Movimento Beatnik

Movimento Beatnik: significado, autores e ideias

Posted on Posted in Conceitos e Significados, Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Se você está lendo este texto, certamente você deseja saber sobre o movimento Beatnik. Provavelmente você tem esse desejo porque o nome soa tão estranho aos seus ouvidos que você não faz a mínima ideia do que ele significa.

De fato, não seria uma charada muito fácil de matar sem o conhecimento de um pouco da história mundial. Vamos te ajudar a entender mais sobre o assunto a seguir.

O que é beatnik?

Quando falamos sobre Beatnik, estamos nos referindo a um movimento que jovens americanos conduziram nas décadas de 40 e 50 do século XX. Esses criticavam o conformismo, a hipocrisia e a alienação da sua época.

Ademais, esses jovens tinham uma vida marcada pelo jazz e por outros fatores como o sexo livre, as drogas e as andanças pelo território americano.

Beatnik: significado do nome

Há várias possibilidades de explicação para o fato dessa geração ter recebido a alcunha “beat” ou “beatnik”.

Em linhas gerais, “beat” significa ritmo ou batida. Dessa forma, o nome teria tudo a ver com a influência do jazz nessa geração. Contudo, um dos seus representantes, Herbert Huncke, utilizava o termo tendo em vista o seu sentido de “cansado”, dando a entender o seu cansaço da vida. Assim, essa é a explicação mais plausível para o seu uso.

Por sua vez, o acréscimo do sufixo “nik” faz referência ao lançamento do satélite soviético Sputnik na década de 50.

Contexto histórico

É importante destacar que a geração beatnik se inseria no contexto pós Segunda Guerra Mundial.

Assim, a sociedade dos Estados Unidos estava vivendo um momento de euforia econômica, que resultava em um consumismo desgovernado. Nesse cenário, os beatniks se viam vivendo um grande cansaço com relação ao modo de viver da sua geração.

Características da geração Beat

Vale a pena destrinchar um pouco mais as características dos jovens dessa geração. Afinal, elas ajudarão a explicar a influência desses fatores na arte que eles produziam.

Boemia

O estilo de vida da geração Beat era contrastante ao da sua geração. Eles viviam despreocupados e de forma simples na companhia de pessoas com afinidades de ideias. Ademais, seu envolvimento com atividades artísticas também era marcante.

Além disso, apareciam frequentemente ao redor de prostitutas e tinham a reputação de indivíduos errantes, aventureiros e vagabundos.

Sexo livre

Os jovens da geração beatnik também eram conhecidos por desafiar o conservadorismo da sociedade americana de sua época, tendo um discurso de liberação sexual. Assim sendo, com frequência estavam envolvidos com prostituição e orgias.

Além disso, eles eram defensores de pautas como o amor livre, o que significa que eles se envolviam em relacionamentos não-monogâmicos. Ademais, não raro, os beatniks tinham relações homoafetivas.

Uso de drogas

A geração beat também foi marcada pelo uso exagerado de drogas e do consumo exacerbado de álcool. Tais vícios muitas vezes os estimulavam a produzir suas obras de arte.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Em vista disso, não é muito difícil de imaginar a forma como o seu estilo de vida chocava a sociedade conservadora americana da época.

    Leia Também:  Caio Prado Júnior: biografia, livros e ideias

    Constantes andanças pelo território americano

    Pode-se dizer que os jovens da geração beatniks também eram verdadeiros andarilhos. Com o objetivo de descobrir a verdadeira América, muitos deles viviam se aventurando pelo país e documentando de alguma forma as suas descobertas.

    Admiração pelo jazz

    O jazz teve fundamental importância para o movimento beatnik.

    Já comentamos que o próprio nome do movimento faz referência ao ritmo do jazz, principalmente ao da corrente Bebop. Esta tinha um ritmo apressado, além de ser marcada pela irreverência e pelo improviso.

    Essas características foram imitadas pelos escritores da geração beat, que tentaram imprimir esse ritmo desenfreado em sua obra. Assim, eles buscavam que os admiradores das suas obras tivessem a impressão de estar ouvindo um jazz quando as estivessem lendo.

    É importante destacar, portanto, que as obras desses autores tinham uma sonoridade bastante trabalhada e um ritmo acelerado a fim de causarem a sensação desejada em quem as lesse.

    Presença de minorias

    Muitos jovens da geração beatinik se aproximaram de públicos que eram marginalizados pela sociedade americana de sua época. Isso ficou bem evidente inclusive em suas obras, nas quais várias vezes eles deram atenção a esses grupos.

    Dois deles eram a comunidade negra e a de mexicanos ilegais. Ambos os grupos faziam parte do que era considerado o submundo americano da época e foram alvo da atenção do movimento. Ademais, vale dizer que muitos dos artistas do jazz eram negros e eram idolatrados pelos jovens “beat”.

    Escritores do movimento Beat

    Agora que já elencamos as principais características dos jovens beatniks, vale a pena apresentar dois dos principais escritores do movimento. É importante que você tenha em mente o que já falamos sobre ele para que você possa entender melhor a proposta de suas obras.

    Jack Kerouac

    Kerouac foi um dos grandes nomes do movimento. É conhecido por ter escrito o livro que é considerado a bíblia dos jovens beatniks, “On the road” (1957).

    O livro trata de suas viagens feitas no território americano, além do mexicano. A obra é bastante marcada pelo ritmo frenético, que já comentamos ser uma característica das produções dos autores do movimento.

    William Burroughs

    Este autor beatnik produziu o romance autobiográfico “Almoço nu” (1959), que é uma excelente demonstração das obras do movimento.

    Burroughs teve uma vida no mínimo dramática, uma vez que teve a vida muito afetada pelas drogas. Além disso, matou a sua esposa sem querer ao tentar atingir um copo que estava equilibrado na cabeça dela com a sua arma.

    Poesia beatnik: saiba mais sobre as produções do movimento

    Com relação à poesia do movimento, é importante destacar que elas tinham o objetivo de contestar a postura do país assumida posteriormente à Segunda Guerra Mundial. Assim, sua linguagem era muito simples, próxima ao que era ouvido nas ruas. Portanto, não espere o estilo rebuscado que geralmente é encontrado nos textos do gênero.

    É importante mencionar que um dos grandes nomes na poesia do movimento é Allen Ginsberg. O autor de “O uivo e outros poemas” (1956) se posiciona contra o preconceito sexual e também racial, além de criticar o materialismo, a guerra e muitos outros temas.

    Considerações finais sobre o movimento beatnik

    Sem dúvidas, a geração beatnik ficou marcada na história como um forte movimento de contracultura, pois foi uma grande inspiração para o posterior movimento hippie (que aconteceu na década de 60).

    Leia Também:  Saúde mental na prática: um antídoto contra a ansiedade

    Mostramos que esses jovens se posicionaram contra valores como o consumismo e também o conservadorismo, que eram bastante presentes em sua época. Assim, eles levantaram bandeiras que eram contrastantes ao que era aceitável na sua geração, como o amor livre e o uso de drogas.

    Em vista disso, vale notar como o ser humano pode ter diferentes formas de reagir aos posicionamentos da sociedade em que vive. Estes podem ser saudáveis ou danosos (como era o caso daqueles que se entregavam a vícios destrutivos). Contudo, ainda assim, de alguma forma essas reações acabaram sendo eternizadas por meio da arte.

    Conheça o nosso curso de Psicanálise

    Se você quiser entender melhor o comportamento humano e entender o que motiva ações como as dos jovens do movimento beatnik, recomendamos que você faça o nosso curso de psicanálise clínica completamente online. Iremos te ajudar a entender melhor a mente humana, te capacitando a ajudar outras pessoas a encontrar o equilíbrio e a viver de maneira mais saudável.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.