cineasta e produtor britânico que criou inúmeras técnicas cinematográficas, que ainda hoje são utilizadas em muitos filmes de terror e também em trailers.

O significado do filme Psicose tem como título original “Psicótico”, lançado no cinema pela primeira vez em 1960. Este filme é baseado no romance de Robert Bloch, Psicose.

Assistir ao filme Psicose é ver a forma inteligente como ele foi feito, além de surpreendente. Hitchcock mandou comprar todos os exemplares deste livro para que ninguém soubesse o final, exceto ele.

Interpretação (filme Psicose) Psicose de Hitchcock

O filme é baseado na história de Marion Crain, uma jovem que trabalha em um banco e que rouba R$ 203.836,00 dessa empresa, mas ela foge com o dinheiro.

Ele sai da cidade, contudo pega uma chuva forte, fazendo com que ela erre o caminho e chegue a um hotel velho. Mas ela não sabia o perigo que corria estando ali.

O hotel era administrado por Norman Bates, que morava lá com sua mãe, de quem cuidava devido a sua doença neurótica. É neste hotel onde acontecerão os eventos do filme.

Análise do filme Psicose

Neste filme podemos ver vários princípios freudianos que se destacam. Por exemplo, podemos diferenciar os níveis da psicanálise de Freud simbolizados pela casa em que Norman Bates mora.

Observamos que o primeiro andar, onde se encontrava sua mãe, equivaleria ao superego que são os valores da sociedade, no filme são as normas parentais. O andar térreo seria o Self, o lugar onde Norman vive como uma pessoa aparentemente normal.

Finalmente, o porão corresponde ao Elo, local ao qual Norman decide confinar sua mãe, e que, ao mesmo tempo, é a conexão entre os outros níveis.

Análise do filme Psicose na Psicanálise

Novamente esta mesma teoria é representada na cena em que Norman aparece vestido como sua mãe, seu perfil psicopático finalmente vindo à tona e o cadáver de sua mãe é descoberto. A luta do id e do self pode ser apreciada aqui.

O id (ou princípio do prazer) não aceita as normas sociais e a realidade imposta pelo self. Aplicado ao personagem, vemos como Norman não aceita a morte de sua mãe, por isso se recusa a se desfazer do cadáver, mantendo assim diálogos com ele.

Outra visão é que a mãe de Norman toma um lugar psíquico muito grande dentro dele e o faz ficar/viver dentro de seus próprios delírios, que o faz se tornar uma pessoa delirante.

Teorias Psicanalíticas da Psicose filme

Por outro lado, outra teoria freudiana que se destaca claramente neste filme é o complexo de Édipo. Freud descreveu sua teoria como o desejo inconsciente de ter um relacionamento com a mãe.

O complexo de Édipo ocorre em bebês do sexo masculino e o complexo de Electra em mulheres. Para eliminar o complexo de Édipo é preciso que uma série de eventos aconteçam na infância da criança mediante o carinho excessivo do filho pela mãe.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Por exemplo, no nascimento de um irmão mais novo, pois com isso a criança aprende a aceitar que sua mãe deve ser compartilhada, também quando a ela começa a reconhecer que o pai é o “dono” da mãe e que ele deve procurar uma substituta.

Leia Também:  História da Psicanálise: como surgiu a Teoria

Complexo de Édipo no filme Psicose de 1960

Relacionando este estudo de Freud a Norman, percebe-se que o jovem nunca teve com quem compartilhar sua mãe, pois ele não tinha irmãos.

Por não enfrentar adequadamente o complexo de Édipo, Norman Bates se encarregará de tudo conforme o seu gosto e dará origem a uma série de acontecimentos que surpreenderão todos os espectadores.

Este filme surpreende agradavelmente. Inicialmente não se tem grandes expectativas, muitos até começam não gostando pelo fato do filme ser em preto e branco.

Hitchcock e a criação do seu filme

Não é uma mensagem que intrigou o público, que comoveu, não é um romance de prestígio que cativou o público. O que anima o público é o cinema puro.

Essa é a frase do Hitchcock, que estava muito convicto do que disse a François Truffaut, na famosa entrevista recolhida em forma de livro quando se refere ao seu filme mais famoso, Psicose.

Nasceu do interesse do realizador britânico em fazer um pequeno filme, quase uma série. O livro de Robert Bloch foi lido por Hitchcock quando ele viajava, e uma cena foi decisiva para a decisão de fazer a adaptação.

O famoso filme Psicose

Essa sequência é, claro, a famosa sequência do assassinato de Janet Leigh no chuveiro, a coisa mais chocante e memorável do livro de Bloch, na minha opinião medíocre, por assumir uma situação totalmente inesperada que causa grande impacto no leitor.

Em torno dessa sequência, Hitchcock compôs o que ele mesmo considerou seu maior jogo com o público. Um filme que custou R$ 4.076.720,00 e acabou se tornando seu maior sucesso, bem como o filme mais lembrado de sua extensa filmografia.

Do suspense ao terror

E esse filme faz um joguinho com o espectador, que consiste em enganá-los com base nas mudanças de rumo da trama. Aliás, a princípio, Psicose foi posado como uma comédia.

Na verdade, o primeiro terço do filme é construído sobre a premissa de que o espectador conhece e o personagem não sabe. Sendo assim, indo do suspense ao terror.

Atores do filme Psicose

Os autores e seus respectivos personagens são:

  • Anthony Perkin: Norman Bates;
  • Janet Leigh: Marion Crane;
  • John Gavin: Sam Loomis;
  • Vera Miles: Lila Crane.

O jogo do filme Psico Hitchcock

Hitchcock afirmou mais de uma vez que as motivações dos personagens, suas ações, não importavam nada para ele, o que importava para ele era conseguir algo através da técnica, que inclusive ele conseguiu fazer.

Ademais, o jogo de câmera termina com aquele olhar no final de Perkins para o espectador e então para a foto do carro de Marion sendo resgatado do pântano.

Considerações Finais

Em suma, Hitchcock fez o filme Psicose inspirado no romance de Robert Bloch. Além disso, o filme na visão psicanalista está diretamente relacionado com o Complexo de Édipo e Id, o princípio do prazer no indivíduo.

No entanto, Hitchcock foi surpreendentemente capaz de capturar fotos muito boas que chamaram nossa atenção. Além disso, as voltas e reviravoltas inesperadas do filme trouxeram sentimento de frustração e intriga à superfície.

Gostou do artigo que fizemos especialmente para você sobre o filme psicose? Convidamos a se inscrever em nosso curso online de Psicanálise Clínica, com diversos conteúdos extras para aprimorar o seu conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + cinco =