explicação para o medo de amar

Medo de Amar: 5 explicações da Psicologia

Posted on Posted in Comportamento

Provavelmente você ou alguém próximo já teve de lidar com barreiras pessoais quando o assunto era o amor e o medo de amar. Esse sentimento não deveria ser temido, porém muitas pessoas ainda enfrentam problemas para se permitirem uma entrega.

Além de trazer cinco explicações a respeito do porquê as pessoas têm medo de amar, nós ajudaremos a como vencer esse medo.

Medo da dor

Uma das principais causas para uma pessoa ter medo de amar é o receio de ser machucada. Quando nos apaixonamos, acabamos por desfazer algumas barreiras que comumente levantamos no cotidiano para nos proteger das pessoas.

Embora cada indivíduo tenha uma percepção própria sobre o amor, há um consenso quanto a existir uma vulnerabilidade nessa entrega.

Ou seja, se apaixonar significaria, para muitos, se expor a alguém e, consequente, à possibilidade de se machucar. Desse modo, o medo de sentir sofrimento por amar acaba impedindo que uma pessoa viva suas experiências amorosas como precisa.

Talvez haja alguém pelo caminho que, infelizmente concretize esse medo, mas certamente há aqueles que podem trazer felicidade.

Além disso, as referências pessoais de romances projetadas em nós por outras pessoas alimentam esse medo de amar.

Por exemplo, quando os nossos pais comentam sobre as suas relações que causaram muita dor. Inconscientemente podemos integrar essas vivências em nossas próprias expectativas quanto ao romance.

Família

Ainda que estejamos em uma época de maior compreensão afetiva, não significa que todas as pessoas vivam esse momento. O medo de amar para alguns se baseia na ideia de que a própria família ficará desamparada sem a sua atenção.

Em virtude disso é que alguns indivíduos se dedicam mais aos interesses familiares do que as suas próprias vontades.

Entretanto, o amadurecimento é inevitável para qualquer pessoa, além de ser necessário para crescer. Desse modo, se dedicar exclusivamente à família atrasará o caminho natural para a maturidade e ao ensinamentos concedidos nos relacionamentos afetivos.

Sabemos que cada um tem os seus motivos, mas a consciência a respeito desse apego não deve ser ignorada.

Assim, um indivíduo precisa adquirir responsabilidades pessoais para se tornar alguém independente e capaz de viver plenamente. Embora nos tornemos mais vulneráveis, inclusive nos apaixonando, essa fase precisa ser respeitada e vivida.

Zona de conforto

De acordo com a Psicologia, outro fator que influencia no medo de amar uma pessoa é a zona de conforto. Podemos nos acostumar a uma vida sem qualquer tipo de inconstância e imprevisibilidade e muitos se permitem essa vivência porque:

A solidão basta

Muitas pessoas se acostumam à solidão, já que também é cômodo manter a rotina, ainda que não haja felicidade assim.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Queremos ressaltar que esse tópico não diz respeito às pessoas que não querem ter relacionamentos em alguma fase da vida.

    Ainda que o artigo mencione pessoas com medo do amor, há diversas histórias de outros que são felizes com a própria companhia.

    Protagonismo

    Arriscar-se a ser feliz com outro alguém pode significar, para alguns, deixar o seu protagonismo em relação à própria felicidade.

    Leia Também:  Ambivalente, pré-ambivalente e pós-ambivalente

    Ademais, muitas pessoas com medo do amor receiam a mudança da própria conduta quanto ao modo de viver e agir.

    Mudança de hábitos

    Transformar a forma de ser é algo que nem todos desejam quando pensam nas possibilidades desconhecidas trazidas pelo amor.

    Medos existenciais

    Amar significa apreciar o valor de muitas coisas, principalmente ligadas a outras pessoas e não há preço equivalente.

    Todavia, algumas pessoas acreditam na finitude das coisas e como tudo pode terminar em um simples instante.

    O medo de amar aqui se concentra na ideia de que a sensibilidade dos amantes despertaria atenção para as urgências da vida.

    Por exemplo, a ideia da morte, já que muitos temem morrer ou ver alguém amado nessa situação, algo insuportável de sentir.

    Medo da falta de correspondência

    Certamente você sabe como o amor não é equitativo entre as pessoas, mesmo aquelas que se amam.

    No entanto, é comum para alguns indivíduos alegarem o medo de não serem correspondidos ou corresponder como o outro merece.

    Por causa do medo de não haver a mesma intensidade entre os parceiros, mesmo antes de começar, a pessoa já desiste da relação.

    Ninguém ama outra pessoa com a mesma intensidade que ela, tampouco a paixão durará para sempre. O tempo ao lado de alguém ajuda ambas as partes a entenderem qual a relevância da relação e como podem crescer juntos.

    Com o passar do tempo o amor se desenvolverá, garantindo a união duradoura e madura entre os amantes.

    O problema da insegurança

    Além dessas cinco justificativas para o medo de amar, muitas pessoas não se acham “boas” para terem alguém com elas. Por causa disso acabam investindo em parceiros que em nada lhes agregam ou acabam ficando sozinhas.

    Trabalhar a insegurança permite que um indivíduo cuide da sua autoestima, não se sabotando ou se diminuindo para ficar com alguém.

    Ademais, é preciso trabalhar a maneira de pensar, evitando acreditar em pensamentos negativos, como a frase “tenho medo de amar”.

    Redirecione sua atenção e força para investir em objetivos construtivos no que diz respeito às relações amorosas. Se for necessário, realize esse trabalho com a ajuda de um psicólogo.

    Como acabar com o medo de amar?

    Somente você sabe o que causa o seu medo de amar e, portanto, não há uma receita universal para responder a pergunta.

    Porém, as dicas a seguir ajudarão você a entender quais os melhores caminhos para resolver esse dilema, começando por:

    • evitar a criação de expectativas exageradas, dando espaço para analisar racionalmente as possibilidades com o parceiro;
    • não se prender aos traumas. Enxergue-os como experiências para ter uma vida melhor no futuro com alguém que te mereça;
    • respeito é fundamental assim como precisa ser recíproco numa relação;
    • investir em sua autoestima, confiando em si mesmo diante de situações complexas com o parceiro.

    Não há como saber se a relação dará certo ou não. Caso não seja mais possível continuar juntos e sem outras soluções, talvez a separação deva ser considerada.

    Lembre-se que você não pode se curar onde se machucou, então é preciso se retirar.

    Considerações finais sobre o medo de amar

    Muitos podem considerar bobagem, mas ter medo de amar cria uma armadilha emocional capaz de machucar a autoestima de uma pessoa.

    Por causa do medo de se machucar, é fácil alguém se privar de uma experiência amorosa que muitas vezes seria benéfica. Contanto que o relacionamento seja para melhor, todos possuem o direito de amar.

    Leia Também:  Saúde mental: conceito e terapias mais efetivas

    Em vista disso, se você ou alguém muito próximo convive com esse temor, pense nas oportunidades que está deixando passar. Permita-se viver e sentir o amor, crescendo internamente como pessoa, amante e alguém capaz de inspirar bondade nos demais.

    É possível lidar com essas inseguranças e temores do medo de amar em nosso curso online de Psicanálise. Nossas aulas ajudam no amadurecimento do seu autoconhecimento, permitindo acesso a uma capacidade interior de desenvolvimento e potencial para mudanças. Dessa forma, logo evitará frases como “tenho medo de amar” para vivenciar algo muito melhor.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *