Psicologia da Motivação: princípios, aplicações e validade científica

Posted on Posted in Teoria da Psicologia

Hoje iremos falar sobre a Psicologia da Motivação. Você já reparou como a motivação virou uma espécie de palavra-chave nos nossos tempos? Seja em frases motivacionais, filmes ou livros inspiradores, esse conceito está por toda parte.

Na essência, motivação é aquela força interior que nos impulsiona a realizar algo. Por exemplo, se numa segunda-feira de manhã você consegue sair da cama e ir para a academia, é graças à sua habilidade de se auto motivar. Bacana, né?

Agora, essa história de como as pessoas desenvolvem e mantêm a motivação ao longo do tempo sempre foi um tema que despertou curiosidade e debates.

Com o passar dos anos, esse interesse cresceu tanto que originou uma área específica de estudos: a psicologia da motivação. Se esse assunto te interessa, vem comigo que tem mais por vir!

O que é a Psicologia da Motivação?

A Psicologia da Motivação se dedica a entender como as motivações influenciam o comportamento humano. Em outras palavras, ela busca compreender o que leva as pessoas a agir (ou não) em diferentes situações.

Cada um de nós tem uma maneira única de interpretar os estímulos, tanto aqueles que vêm de fora quanto os que surgem dentro de nós. Isso faz sentido, né? Afinal, somos todos diferentes, com experiências que moldam nossa personalidade e, claro, nossos comportamentos.

Um ponto bacana é que a Psicologia da Motivação recebeu uma boa dose de inspiração da teoria do Hedonismo. Essa teoria sugere que nós, seres humanos, somos impulsionados principalmente pela busca do bem-estar e do prazer. Isso se traduz em fazer coisas que nos trazem alegria e evitar aquelas que causam desconforto.

Isso explica por que, ao longo da história da humanidade, a busca pela satisfação, prazer e felicidade sempre esteve presente em todas as culturas. E faz todo sentido, né?

Nossas motivações, sejam elas internas ou externas, revelam muito sobre quem somos. Elas mostram para nós mesmos e para o mundo o que valorizamos e o que consideramos sem importância na nossa vida.

psicologia da motivacao resumo

De onde vem as nossas motivações?

Na psicologia, existe uma maneira bem interessante de entender nossas motivações, dividindo-as em dois tipos: impulso e atração.

As motivações de impulso são aquelas que vêm dos nossos instintos, das nossas necessidades mais básicas. Aqui, as decisões são influenciadas por fatores externos, como o ambiente ao nosso redor.

Já a motivação por atração é um pouco diferente. Pois ela se baseia nos estímulos internos, naquilo que cada um de nós encontra de interessante em uma determinada situação. Por isso, o que é super atraente para uma pessoa pode ser totalmente sem graça para outra.

Portanto, o que nos atrai varia muito de pessoa para pessoa, dependendo das expectativas e desejos de cada um em relação à vida. É um jeito único de ver as coisas, que muda de indivíduo para indivíduo.

Motivação por impulso

A motivação por impulso é uma força poderosa e instintiva. Ela emerge das nossas necessidades e desejos mais primitivos. Este tipo de motivação é frequentemente desencadeado por fatores externos, como um ambiente ou situação específicos.

Então, ela nos impulsiona a agir rapidamente, muitas vezes sem uma reflexão profunda.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Principais características da motivação por impulso:

    • Base instintiva: Originada em nossos instintos básicos e pulsões.
    • Resposta a estímulos externos: Influenciada pelo ambiente e situações ao redor.
    • Ações rápidas e reativas: Leva a decisões rápidas, muitas vezes impulsivas.

    Exemplos:

    1. Comer quando está com gome: Uma resposta instintiva à necessidade física de nutrição.
    2. Saltar em resposta a um som alto: Um reflexo instantâneo a um estímulo externo inesperado.

    Motivação por atração

    A motivação por atração, por outro lado, é guiada por estímulos internos e pessoais. Ela está relacionada ao que encontramos atraente ou valioso, baseado em nossas experiências, crenças e desejos individuais.

    Esta forma de motivação envolve uma reflexão mais profunda e é orientada por objetivos pessoais.

    Principais características da motivação por atração:

    • Influência interna: Originada de desejos e valores pessoais.
    • Orientada por objetivos: Relacionada a metas e aspirações individuais.
    • Reflexão e escolha pessoal: Envolve mais consideração e escolha consciente.

    Exemplos:

    1. Escolher um hobby: Baseado em interesses pessoais e paixões.
    2. Definir metas de carreira: Reflexo de aspirações individuais e valores profissionais.

    Psicologia da Motivação de acordo com Maslow

    A Pirâmide de Maslow é um conceito fascinante quando falamos de motivação. Criada pelo psicólogo humanista Abraham Maslow, ela se tornou um dos grandes marcos nos estudos da psicologia. Maslow acreditava que nossas motivações estão ligadas à satisfação de diferentes necessidades.

    Então, ele dividiu essas necessidades em cinco níveis, partindo do mais básico até o mais complexo. A ideia é que só podemos avançar para o próximo nível da pirâmide depois de atender, ao menos parcialmente, às necessidades do nível anterior.

    Vamos dar uma olhada mais de perto nos cinco níveis das necessidades humanas, segundo Maslow:

    1. Primeiro nível: Necessidades fisiológicas

    Primeiramente, no primeiro degrau da Pirâmide de Maslow, encontramos as necessidades fisiológicas. Estas são as mais essenciais para nossa sobrevivência, como alimentação, água, abrigo, ar, sexo, sono e descanso. São as necessidades que nos conectam com nossos aspectos mais básicos, quase animalescos.

    Leia Também:  Psicologia da Percepção: o que é, teoria e funcionamento

    No ambiente de trabalho, isso se reflete na necessidade de ter horários respeitáveis, um local de trabalho confortável e pausas para descanso.

    Portanto, podemos sintetizar o primeiro nível em:

    • Básico e essencial: Alimentação, água, moradia, ar, sexo, sono.
    • Aplicação no trabalho: Horários razoáveis, conforto físico, pausas para descanso.

    2. Segundo nível: Necessidades de segurança

    Em segundo lugar, após satisfazer as necessidades fisiológicas, subimos para o segundo nível: as de segurança. Aqui, falamos de ter um lar seguro, estabilidade financeira e proteção física e mental tanto na vida pessoal quanto profissional.

    No trabalho, isso significa ter benefícios, um emprego estável e um salário adequado.

    Portanto, podemos sintetizar o segundo nível em:

    • Segurança pessoal: Lar seguro, saúde, estabilidade financeira.
    • Segurança profissional: Benefícios trabalhistas, estabilidade no emprego, salário justo.

    3. Terceiro nível: Necessidades sociais

    No terceiro nível, as necessidades são sociais. Como seres humanos, buscamos conexão com outros, seja na família, comunidade, amigos ou parceiros. Essa necessidade de pertencimento é fundamental.

    No trabalho, isso se traduz em um bom relacionamento com colegas, clientes e parceiros. Então, podemos sintetizar o terceiro nível em:

    • Conexão social: Família, amigos, comunidade.
    • No trabalho: Relações saudáveis com colegas e parceiros.

    4. Quarto nível: Necessidades de estima

    No quarto nível, entramos na esfera da estima. Não basta apenas pertencer a grupos; é importante ser valorizado e reconhecido. Isso envolve laços de afeto, aprovação social e desenvolvimento da autoestima.

    Profissionalmente, isso se reflete no reconhecimento do nosso trabalho, através de elogios, confiança e promoções. Portanto, podemos sintetizar o quarto nível em:

    • Valorização pessoal: Aprovação social, autoestima.
    • Reconhecimento profissional: Elogios, confiança, promoções.

    5. Quinto nível: Necessidades de autorrealização

    Por fim, no topo da pirâmide, temos as necessidades de autorrealização. Aqui, o foco é a realização pessoal plena, expressando nossos talentos, criatividade e crescimento.

    Na carreira, isso se traduz em superar desafios, participar de decisões, atuar com autonomia e harmonizar crescimento pessoal e profissional. Por fim, podemos sintetizar o quinto nível em:

    • Realização pessoal: Criatividade, conhecimento, talentos.
    • Realização profissional: Superar desafios, autonomia, crescimento integrado.

    Lembrando sempre que a Pirâmide de Maslow é apenas uma das muitas teorias na psicologia da motivação.

    psicologia da motivação mapa mental

    Considerações finais sobre a Psicologia da Motivação

    Enfim, de impulsos básicos a aspirações complexas, cada estágio da nossa motivação revela aspectos cruciais sobre quem somos e o que valorizamos. A jornada pela Pirâmide de Maslow nos mostra que a motivação é uma força multifacetada, influenciada tanto por necessidades internas quanto externas.

    Por fim, se você se sente intrigado por essas ideias e quer aprofundar seu conhecimento, temos uma ótima oportunidade para você: nosso Curso Online de Psicanálise Clínica, totalmente EAD. Pois nele, você vai explorar esses conceitos e muito mais, ganhando uma compreensão mais profunda sobre a motivação humana e suas aplicações na psicanálise.

    Não perca a chance de se aventurar nesse campo fascinante. Inscreva-se já e comece sua jornada rumo ao entendimento mais aprofundado da mente humana!

    One thought on “Psicologia da Motivação: princípios, aplicações e validade científica

    1. Eu gosto muito desses assuntos, são bem interessante.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *