psicologia do conto de fadas

A psicanálise dos contos de fadas: resumo do livro

Posted on Posted in Comportamento

O fascínio das crianças pelos contos de fadas tem sido objeto de vários estudos, em especial do ponto de vista literário em “A psicanálise dos contos de fadas”. As interpretações simbólicas dos contos de fadas, bem como sua relação com o inconsciente, tornaram-se um campo de especulação. E envolveu freudianos e junguianos.

Freud foi o primeiro a descobrir a natureza simbólica dos contos de fadas. Como mitos e lendas, eles investigam as partes mais primitivas da psique. Em sua interpretação dos sonhos, Freud fala dos contos de fada para explicar a interpretação dos sonhos.

Afinal, Freud afirma que o conto de fadas dá à criança uma forma de pensar que parece com a sua representação de si mesma. Ele não sente nenhuma diferença entre o animal e ele mesmo. Por isso não se surpreende com os animais antropomórficos que aparecem em muitos contos.

Róheim

Róheim fala a semelhança entre contos de fadas e experiências oníricas. Ele afirma que os mitos da mitologia derivavam de sonhos. Os contos de fadas podem surgir de experiências oníricas contadas e recontadas.

Além disso, de acordo com Schwartz, o conto de fadas, como o sonho, procede por capricho ou contraste. E contraditório tem significado aberto e concentrado, emprega símbolos, interpreta e estende o conceito de realidade. Pois, é uma forma de expressão dramatizada.

Tem elementos sexuais e culturais. Expressa desejos, demonstra humor e usa os mecanismos de:

  • condensação;
  • substituição;
  • deslocamento;
  • avaliação;
  • e por fim, supervalorização.

Tem bastante informação, né? Por isso, continue lendo o nosso post, para saber mais.

Bruno Bettelheim

Foi com Bruno Bettelheim que o significado dos contos de fadas nas crianças atingiu seu auge. Além disso, o livro de Bettelheim, Psicanálise dos contos de fadas(1976) tornou-se um clássico da abordagem psicanalítica a esses relatos.

Oferece um quadro elaborado da relação entre a criança e os contos de fadas, enfatizando seu valor terapêutico para a criança. Bettelheim analisou os contos populares e tentou demonstrar como cada um deles reflete os conflitos ou ansiedades que surgem em estágios específicos de desenvolvimento.

Por fim, graças à sua longa experiência clínica como educador e terapeuta com crianças e seus pais, Bettelheim desenvolve interpretações de contos. Além disso, ele sugere que os contos de fadas ajudam a criança a descobrir o significado mais profundo da vida enquanto entretém e desperta sua curiosidade.

Analistas junguianos

Os analistas junguianos também estudaram os contos de fadas tanto teórica quanto clinicamente. Jung atribuiu grande importância aos contos e disse que nessas histórias pode-se estudar melhor a anatomia comparada da psique.

Mitos e lendas fornecem modelos básicos da psique e do material cultural. Há menos material cultural consciente específico nos contos. Além disso, Marie Von Franz enfatiza que esses contos são a expressão mais pura e simples dos processos coletivos inconscientes.

Por fim, Hans Dieckmann sugere que os contos descrevem nossos complexos primários. Mas também a maneira como aprendemos a nos comportar em relação a eles.

Pierre Péju

Pierre Péju (1981) em sua obra enfatiza o fato de que o conto é um meio de pensar, imaginar e experimentar uma “animalização”. A descrição do lobo feita pelo Chapeuzinho Vermelho é boa e sugestivo e se limita à cabeça do animal.

Leia Também:  O que são pais tóxicos para a Psicanálise?

De acordo com René Kaes, é por meio de seu conteúdo, de seus mecanismos e da subjetividade com que reagimos a ele que o conto de fadas mais se aproxima do sonho. Como no sonho, as ações dos personagens do conto, lutando com seus conflitos, buscam uma saída para seu desejo ou necessidade.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Por fim, para esses autores, o personagem tem três funções: de elo, de transformação e de intermediário. Mais preciso, ele vincula processos primários e secundários, transforma fantasias inconscientes em narrativas estruturadas e atua como um intermediário entre o corpo e o ambiente social.

    Christian Guérin

    Christian Guérin desenvolveu uma tese original sobre a função de “contêiner potencial” do conto , baseada na teoria de Bion. Ou seja, sobre sua função de transformar afetos ou objetos impensados, pois destroem o próprio pensador em representações toleráveis. E não só isso, mas também em representações capazes de gerar representações.

    Para Georges Jean, a “magia” dos contos mantém seu lugar no imaginário infantil. Esta magia permanece no “poder dos contos” onde se inscrevem as nossas interpretações possíveis e pessoais. Ou seja, com esse efeito, é esta potência que nos permite fazer a “dupla viagem” entre o mundo exterior e o mundo interior, entre o real e o imaginário.

    Outras interpretações

    Claude de la Génardière evoca os discursos sobre as diferentes versões de Chapeuzinho Vermelho. Desde versões orais até versões escritas de Perrault e Grimm. Além disso, para ela, os personagens dos contos como os dos sonhos são todos figuras do ego.

    Enfatiza o espaço “entre mães” onde as duas mães (mãe e avó de Chapeuzinho Vermelho) trocam coisas (comida, roupa para o pequeno) através da criança interposta. Por isso, a criança tem no desejo dos outros e é o seu percurso que lhes proporcionará um ponto de encontro.

    Cada um desses personagens é a condição para a existência do outro. Para René Diatkine, a análise de um conto não deve ser pautada pela busca de um sentido único. Na análise de um sonho, a polissemia de personagens, objetos, lugares e ações permite abordar as formas mais ocultas de cada um de nós.

    O conto por trás da obra

    Embora haja um grande número de versões diferentes do conto, encontradas em várias regiões, encontramos origens asiáticas desse mesmo conto nos estudos feitos.

    As variações asiáticas de Chapeuzinho Vermelho se diferenciam dos europeus por um grande número de características:

    • o agressor pode ser um tigre;
    • as heroínas podem ser duas ou três meninas.

    Outra diferença diz respeito ao tipo de engano: o animal finge ser a mãe, avó ou tia das meninas e, muitas vezes, é a avó que as visita.

    As versões mais famosas de Chapeuzinho Vermelho foram escritas por Perrault e os Irmãos Grimm. No entanto, eles têm sido criticados por fazerem alterações aos contos do texto oral original. Segundo Dundes, Perrault tinha conhecimento da existência de contos que serviam de fonte de inspiração para seus próprios escritos (o título original: “a história da avó”).

    Versão de Perrault

    Para finalizar, vamos ver a versão de Perrault. Ele omite elementos horríveis como o convite do lobo para a heroína comer a flecha e o sangue de sua avó morta, a garota tirando a roupa, o truque de sair para defecar.

    Leia Também:  15 ótimas frases de perseverança

    Ele também mudou o final: o protagonista é devorado pelo lobo. Os Irmãos Grimm agregaram a presença do caçador e, assim, o resgate de duas mulheres restaurando o final feliz da história.

    Interpretações psicanalíticas

    As interpretações psicanalíticas mais conhecidas desse conto são, entre outras, as de Fromm (1951), Róheim (1953) e Bettelheim (1976). Bettelheim escreve que essa história expressa a ambivalência entre o prazer e o princípio da realidade.

    O conto também trata do conflito edipiano que é reativado na adolescência. A sexualidade nascente de Chapeuzinho Vermelho é dirigido a seu pai-lobo, que é a externalização dos perigos dos desejos edipianos opressores.

    Além disso, o pai também é representado pelo caçador em seu papel protetor e salvador. Na verdade, pode-se observar a divisão da figura do pai em um animal feroz, ameaçador e um caçador gentil e prestativo.

    Considerações finais sobre a psicanálise dos contos de fadas

    Por fim, a psicanálise vai muito além do que vemos. Quem imaginaria que o famoso conto “Chapeuzinho Vermelho” seria alvo de grandes estudos na psicanálise. Além disso, seria a base para o livro “A psicanálise dos contos de fadas”? Sendo assim, descubra mais com nosso Curso de Psicanálise e se torne um profissional com esse e outros conhecimentos!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *