A Raposa e as Uvas: significado e resumo da fábula

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Atravessando séculos e levando valiosas lições aos leitores, A Raposa e as Uvas continua a encantar quem a descobre. Essa história antiga, que atravessou séculos, continua a nos ensinar sobre a natureza humana com a mesma vivacidade de quando foi contada pela primeira vez.

Por trás de toda a dinâmica infantil envolvendo uma raposa, há reflexões que evocam a maneira como lidamos com desafios.

Preparado para revisitar uma história que é muito mais do que um simples conto para crianças? Vamos lá, descobrir como uma simples raposa e um cacho de uvas podem nos ensinar sobre frustração, desejo e autoengano.

Resumo da fábula

Uma raposa bastante faminta há dias caminha por um pomar até que encontra um cacho de uvas bem apetitoso.

As uvas se encontravam em seu ponto de corte ideal e exalavam um cheiro hipnotizante, bem como sua aparência. Sabendo que não havia ninguém por perto, a raposa se preparou para pegar as uvas a todo custo. O problema é que o cacho fica no alto.

Ainda que estivesse limitada pela fome, a raposa deu tudo de si para pegar o cacho.

Mesmo longe de suas patas, o animal não parou de tentar tudo o que tinha à mão para pegá-lo. Ainda que estivesse limitada pela fome e circunstâncias, não parou de variar suas habilidades de caça. Contudo, tudo se mostrou inútil.

Após diversas tentativas sem sucesso, finalmente desistiu, se mostrando faminta, cansada e bem desapontada.

Logo deu meia-volta e insinuou ir embora, até que se virou e encarou as uvas. Para se consolar do próprio fracasso, afirmou que as uvas pareciam verdes ou estragadas. Após isso, afirmou o quanto não valiam a pena e seguiu inconformada.

Significado

Imagine que você é a raposa e que a uva é algo que você quer muito conseguir. Você tenta várias vezes pegar esse desejo, usando tudo o que sabe fazer.

Às vezes, até aprende novos truques para tentar chegar lá. Mas mesmo assim, pode acontecer de você não conseguir o que quer, não importa o quanto tente.

Como forma de amenizar o baque, concluímos que tal meta não valia tanto a pena assim. Criamos justificativas enfadonhas com o intuito de nos defender de críticas pelo fracasso, bem como o nosso julgamento interno. Mentimos a nós mesmos e para o mundo, tentando ridicularizar tal objeto.

O próprio final de A Raposa e as Uvas afirma que “É fácil desprezar aquilo que não se pode obter”.

Quando rejeitamos a ideia de que somos falhos acabamos por perder uma oportunidade de crescimento. Caso se identifique com o animal e seu objetivo, repense bem a sua perspectiva e como você a trabalha quando perde algo a princípio valioso.

Lições da A Raposa e as Uvas

Como dito no começo do texto, A Raposa e as Uvas carrega lições bastante preciosas para quem lê. Mesmo sendo curta, vale a pena refletir sobre as tentativas frustradas da raposa quanto ao que queria. Isso se percebe em:

1. Nem sempre termos o que queremos

Ainda que nós possamos dar tudo o que guardamos em nós, nem sempre vamos conseguir tudo o que desejamos. Não é porque somos incapazes de alcançar determinada coisa, nada disso. Contudo, precisamos das ferramentas necessárias para viabilizar essa conquista. Entenda que precisa de mais preparação para ter o que quer.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    2. Precisamos assumir nossas culpas

    Não vale a pena jogar a culpa dos nossos tropeços em cima dos outros ou das circunstâncias. Imagina que a gente tem uma espécie de juiz na nossa cabeça que, todo dia, está lá apontando o dedo para o que deu errado.

    Se algo não deu certo, tudo bem, acontece. Mas é importante parar de dizer que é sempre culpa de outra pessoa. É hora de aceitar a parte que é nossa responsabilidade.

    3. As coisas carregam o valor que têm de verdade

    De nada adianta menosprezar o objeto que você tanto queria. Ainda que esbraveje ou grite o quanto não conquistá-la foi injusto, tal meta permanece com o valor que possui e te atraiu.

    Características da raposa

    Parágrafos acima, associamos a figura da raposa com a própria figura humana. A raposa é tida como um ser astucioso, encontrando bem caminhos para se safar de algumas situações. Nessa fábula em específico, sua própria natureza acaba por traí-la e frustrá-la.

    Sendo assim, confira algumas características que a raposa e nós evidenciamos nesses momentos:

    • Teimosia

    Mesmo vendo que não tinha condições de alcançar as uvas, a raposa continuou a tentar alcançá-las. A teimosia não a deixava desistir de tentar, mesmo vendo que era inútil. Nem sempre a teimosia é boa, visto que alimenta nossa frustração ao errarmos.

    • Arrogância

    A raposa acreditou ser superior ao seu ambiente, subestimando o esforço da conquista. Quanto mais alta nossa gula, mais temos chance de engasgar. Como consequência, o animal aprendeu a lição da pior forma.

    • Desprezo

    Como não conseguiu o que queria, acreditou que o desprezo ajudaria a amenizar seu mal-estar. Muito pelo contrário, denuncia apenas o quanto queria determinado objeto.

    Como aplicar isso com as crianças

    A Raposa e as Uvas, assim como qualquer fábula, carrega uma profunda moral em seu final. Graças a isso, é possível levantar reflexões e questionamentos sobre a mesma. Como as crianças estão em fase de crescimento, têm mais receptividade a esses eventos. Enquanto elas crescem, seus pensamentos sobre o tema também amadurecem.

    Leia Também:  Cromoterapia: o que é, princípios, esferas e qual curso fazer?

    As crianças adoram fazer perguntas, então por que não usar isso para ajudá-las a pensar sobre as histórias que contamos? Deixe que elas mesmas descubram o que a história quer dizer. Além disso, quando estiver usando fábulas para ensinar, aproveite o que faz essas histórias especiais e diferentes de outros tipos de contos.

    Além disso, por meio da fábula, dá para desenvolver habilidades orais e escritas nos pequenos. Você pode, por exemplo, pedir que reescrevam a história e a moral que ela carrega. Faça com que exercitem o seu poder de interpretação, já que isso ajudará a trabalhar melhor seu desenvolvimento.

    Comentários finais: A Raposa e as Uvas

    A Raposa e as Uvas carrega um valor existencial tão grande quanto a doçura do objeto almejado pela raposa. Por meio dessa fábula, conseguimos construir pensamentos a respeito de nós e do que almejamos. É necessário, de verdade, menosprezar algo porque não conseguiu tê-lo?

    Se você se encontra diante de algum desafio, reflita se consegue lidar com ele no momento. A insistência, às vezes, causará frustração, visto que tentaremos de tudo para tocar na meta. Se tentou e não deu certo, tenha em mente que tudo dependia de você na hora. Mais uma vez, evite culpar os outros pelos seus insucessos.

    Além disso, experimente iniciar o nosso Curso de Psicanálise Clínica 100% EAD. Graças a ele, você vai conseguir dar uma olhada na sua estrutura interna e encontrar os catalisadores de suas ações no mundo externo. Ainda que não tenha pretensões na área, nosso curso será bastante agregador a você, ajudando no seu crescimento. Nossas aulas são feitas via internet, o que viabiliza maior comodismo na hora de estudar. Você escolhe o melhor momento e lugar para aprender, de acordo com a sua rotina!

    3 thoughts on “A Raposa e as Uvas: significado e resumo da fábula

    1. Luzinete Barreto Ferreira disse:

      Achei muito interessante tudo que li até aqui, muito cativante

      1. Psicanálise Clínica disse:

        Luzinete, obrigado por suas palavras de incentivo e por acompanhar nossos conteúdos.

        1. Reginaldo Rossi, rei do brega apenas!!!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *