Símbolo da Psicologia

Símbolo da Psicologia: desenho e história

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Os cursos de nível superior carregam um símbolo, uma espécie de amuleto que lhes confere identidade pessoal. É uma forma de se manter os seus valores, história e significados ao longo das gerações, sem perder a essência. Veja a história, desenho e significado do símbolo de Psicologia e sua importância no meio acadêmico.

O lado mitológico

A trajetória do símbolo da Psicologia salta do mitológico antes de garantir desenvolvimento do termo “psi” (Ψ). Essa é a vigésima terceira letra do alfabeto grego, se transliterando para construir a palavra psique. Com o passar do tempo, o seu significado “borboleta” evoluiu para brisa, respiração, ânimo até chegar em alma.

Sendo o símbolo maior dessa ciência, a figura do desenho de Psicologia se encontra em tudo relacionado ao curso. É uma forma de manter a sua identidade, carregando um padrão individual, único e intransferível.

Muitos acreditam que o mergulho nessa iconografia possa ter sido insuficiente para muitas pessoas. Isso porque foi comum a associação com lendas urbanas sem fundamento que acabou manchando parte da origem. Por exemplo, é comum interligar o sinal da Psicologia (Ψ) a um tridente, incluindo a referência a um tridente demoníaco.

Desmistificando inverdades

A associação do símbolo da Psicologia com “o tridente diabólico” resulta da época em que doenças mentais eram vistas com fanatismo. Nisso, os distúrbios carregavam ligações com feitiçarias, bruxas e outras instâncias sobrenaturais, incapacitando a ação do homem. Como deve imaginar, a forte influência da igreja acabava por distorcer e direcionar essa ideia aos medos da época.

Na verdade, as perspectivas sociais e religiosas defendiam um ponto de vista a respeito dos valores desse sinal. Ao catolicismo significa a Santíssima trindade enquanto o hinduísmo aponta para Shiva, que carrega o poder de mudar pensamentos negativos. Em relação aos gregos, era o símbolo de Poseidon que usava a arma para capturar as almas dos inimigos.

Ao fim, a imagem que encontra algum ponto em comum nessas três visões é da criação, destruição e preservação. Existem aqueles que relacionam isso com o equilíbrio do estudo em relação à mente humana.

A visão da própria Psicologia

A imagem do tridente, de certa forma, é repudiado pela construção que a palavra em si recebeu ao longo do tempo. Porém, as críticas ao termo não tem a mesma carga emocional aqui, já que se tornou símbolo da Psicologia. Indo mais além, ganhou um significado emblemático que abre as portas à ciência, como:

Instâncias da mente

Freud buscou indicar que as pontas da figura do desenho da Psicologia eram a tríade da força, as instâncias da mente. Assim, temos representado o consciente, pré-consciente e inconsciente da mente humana. Há aqueles que defendem ser unicamente as forças do inconsciente.

Correntes psicológicas

Cada ponta do tridente seria a representação de cada corrente psicológica. Nisso, temos a Psicanálise, comportamentalismo e humanismo. É claro, há quem discorde desse pensamento inicial a respeito dessa construção.

Pulsões

Por sua vez, outros defendem que a figura do tridente nada mais é do que a transliteração das pulsões. Daí surgem a sexualidade, autoconservação e espiritualidade.

Eros e Psique

O símbolo da Psicologia tem a sua raiz mitológica dentro de uma lenda grega, a de Eros e Psique. Psique era uma jovem de beleza descomunal que fascinava homens e provocava a inveja das mulheres, incluindo Afrodite. A fim de ser a mulher mais bonita que existia mandou que fosse assassinada, porém o seu filho, Eros, salva a jovem.

Leia Também:  Psicodrama: o que é, quais fundamentos?

Isso aconteceu porque ele se apaixonou pela jovem e também conquistou o coração dela. Passado um tempo, passam a viver em um castelo, mas Psique tinha uma condição: nunca poderia ver o rosto do amado. Acontece que ao revelar sobre o seu casamento incomum com as irmãs foi aconselhada a ver o rosto dele.

A vela que usou para se aproximar do marido pingou cera quente no rosto dele, o despertando e o enfurecendo. Vendo que a mulher descumpriu a sua promessa, Eros sai em fúria e decepção por sua postura. Imediatamente Psique se arrepende do que fez e entra em desespero desconsolada, provocando a ira de Afrodite.

Os testes de Psique

Afrodite não considerou a desanimação e arrependimento de psique quando esta lhe pediu ajuda. Nisso, acabou se vingando da jovem aplicando uma sucessão de testes a fim de acabar com sua rival. São eles:

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

  • Viajar para o submundo;
  • Enfrentar o demônio cerberus;
  • Viajar com Charon;
  • Viajar com Hades para encontrar Perséfone e pedir um pouco da beleza que estava guardada numa caixa.

Acontece que Psique surpreendeu com a sua determinação, coragem e inteligência ao vencer cada desafio. Contudo, a jovem era curiosa e vaidosa, não resistindo em abrir a caixa e vendo o que havia dentro. Foi pega pela armadilha, o sono do estágio e dormindo profundamente, sendo acordada por Eros, com quem compartilhou sua trajetória e sua devoção.

Não apenas se casaram, como Afrodite dançou em seu casamento e se arrependeu de sua postura. Zeus, como presente, decidiu tornar a jovem imortal pela bravura, inteligência e beleza, não apenas física, mas de alma. Com as suas asas de borboleta que ajudaram a fundar o significado do símbolo da Psicologia.

Efeito borboleta

Na história do símbolo de Psicologia encontramos uma passagem em que os romanos evoluíram a letra grega “psi” para “psique”. Da mesma forma se evoluíram seus significados, passando a incluir também a força da vida do ser humano. Nisso, a inclusão de “logia” fez com que abandonasse o estudo da alma pelo estudo da mente humana.

Entretanto, antes de virmos aqui, a visão grega reivindicou espaço, mesmo que de forma limitada. Psique significa também “borboleta” que após a morte se libertariam, renascendo em suas próprias almas. Alguns ainda consideram a borboleta como a face da Psicologia símbolo, mas isso não é algo oficial.

A lápis-lazúli

O Conselho Federal de Psicologia definiu a pedra lápis-lazúli como símbolo da Psicologia quanto à profissão do psicólogo. Por conta disso que os anéis de formatura são confeccionados e modelados com essa pedra. Até hoje ela mantém o simbolismo da amizade e equilíbrio emocional, contribuindo aos relacionamentos graças à evolução da mente.

Considerações finais sobre o símbolo da Psicologia

Entre mitos e verdades, a história do símbolo da Psicologia carrega um conteúdo enriquecedor por trás dela. Ao fim conseguimos perceber que se trata da valorização do poder da mente, da inteligência e autoconhecimento. Em poucas palavras ou apenas um símbolo, (Ψ), temos a ferramenta que precisamos para nos elevarmos quando necessário.

Esperamos que a leitura até aqui tenha ajudado a revitalizar a importância da Psicologia em nosso cotidiano. Há um propósito grandioso nela, um caminho traçado para reconstruirmos nossa saúde, destino e qualidade de vida adequadamente.

Por isso que convidamos você para ingressar em nosso curso online de Psicanálise Clínica e constatar por si mesmo como compreender melhor a si mesmo é transformador. Você não somente trabalha o seu autoconhecimento, como se permite explorar camadas mais profundas de si mesmo ao seu potencial. A sabedoria aqui lapidada elevará o valor do símbolo da Psicanálise, bem como do papel que assume na própria vida e sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 3 =