Procrastinando: 5 dicas para resolver

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

Todos nós temos agenda a cumprir, mesmo que ela esteja cheia de tarefas que consideremos ser simplórias. Ainda assim, independentemente de sua relevância, acabamos negligenciando a sua conclusão, adiando para depois o que pode ser feito agora. Entenda por que continuamos procrastinando nossos projetos, os impactos que essa decisão causará e algumas dicas para resolver.

O que é procrastinação?

Procrastinação é o ato de propositalmente adiar uma tarefa. Todos nós temos a nossa cota de responsabilidades. Se respeitarmos nossos limites, podemos continuar o nosso dia de forma equilibrada e com mais fluidez. Contudo, é possível que de maneira consciente, acabemos adiando a finalização delas, prejudicando assim nosso desempenho.

Sempre carregamos a impressão de que uma distração não irá interferir no nosso desempenho. Entretanto, o hábito de se distrair é que acaba criando uma bola de neve avassaladora. Por exemplo, se você assistir um vídeo e acabar gostando, provavelmente assistirá o seguinte. Vídeo após vídeo, a atividade que merecia real atenção acaba negligenciada.

Quando alguém acaba procrastinando algo, podemos ver isso como uma escolha consciente. Ela sabe o que precisa ser feito, mas emprega a sua energia e atenção em outros objetos. Como resultado, correrá contra o tempo para realizar sua tarefa primária.

Por que procrastinamos?

Quando estamos procrastinando, podemos detectar a nossa capacidade de agir por impulso. O prazer imediato gerado por outras atividades rouba a nossa intenção de produzir. Graças à insegurança de fazer aquilo naquele momento, decidimos relaxar com desvios. Entretanto, essas distrações são tão confortáveis que continuamos nelas ao invés de produzir.

Tudo começa de forma simples: “preciso realizar tal atividade A, mas dá tempo para fazer atividade B”. Note que percebemos o valor das responsabilidades, mas justamente isso é que nos afastam dela. Como dito acima, a insegurança também contribui. Focar em atividades secundárias ao invés da prioritária ajuda a tirar o foco da tensão.

Contudo, cabe ressaltar que isso não abrange apenas aquilo de que não gostamos. Atividades que nos dão prazer também podem ser adiadas por motivos menores. Os escritores, por exemplo, vivem e respiram a arte da escrita. Porém, também acabam procrastinando a realização do seu trabalho, que também é fonte de prazer.

Atraso X Procrastinação

Quando estamos procrastinando algo significa que estamos atrasando sua conclusão, mas o contrário não é absoluto. A procrastinação envolve um adiamento contínuo de tarefas simples ou complexas, mas que podem e deveriam ser feitas. Os resultados não são os melhores e sentiremos culpa pela ação tomada por impulso.

Quando adiamos uma tarefa de forma ponderada, podemos avaliar a sua construção e resultado. Para explicar melhor, pense em um escritor que precisa redigir um artigo. Entretanto, o ambiente não é propício, já que a casa está lotada e o barulho o incomoda. Contudo, ele se lembra que todos sairão na manhã seguinte e decide escrever nesse período de tempo.

Note que no exemplo o escritor decidiu adiar a conclusão da tarefa pois poderia se dedicar melhor futuramente. Sabe que se concentrará melhor, reverá as suas ideias e eliminará erros já que a casa estará silenciosa. Esse adiamento calculado não o prejudica, tornando o seu trabalho mais eficaz, ao contrário da procrastinação.

Consequências de ficar procrastinando

Ainda que o prazer de outras atividades amenizem qualquer desconforto, procrastinar pode ser perigoso para sua rotina. Tarefas ganham o status de prioridade por um motivo: precisam ser feitas. Quando deixamos o seu planejamento e realização para depois, colocamos em risco nós mesmos e outras pessoas que dependem dela.

Como consequência, surge a:

Culpa

O prazer imediato bloqueia qualquer sinal de arrependimento que está por vir. Ao adiarmos uma tarefa, esquecemos do que podemos retirar de bom, seja qualquer benefício aparente. Quando o momento passa e percebemos que estávamos habilitados a realizar tal atividade há muito tempo, sentimos culpa.

Ansiedade

Em geral, quando alguém acaba procrastinando alguma coisa, entra em um quadro de ansiedade. Isso acontece porque fica constantemente pensando em como reagir com o acúmulo. Diante de tanta bagunça e desorganização, acaba imaginando o que fazer primeiro. Por incrível que pareça, alguns acabam persistindo e não fazem nada.

Estresse

Quando adiamos um projeto, a bola de neve continua a aumentar indefinidamente. As obrigações de amanhã não vão esperar que as de hoje sejam feitas. Sendo assim, com tanta coisa a ser feita em pouco tempo, acabamos estressados. O que antes poderia ser feito com calma será construído em cima de muita tensão e desespero.

Autoestima

Devido à persistência desse quadro, muitos acabam tendo a autoestima abalada. Acabam desacreditando de si e a falta de confiança se torna uma constante em suas vidas.

Leia Também:  O que é FOMO: Fear of missing out?

Dicas para resolver

Procrastinar é uma escolha e a mesma deve ser mudada. É preciso consciência de como essa inatividade ao que deve ser feito é prejudicial à nossa vida e saúde. Abdicar de si acaba se tornando um hábito. Ainda que seja difícil, algumas dicas como estas podem te ajudar:

Responsabilize-se

Como qualquer outro vício, reconheça e admita que procrastina, e pare de culpar a todos. Por vezes, induzimos a responsabilidade de nossas ações à interferência de terceiros. Isso porque ameniza a eventual culpa que sentiremos em pouco tempo. Responsabilizar-se por suas ações põe em xeque como trata os seus deveres e atitudes.

Seja organizado

Se não sabe o que fazer primeiro, monte uma lista com suas atividades. Montar um cronograma serve de guia e evita que qualquer interferência apareça pelo caminho. Seja por ordem de facilidade ou urgência, cumpra os objetivos como deve ser.

Uma coisa de cada vez

Procure focar a sua atenção em um objeto por vez. Muitas pessoas se gabam por conseguir fazer múltiplas tarefas, mas jamais tente se espelhar na desenvoltura de alguém. Procure fazer uma tarefa por vez, já que, além de garantir sua realização, a qualidade também fica preservada.

Motivação

Encontre uma motivação, um objetivo final ao concluir alguma tarefa. Dessa forma, pense no que pode conquistar a cada trabalho terminado e no tempo estimado. Os ganhos posteriores recompensarão o esforço que empregou em um momento de indecisão e insegurança.

Começar

Mais importante do que ficar pensando em fazer é a ação que será tomada para atingir o objetivo. Nesse caminho, ao invés de nadar em dúvidas, comece já a sua atividade. Ainda que não seja feita até o fim do dia, os passos lentos e progressivos significam que você tem ao menos a intenção. Mesmo que não esteja tão confortável no momento, você tomou a iniciativa de não adiar.

Quando estamos procrastinando significa que não damos a devida importância àquilo. De certo modo, indica uma irresponsabilidade com todos nós. Ainda que a insegurança ou o momento não contribuam, devemos ter em mente que esses projetos são inerentes à nossa vida. São eles que definem que tipo de pessoas somos e até se estamos capacitados.

Para burlar isso, reconstrua a sua estrutura interna na forma como lida com as coisas. Priorize suas atividades e deveres, de modo que componentes irrelevantes não ganhem espaço. Tenha força de vontade ou acabará lidando com as consequências. Reproduzindo um verso da música Semana que Vem da cantora Pitty, “… Não deixe nada para semana que vem, porque semana que vem pode nem chegar”.

A procrastinação também é explicada pela Psicanálise. Para entender essa relação, se inscreva em nosso curso de Psicanálise virtual. As aulas online trazem à tona aspectos importantes da humanidade, como as suas relações de causa e efeito, por exemplo. O material nos ajuda a entender quem e o que somos.

Tratando-se de organização, o curso não interfere na sua rotina. Você pode montar a sua lista de prioridades e encaixar as aulas, no melhor momento disponível. Pagando pequenas parcelas, você tem acesso a uma educação de qualidade e garantia de um retorno intelectual. Faça já a sua inscrição!

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *