Maria Montessori

Quem foi Maria Montessori?

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Se você tem filhos pequenos, provavelmente já ouviu falar sobre o método Montessori. No entanto, será que você está por dentro da vida e obra de sua criadora, Maria Montessori? No post de hoje, dedicamos espaço em nosso blog para mostrar seu trabalho nas áreas distintas em que atuou. Você verá que cada uma das experiências vivenciadas por Montessori foi fundamental para estabelecer a importância de suas reflexões na área educacional.

A biografia de Maria Montessori

Nesta parte do texto, falamos sobre a biografia de Maria Montessori. Partimos da sua adolescência, em que os interesses pelo que ela viria a fazer no futuro se manifestaram. Em seguida, acompanharemos a sua formação e a mudança de área que foi fundamental para que uma médica pudesse opinar na educação infantil.

Por fim, trazemos uma breve explicação das principais características do método Montessori. Assim, leia até o final!

Adolescência

Maria Montessori, italiana nascida na cidade Chiaravalle, não pensava em ser educadora quando era mais nova. Na verdade, a escolha de qual carreira seguir foi complexa. Essa complexidade se mostrou na medida em que a jovem ia escolhendo caminhos distintos para seguir desde nova.

Na adolescência, Maria decidiu ser engenheira porque gostava muito de matemática. Assim, entrou em uma escola que era frequentada quase que exclusivamente por meninos. Além dela, só havia uma outra colega que era mulher. Isso já é um grande demonstrativo de que ela não temia o pioneirismo, isto é, fazer algo que poucos estão fazendo.

Apesar de ter concluído o curso para ser engenheira, a jovem decidiu que estava apaixonada por Biologia agora. A paixão foi motivo suficiente para mudar de carreira completamente e enfrentar, desta vez, o curso de Medicina. Neste momento, os contornos de sua carreira foram ganhando forma, tendo em vista o que conhecemos de seu trabalho hoje.

A medicina de Maria Montessori

Na época em que Maria Montessori decidiu ser médica, não era tão fácil assim para uma mulher ingressar na faculdade. Nessa conjuntura, nossa protagonista de hoje foi a terceira mulher formada médica na Itália. Impressionante não é? E nós só estamos começando a falar de sua vida e obra!

Apesar de toda a segregação que sofreu, a ponto de não poder participar de alguns procedimentos com os colegas homens, Maria não desistiu e terminou seu curso. Sua resiliência é exemplo para muitas mulheres! No entanto, diferentemente do que ocorreu com a Engenharia, o trabalho com a Medicina só começou com a faculdade. Confira como a carreira dessa mulher impressionante foi se desenvolvendo!

A criança selvagem e o interesse pela educação

Em  julho de 1896, Dr.ª Montessori se interessou pela área de Psiquiatria e começou a trabalhar na área. Um dos casos que mais a interessou foi o descrito por Jean Itard, acerca de Victor, o Menino Selvagem de Aveyron. O estudo da criança selvagem despertou na médica um interesse tão grande que ela começou a investigar como os estudiosos estavam tratando crianças com necessidades especiais.

A partir daí, o interesse por crianças virou um caminho sem volta. Os estudos de Itard levaram Montessori aos estudos de Edward Séguin e, por fim, aos estudos individuais que a médica passou a desenvolver. Com apenas 28 anos e todo o interesse do mundo, Maria Montessori defendeu para o Congresso Médico Nacional a tese de que a causa principal dos atrasos apresentados pelas crianças portadoras de distúrbios de comportamento e aprendizagem era o seu ambiente.

Leia Também:  Livro "Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade"

Para ela, os locais de aprendizado não tinham estímulos para o desenvolvimento adequado. Nesse contexto, já percebe-se uma forte ligação entre medicina e educação. No momento da defesa da tese, Maria ainda era médica. Contudo, no ano seguinte, seu relacionamento com a educação começou a ficar mais forte dada a oportunidade de divulgar suas ideias no Congresso Nacional de Pedagogia.

Maria Montessori como educadora

Ao adentrar cada vez mais o campo da educação, Maria Montessori envolveu-se com a Liga para a Educação de Crianças com Retardo. Foi lá que ela conheceu o também médico Giusseppe Montesano. Curiosamente, os dois foram escolhidos para dirigir em uma nova instituição: a Escola Ortofrênica.

Caso você não esteja familiarizado com o termo ortofrenia, explicamos para você: é o processo de tratamento de crianças com necessidades especiais.

A oportunidade de Giuseppe Montesano

Dentro do contexto deste trabalho com Montesano, Maria teve a oportunidade de observar com atenção o desenvolvimento de várias crianças. Nesse contexto, Montessori observou que as crianças se interessavam por qualquer coisa que pudessem sentir. Assim, adaptou o que conhecia dos tratamentos que ela estudou em Séguin e confeccionou uma nova série de materiais sensoriais.

Maria Montessori, as crianças e os materiais sensoriais

O bom de trabalhar como diretora em uma escola cheia de sujeitos adequados para estudar é que você tem a oportunidade de testar suas hipóteses com bastante tranquilidade. Foi exatamente isso o que Maria Montessori fez e, para a surpresa de muita gente naquela época, crianças com deficiências foram bem a ponto de se inscreverem nos testes nacionais de educação italianos. Ou seja, o método Montessori funcionava desde o comecinho!


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.


Uma curiosidade: vários dos alunos tiveram resultados melhores do que crianças de desenvolvimento típico.

O trabalho na Escola de Pedagogia da Universidade de Roma

Depois de algum tempo de trabalho, era chegada a hora de formalizar tudo o que foi aprendido na Escola Ortofrênica. Maria estudou Antropologia e Pedagogia por muito tempo, até que finalmente ocupou o posto de professora na Escola de Pedagogia da Universidade de Roma.

Nesse momento, ela começou a aperfeiçoar o método Montessori e, no fim de sua atuação como docente, surgiu a oportunidade de expandir o conhecimento para crianças sem necessidades especiais. Será que elas também melhorariam em termos de aprendizado se passassem pelo método?

Casa dei Bambini

Bom, para comprovar essa hipótese, algo muito similar ao que vimos antes aconteceu. Em um bairro italiano sendo reformado pelo governo, a população julgou importante confinar as crianças por algum período. Para que elas não fizessem bagunça e atrapalhassem a construção da obra no tempo livre, foi construída a Casa dei Bambini (casa das crianças), um projeto que deveria ser apenas uma creche como qualquer outra.

Montessori foi chamada para trabalhar no projeto educacional do local e foi isso que fez toda a diferença. Porque ela resolveu aplicar a remodelação do método Montessori na Casa dei Bambini, o local iria se mostrar o palco da maior revolução educacional do mundo! Tudo aconteceu por meio de ideias simples.

Primeiro, as pernas dos móveis foram cortadas para que as crianças conseguissem acessar tudo facilmente. Além disso, as prateleiras acessíveis também estavam cheias com materiais que as crianças podiam usar à vontade. Tudo isso, somado aos materiais sensoriais, fez com que as crianças ficassem concentradas, tranquilas e felizes. O principal resultado foi a descoberta autônoma da escrita por vários dos alunos.

Leia Também:  Frases de paz interior: as 10 melhores para você refletir

Normalização e Explosão da escrita

Tendo em vista que as crianças da Casa dei Bambini começaram a escrever tão rápido, Maria Montessori descobriu dois fenômenos educacionais. A Normalização e a Explosão da Escrita. Com essas observações, ela desenvolveu O Método da Pedagogia Científica Aplicado à Educação Infantil no Lar das Crianças e um livro hoje conhecido como o aclamado Método Montessori. Esse é um livro extremamente precioso para profissionais de várias áreas.

Finalmente: o Método Montessori

Não poderíamos deixar o texto sobre a grande Maria Montessori sem no mínimo resumir as principais características de seu método. São elas:

  • Ambiente característico: móveis acessíveis, cheios de materiais sensoriais,
  • Contato com a natureza: importante para o desenvolvimento da autonomia e dos sentidos,
  • Ensino individualizado: crianças que aprendem no próprio ritmo e sem pressão de grupo,
  • Incentivo à autonomia: muito do que a criança aprende é por conta própria.

Considerações finais sobre Maria Montessori

No texto de hoje, você ficou por dentro da vida e obra de Maria Montessori! Esperamos ter trazido um pouco de emoção para a sua tarde. A história dessa mulher é realmente impressionante. Para aprender mais sobre histórias como essa, você pode se matricular em nosso curso de Psicanálise Clínica 100% online. Temos muitas outras histórias inspiradoras para contar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − doze =