teste pânico

Síndrome do Pânico: teste de 20 perguntas

Posted on Posted in Transtornos e Doenças

A síndrome do pânico pode causar sintomas como medo intenso, falta de ar, aperto no peito, coração acelerado, tremores e suor excessivo. Esses sintomas aparecem de repente e ficam muito fortes em poucos minutos. Por isso, é importante fazer um teste de síndrome do pânico.

Embora as causas da síndrome do pânico não sejam totalmente conhecidas, ela é mais comum em mulheres jovens e em pessoas com histórico familiar de síndrome do pânico. Saiba mais sobre o que é a síndrome do pânico.

Se você suspeita que tem síndrome do pânico, é importante consultar um psiquiatra para uma avaliação. O tratamento geralmente inclui psicoterapia e medicamentos, como antidepressivos e ansiolíticos, para controlar os sintomas e evitar as crises.

Quais são os sintomas?

teste de sindrome do panico

Os sintomas mais comuns da síndrome do pânico são:

  • Medo ou ansiedade intensa e repentina
  • Falta de ar
  • Aperto no peito
  • Coração acelerado
  • Tremores
  • Suor excessivo
  • Calafrios
  • Tontura
  • Sensação de fraqueza ou desmaio
  • Náusea
  • Dor abdominal
  • Formigamento no corpo
  • Medo de morrer

Esses sintomas aparecem de repente, sem motivo aparente, e ficam muito fortes em poucos minutos. Além disso, quando passam, podem deixar a pessoa cansada e exausta.

Embora as crises não coloquem a vida em risco, a pessoa pode ficar com medo constante de ter novas crises e começar a evitar situações, atividades ou lugares onde elas aconteceram antes.

Teste de Síndrome do Pânico

Teste de Síndrome do Pânico 

Responda “Sim” ou “Não” para cada uma das perguntas abaixo:

  1. Você já experimentou episódios súbitos de medo intenso ou pânico que surgem do nada?
  2. Durante esses episódios, você sente palpitações ou o coração acelerado?
  3. Você sente sudorese excessiva durante esses episódios?
  4. Você já sentiu tremores ou agitação intensa durante um ataque de pânico?
  5. Você sente falta de ar ou dificuldade para respirar durante esses ataques?
  6. Você sente uma sensação de asfixia ou sufocamento durante um ataque de pânico?
  7. Você sente dor ou desconforto no peito durante esses episódios?
  8. Você sente náusea ou desconforto abdominal durante um ataque de pânico?
  9. Você sente tontura, vertigem ou sensação de desmaio durante um ataque de pânico?
  10. Você sente calafrios ou ondas de calor durante esses episódios?
  11. Você sente uma sensação de formigamento ou dormência (parestesia) durante um ataque de pânico?
  12. Você já teve a sensação de que o mundo ao seu redor é irreal ou que você está fora de si mesmo (despersonalização ou desrealização)?
  13. Você tem medo de perder o controle ou “enlouquecer” durante um ataque de pânico?
  14. Você tem medo de morrer durante esses episódios?
  15. Você evita lugares ou situações por medo de ter um ataque de pânico?
  16. Você sente ansiedade constante ou preocupação excessiva sobre ter futuros ataques de pânico?
  17. Seus ataques de pânico interferem significativamente em sua vida diária, trabalho ou relacionamentos?
  18. Você já procurou ajuda médica ou psicológica por causa desses ataques de pânico?
  19. Algum membro da sua família também sofre de transtorno de pânico ou outros transtornos de ansiedade?
  20. Você sente que seus ataques de pânico começaram sem uma causa aparente ou clara?

Como interpretar

  • Se você respondeu “Sim” a 5 ou mais perguntas, isso pode indicar a presença de sintomas associados à síndrome do pânico.
  • Se você respondeu “Sim” a 10 ou mais perguntas, é recomendável procurar um profissional de saúde mental para uma avaliação mais detalhada.

Mas lembre-se que este teste não é diagnóstico e deve ser utilizado apenas como uma referência inicial. Portanto, é importante buscar orientação profissional para uma avaliação precisa e tratamento adequado.

O que fazer durante uma crise de pânico?

Portanto, se você ou alguém que você conhece tiver uma crise de pânico, aqui estão algumas dicas para ajudar a controlar os sintomas:

  • Respire fundo: Primeiramente, pratique respirações lentas e profundas para ajudar a acalmar seu corpo. Inspire pelo nariz, prenda por alguns segundos e solte lentamente pela boca.
  • Faça uma verificação da realidade: Em seguida, olhe ao seu redor e identifique objetos reais, cores e sons para trazer você de volta ao momento presente.
  • Lembre-se que isso vai passar: As crises de pânico são desconfortáveis, mas temporárias. Elas geralmente atingem seu pico em cerca de 10 minutos e começam a diminuir.
  • Mova-se: Caminhe devagar ou faça alguns exercícios leves. O movimento pode interromper o ciclo de pensamentos ansiosos.
  • Use uma técnica de distração: Tente contar para trás de 7 em 7 a partir de 100, olhe fotos agradáveis ou ouça músicas relaxantes.
  • Pratique auto-compaixão: Não julgue a si mesmo. Lembre-se que crises de pânico são comuns e você pode passar por isso.
  • Procure um lugar seguro: Se possível, encontre um lugar tranquilo para se acalmar até a crise passar.

Além disso, para evitar novas crises, use técnicas de respiração e explore tratamentos naturais como yoga e aromaterapia. Portanto, é interessante que você conheça outras formas de tratamentos naturais para a síndrome do pânico.

Como ajudar uma pessoa em ataque de pânico

Por fim, para ajudar alguém durante um ataque de pânico, siga estas dicas:

  • Mantenha a calma: Sua tranquilidade ajuda a pessoa a se sentir mais segura.
  • Leve a pessoa para um lugar tranquilo: Um ambiente calmo pode reduzir os sintomas.
  • Fale com frases curtas e simples: Dê instruções fáceis de seguir.
  • Ofereça medicação, se for o caso: Se a pessoa tem remédio para ansiedade, ofereça-o com cuidado, sem movimentos bruscos.
  • Ajude a respirar devagar: Respirem juntos, inspirando e expirando lentamente.
  • Sugira atividades simples: Faça alongamentos leves, como levantar os braços sobre a cabeça.

Enfim, quer aprender mais sobre como ajudar pessoas com ataques de pânico? Então, inscreva-se no nosso curso de Psicanálise Clínica 100% EAD e adquira conhecimentos para transformar vidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *