Receio: significado em Psicologia

Posted on Posted in Comportamento

Todos nós carregamos algum tipo de insegurança, seja com relação a nós mesmos ou ao mundo. Porém, entender o significado desse sentimento te permitirá fazer uma melhor avaliação dos desafios da sua vida e ter uma maior autonomia para lidar com eles. Em vista disso, nós vamos te explicar melhor o significado de receio na Psicologia e como se livrar dele.

O que é receio?

Segundo a Psicologia, o receio se trata de uma insegurança associada ao medo das consequências de suas ações. Ou seja, a fim de se preservar, uma pessoa cria uma ideia negativa a respeito de determinada experiência ou evento. Embora essa cautela possa parecer positiva, quando ela não é controlada, pode paralisar o desenvolvimento do indivíduo.

Para que você entenda melhor o conceito de receio, pense em uma pessoa que dirige e é bastante apreensiva com a forma como maneja o veículo. Por causa do medo que sente, tal motorista se mostrará mais cauteloso e atencioso para evitar o seu envolvimento em acidentes de trânsito. No entanto, caso esse temor se torne grande demais, é capaz dele não conseguir mais pegar o volante.

Caso esteja se perguntando como se escreve receio — se receio ou resseio — a primeira forma é a correta.

Causas

São vários os fatores determinantes que levam uma pessoa a ter receio em relação às suas atividades cotidianas. Por exemplo:

  • insegurança a respeito de suas próprias habilidades;
  • falta de prática de alguma atividade;
  • ansiedade, que leva essa pessoa a temer situações negativas antecipadamente;
  • traumas, já que a memória aciona lembranças específicas sobre algum temor.

Até quando é saudável pensar em consequências

É verdade que pensar nas consequências de suas ações ajuda na preservação da sua saúde física, emocional e mental. No entanto, o problema surge quando essa preocupação excessiva se tornar alvo das suas ações.

Um dos exemplos mais comuns é a decisão de uma pessoa em não demonstrar afeto por alguém que gosta muito por receio da rejeição. Assim, simplesmente por acreditar que a resposta do outro aos seus sentimentos será “não”, a pessoa sequer tentar investir em um possível relacionamento. Outra situação comum é não verbalização por parte de alguém das suas ideias no trabalho por acreditar que os seus colegas as acharão ruins.

Saiba que correr riscos faz parte da vida de qualquer pessoa, afinal ninguém consegue controlar o ambiente ao seu redor. Assim sendo, iniciativas não devem ser encaradas como assustadoras nem o medo deve limitar as suas experiências. Entenda que as vivências que experimenta podem ser boas ou ruins e a tomada de decisões influenciará diretamente o seu desenvolvimento como ser humano.

A diferença entre receio e medo

Mesmo que o medo e o receio sejam parecidos, eles possuem diferenças importantes no que diz respeito às suas consequências. O receio faz com que analisemos uma situação com cuidado, pensando em pontos negativos. Ainda assim, ele não nos impede de seguir com as nossas vontades. Por outro lado, o medo pode fazer com que nós recuemos e até fiquemos paralisados em alguns momentos.

O medo pode ser incapacitante em determinadas situações, causando prejuízos emocionais e morais a uma pessoa. Entretanto, você não deve se restringir por causa dos desafios que precisa enfrentar. Afinal, quando você acredita na própria capacidade de realização, dificilmente se deixa abalar pelo medo do fracasso ou do julgamento alheio.

Leia Também:  Maternidade e psicanálise: algumas lições

O papel da ansiedade

A ansiedade costuma ser um elemento recorrente quando uma pessoa passa a ter receio de algo na vida. Isso porque situações ruins são antecipadas, aumentando o seu receio em relação as suas atividades. Quando a ansiedade é somada aos traumas do indivíduo, se torna bastante complicado para ele vencer os temores cotidianos.

Tudo fica mais complicado quando as reações fisiológicas e emocionais dessa pessoa se alteram cada vez mais. Isso acontece porque as expectativas criadas se mostram pessimistas o suficiente para gerar agonia na mente do receoso. Em vista disso, fica claro a forma como a ansiedade pode ser assustadora, limitando e atordoando as ações e pensamentos de uma pessoa.

Proteção

Tanto o receio quanto o medo possuem a função básica de preservar a vida de um indivíduo. Dessa forma, uma pessoa receosa é capaz de analisar uma situação, podendo entender conscientemente os riscos existentes. Por outro lado, o medo pode fazer com que essse mesmo indivíduo recue antes de tomar uma atitude a fim de se preservar.

Por essa razão, pensar no próprio bem-estar e integridade faz um receoso sempre agir com extrema cautela. Ainda que ele continue a enfrentar a situação de angústia, certamente pensará muito antes de tomar qualquer decisão. Isso acontecerá principalmente se outras pessoas dependerem dele, como filhos ou subordinados numa empresa.

Como superar o receio?

Mesmo que não seja uma tarefa fácil, é possível, sim, vencer o receio e tomar o controle da sua vida. A fim de lidar com essa barreira que atua contra a sua vontade, comece a:

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Investigue a origem do receio

Pense: qual é o motivo que faz você se sentir receoso? Qual é a atividade que te faz ter esse sentimento? Reflita a respeito disso, entendendo as origens de sua insegurança e encontrando uma maneira de superar esse problema.

Melhore as suas habilidades

Quando você se sente capacitado para realizar alguma tarefa, você também se sente mais confiante em relação a si mesmo. Desse modo, busque a ajuda de algum profissional capacitado, dependendo da sua necessidade, ou de um conhecido para ajudar a se desenvolver.

Pense nos benefícios do enfrentamento de seu temor

Investigue se, ao enfrentar o problema, você se aproxima de algo que julga ser importante. Se a resposta for afirmativa, prossiga em direção ao seu alvo.

Lide com os seus pensamentos

Evite que os seus pensamentos ansiosos tomem conta da sua rotina. Só porque você acredita que sofrerá algum acidente saindo de casa não significa que ele acontecerá.

Foque no presente

Atente-se ao presente, evitando ceder aos pensamentos ansiosos em relação ao seu futuro. Uma pessoa que se concentra no agora é capaz de aproveitar melhor as interações com outras pessoas e as suas experiências pessoais.

Valorize as suas conquistas

Seja aquela pessoa que sempre se lembra dos sucessos que teve. Assim, você poderá se sentir seguro consigo mesmo. Caso seja necessário, crie uma lista com as suas realizações, registrando todas as vezes que superou algum desafio.

Liste os seus receios

Tente colocar no papel cada um dos seus temores, se esforçando quando possível para lidar com eles. Porém, não se apresse nessa tarefa, cobrando muito de si mesmo para ser alguém mais autônomo em suas decisões. Respeite o seu tempo e habilidades, sendo paciente. Assim, você será alguém capaz de lidar com os desafios que estiverem à sua frente.

Leia Também:  Obrigado: significado da palavra e o papel da gratidão

Considerações finais sobre o receio

Ter receio e ser “vencido” por ele em algum momento da sua vida não te torna uma pessoa fraca ou incapacitada. Lembre-se de que cada um de nós tem uma vivência única e são muitos os fatores que determinam as nossas vitórias.

Assim sendo, busque aprender novas habilidades, se conhecer e encontrar os seus limites, tendo assim mais clareza sobre o que deve ser feito. Acredite, você não está sozinho nessa meta e pode obter apoio para crescer sempre que precisar!

Pensando nisso, convidamos você para se inscrever em nosso curso online de Psicanálise. Nós temos a estrutura que você precisa para trabalhar o seu autoconhecimento e a sua capacidade de gerenciamento quanto aos seus temores e os seus desejos. Além disso, te ajudaremos a saber mais sobre assuntos como a diferença entre medo e pavor e te auxiliaremos a desfazer qualquer receio que tiver dentro de si.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − quatro =