transtorno depressivo maior TDM

Transtorno depressivo maior (TDM): significado, sintomas, tratamentos

Posted on Posted in Transtornos e Doenças

As maiores depressões (Transtorno Depressivo Maior) fazem parte dos transtornos do humor (timia) e são caracterizadas em três categorias principais:

  • transtornos depressivos: a síndrome depressiva pode variar clinicamente de acordo com a intensidade (leve ou maior),
  • transtornos bipolares: episódio ou estado maníaco (mania, excitação psicomotora) = tipo I, sucessão de episódios depressivos maiores chamados melancólicos (emergência psiquiátrica) = tipo II,
  • distúrbios ciclotímicos: curso longo que resulta em um ciclo depressivo seguido de um ciclo maníaco repetido várias vezes (psicose maníaco-depressiva).

As depressões maiores melancólicas são agora agrupadas sob o termo depressão maior e devem ser distinguidas de outros grupos clínicos:

  • estados depressivos reativos;
  • exaustão, depressão maior;
  • depressões maiores ligadas ao terreno: depressão maior em crianças, mulheres grávidas, idosos;
  • depressão maior sazonal.

Diagnóstico e formas clínicas

As depressões maiores (TDM) são todas caracterizadas por uma síndrome depressiva maior ou caracterizada.

A síndrome depressiva maior se manifesta em um ou mais episódios. Este episódio depende tanto do funcionamento psicológico quanto de fatores neuroquímicos.
Ele é diagnosticado pelos critérios do DDM e corresponde ao episódio depressivo da CID-10:

Têm pelo menos cinco dos nove sintomas que duraram pelo menos duas semanas:

  • humor deprimido;
  • reduzido interesse e prazer;
  • perda de apetite e peso de pelo menos 5% ao mês;
  • insônia ou hipersonia (mais raro);
  • agitação ou atraso no nível psicomotor;
  • fadiga e perda de energia;
  • sentimento de culpa ou falta de autoestima;
  • transtorno de concentração;
  • pensamento de morte e suicídio.

Saiba mais…

  • Estes sintomas causam angústia na pessoa ou redução do funcionamento a nível social ou profissional;
  • esses sintomas não estão relacionados ao uso de drogas ou uma substância ou a um problema médico;
  • os sintomas não são resultado do luto.

A melancolia é a forma mais intensa e severa de depressão maior

Seu quadro clínico difere da síndrome depressiva que acaba de ser descrita por 3 elementos essenciais:

  • a dor moral excede o sofrimento físico, o desinvestimento é global e maciço, a desaceleração motora é semelhante à inibição,
  • expressão de ideias delirantes, muitas vezes com relutância, sempre centrada em temas de desvalorização, fracasso, culpa, ruína ou incurabilidade,
  • desejo constante de morte, às vezes verbalizado, na maioria das vezes com forte relutância: somente sua inibição impede o sujeito de realizar o ato suicida.

Qualquer melancolia envolve o prognóstico vital. O risco de suicídio deve ser avaliado em todos os pacientes deprimidos, perguntando-lhes diretamente sobre seus pensamentos e impulsos suicidas, bem como sua história pessoal de tentativas de suicídio.

Causas da depressão maior

Não está claro exatamente o que causa a depressão maior, mas provavelmente é uma doença complexa que envolve vários fatores relacionados à hereditariedade, biologia, eventos de vida, antecedentes e hábitos da vida.

Genético

Estudos de longo prazo em famílias e também em gêmeos (separados ou não no nascimento) mostraram que a depressão maior tem um certo componente genético, embora não tenha sido identificado genes específicos envolvidos nesta doença. Assim, uma história de depressão maior na família pode ser um fator de risco.

Leia Também:  História da Depressão: da antiguidade até hoje

Biologia

Embora a biologia do cérebro seja complexa, as pessoas com depressão maior apresentam um deficit ou desequilíbrio de certos hormônios como a serotonina. Esses desequilíbrios interrompem a comunicação entre os neurônios.

Outros problemas, como distúrbios hormonais (hipotireoidismo, uso de pílulas anticoncepcionais, por exemplo), também podem contribuir para a depressão maior.

Meio ambiente e estilo de vida

Os maus hábitos de vida (tabagismo, alcoolismo, pouca atividade física, excesso de televisão ou videogames, etc.) e as condições de vida (condições econômicas precárias, estresse, isolamento social) podem ter um efeito profundo no indivíduo. Por exemplo, o aumento do estresse no trabalho pode levar ao esgotamento e, por fim, à depressão maior.

Eventos da vida

A perda de um ente querido, divórcio, doença, perda do emprego ou qualquer outro trauma pode desencadear depressão maior em pessoas com predisposição à doença.

Da mesma forma, maus-tratos ou traumas vividos na infância tornam a depressão maior mais suscetível à idade adulta, em particular porque perturba permanentemente o funcionamento de certos genes relacionados ao estresse.

As diferentes formas de depressão maior

Os transtornos depressivos são classificados em vários grupos: transtornos depressivos maiores, transtornos distímicos e transtornos depressivos não especificados.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    O distúrbio depressivo maior

    Se você quer saber o que é Transtorno depressivo maior, saiba que ele é caracterizado por um ou mais Episódios Depressivos Maiores (humor deprimido ou perda de interesse por pelo menos duas semanas associada a pelo menos quatro outros sintomas de depressão maior).

    Tratamentos

    Psicoterapia

    Indo para a psicoterapia muitas vezes ajuda a compreender o significado da sua depressão maior ou, pelo menos, o que começou. Essa terapia também permite encontrar os meios para se sentir melhor no dia a dia. Você aprende a reagir melhor às provações e sucessos que marcam sua vida. Assim, é possível adotar comportamentos que protegem contra uma recaída.

    Existem várias abordagens psicoterapêuticas. A terapia cognitivo-comportamental é um dos métodos mais eficazes contra a depressão maior de curto prazo. Da mesma forma, a terapia baseada na atenção plena (“atenção plena”) é uma nova abordagem que já foi comprovada.

    Mas a eficácia do tratamento não depende apenas do tipo de abordagem. O compromisso pessoal e a vontade da pessoa deprimida, bem como a relação de confiança que ela estabelece com seu terapeuta, seriam fatores ainda mais importantes de sucesso.

    Drogas antidepressivas

    Substâncias naturais ou artificiais capazes de modificar o equilíbrio químico do cérebro são chamadas de drogas psicotrópicas.

    Sua ação é exercida principalmente nas sinapses dos neurônios, ou seja, nos espaços que permitem a transmissão de informações entre os neurônios.

    O termo antidepressivo é reservado para um grupo de drogas psicotrópicas cuja ação visa o desaparecimento dos sintomas depressivos. Os antidepressivos são divididos por classes, de acordo com o tipo de ação que atuam no cérebro (bloqueiam ou estimulam uma determinada função). Cada classe de antidepressivos tem suas vantagens e desvantagens.

    Considerações finais sobre o Transtorno Depressivo Maior

    A depressão é, de fato, uma doença e requer atenção da sociedade. Seus sintomas podem ter ou não algum motivo específico. Sendo assim, o tratamento imediato é o melhor caminho para a cura desta enfermidade mental.

    As discussões sociais também são muito importantes, uma vez que há más interpretações sobre a depressão.

    Leia Também:  Dismistificando o transtorno bipolar

    Se você gostou do artigo que produzimos especialmente para você sobre Transtorno Depressivo Maior, convidamos você para se inscrever em nosso curso online de psicanálise. É uma ótima oportunidade para você aprimorar o seu conhecimento e navegar nesse mundo de informação.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *