alter ego

Alter Ego: o que é, significado, exemplos

Posted on Posted in Comportamento

Talvez você já tenha sentido o desejo de ser outra pessoa ou viver uma vida diferente da que possui. Seja por diversão ou mesmo por necessidade, é certo que em algum momento nós já personificamos outras pessoas. Vamos explicar melhor o significado de alter ego, o porquê de ele poder ser benéfico e alguns exemplos bem conhecidos.

O que é alter ego?

Em suma, o alter ego se trata da personificação de outra identidade fictícia e distinta da nossa personalidade padrão. Ou seja, nós criamos e encarnamos a identidade de um personagem, agindo de acordo com a índole dele. Embora seja mantida algumas das características padrão, é comum que essa nova imagem tenha uma essência própria e independente do criador.

O termo significa literalmente “outro eu”, fazendo referência a uma persona que reside em nosso inconsciente. Também vale dizer o que é alter ego na Psicologia. De acordo com os profissionais dessa área, o ego é a superfície da mente onde se concentram ideias, emoções e pensamentos racionais. Por sua vez, o alter ego seria um produto do inconsciente somado às nossas vontades, desejos e idealizações reprimidas.

Origens

Segundo registros, o médico Franz Mesmer ficou conhecido por ter introduzido o uso do termo alter ego enquanto trabalhava. De acordo com seus estudos ele acabou descobrindo que o transe hipnótico revelava partes diferentes da personalidade de uma pessoa. Esse “outro eu”, que surgia durante as sessões, era como se o paciente mudasse por completo quem era.

Ao longo do tempo, o alter ego foi incorporado à literatura e ao mundo das artes pelos atores e escritores. Tudo porque essa outra personalidade serviria para dar vida às histórias mais diversas. Apesar das criações serem propositalmente diferentes em essência de quem as criou, ainda eram partes de quem as construiu.

Não o bastante, os próprios personagens criados poderiam ter outras personalidades e facetas ocultas. Por exemplo, pense nos heróis dos quadrinhos ou personagens de filmes. Embora carreguem alguns valores de quem os imaginou, essas personas são suficientemente independentes para pensar de modo próprio.

Por que pode ser benéfico ter um alter ego?

Talvez você não saiba, mas ter um outro eu pode ser benéfico para a saúde se você estiver sob a supervisão de um terapeuta. Tudo porque o alter ego criado pode se responsabilizar por fazer coisas que você normalmente não teria coragem. Não somente dar liberdade a si mesmo, mas também complementar a base da saúde mental ao tratar problemas pessoais.

Por exemplo, pense em um médico que durante toda a infância quis ser um atleta ou pintor. Infelizmente, a carreira que seguiu o fez recolher os seus desejos primordiais, embora eles ainda existissem no seu âmago. Por conta disso, o médico pode se sentir sufocado, tenso e com o humor bastante sensível frequentemente.

Caso ele deixe que o atleta ou o pintor “saia” de si esporadicamente é provável que sinta mais plenitude na vida. Outro exemplo seria alguém extremamente tímido e que teme interagir com os outros em diversas situações. Se criar uma persona com história própria se sentirá mais à vontade ao experimentar viver sem pressão ou julgamento de alguém.

Alter ego de heróis dos quadrinhos

O uso do alter ego é frequente nos quadrinhos porque é uma forma de proteger a identidade dos heróis. Desse modo é possível para eles agirem como salvadores sem que a sua vida pessoal seja diretamente afetada. Além disso, ele pode proteger a família e amigos, já que algum vilão poderia usá-los como reféns para ameaçar as suas vidas.

Leia Também:  Quem sou eu? As 30 perguntas para se conhecer

Por exemplo, o alter ego do Peter Parker é o Homem-Aranha, sendo o herói alguém distante da figura comum do seu criador. Ao longo da sua trajetória como herói, Peter percebeu que essa vida poderia colocar em risco aqueles que ele amava. Vale lembrar que, em uma história em quadrinhos, ele acabou perdendo Gwen Stacy, amiga e interesse amoroso.

Por outro lado, existem os raros casos em que há uma inversão na criação dessas identidades secretas. Em vez de ser o herói que existe em uma pessoa comum, o Superman se esconde no disfarce de um civil. Clark Kent é o seu nome verdadeiro. Assim, o jornalista se tornou o outro eu do Superman, servindo de disfarce para o herói.

Alter ego no cinema

Por causa da forma como trabalham, os atores costumam encarar um novo alter ego sempre que um trabalho se inicia. Trata-se de estudar e encarnar uma vida diferente da sua, entendendo os limites, ambições e desejos de cada personagem. Algumas imersões são tão profundas que costumam abalar mentalmente os atores que as interpretaram.

Nem sempre é fácil, pois a complexidade desses papéis pode levar uma pessoa ao limite físico, mental e emocional. Ainda assim é comum aos intérpretes apostarem em projetos diferentes como forma de se distanciar dos trabalhos anteriores. Se uma pessoa viver papéis muito parecidos é capaz dela ser estigmatizada pela semelhança que eles trazem.

Não é o caso de Tilda Swinton, profissional conhecida por sua extrema versatilidade e desenvoltura em seus filmes e séries. A atriz possui o respeito dos especialistas do ramo por dar uma atuação implacável para qualquer papel que faça. Por sua vez, o ator Rob Schneider não é tão bem avaliado pela crítica por conta das personas e projetos que costuma realizar.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Riscos

Embora um alter ego possa ajudar na evolução e vivência de uma pessoa, nem sempre pode ser algo tão benéfico. Costuma ser o caso de quem possui dupla personalidade e outros problemas de ordem. O perigo de se ter outra identidade é preocupante nessas pessoas, uma vez que:

  • as personalidades podem ser independentes, agindo longe do controle consciente do criador;
  • ter propósitos doentios, já que essa persona alternativa facilmente busca caminhos destrutivos.

Exemplos

Abaixo você pode conferir alguns exemplos de artistas que revelaram o alter ego deles, em virtude de suas carreiras ou não:

Beyoncé/Sasha Fierce

Para diferenciar a imagem do palco de sua vida pessoal, Beyoncé criou a Sasha Fierce em 2003. De acordo com ela, Sasha representava um lado mais selvagem, ousado e louco, ao contrário da tímida e reservada Beyoncé. A cantora afirma que o alter ego não existe mais, mostrando que hoje em dia se sente una consigo nos palcos.

David Bowie/ Ziggy Stardust

Os amantes do rock da década de 70 presenciaram o nascimento de Ziggy Stardust, o outro eu de David Bowie. Ziggy era uma personalidade andrógina, quase alienígena e que certamente é uma das mais conhecidas da música.

Nicki Minaj/ vários

A rapper ganhou fama na última década pelos versos rápidos e também pelas diversas personas que encarna. Apesar de serem alter egos divertidos, é dito que Onika Maraj, nome real, teve uma infância difícil imersa em conflitos familiares. Para se afastar da briga que os pais tinham ela inventava personalidades e histórias para cada uma delas.

Leia Também:  Desamparo aprendido: significado e dicas

Considerações finais sobre alter ego

Além de trazer diversão, criar um alter ego pode ter fins terapêuticos extremamente benéficos para a sua saúde. Trata-se de revelar os seus desejos sem estranheza ou culpa, preservando a sua identidade enquanto descobre novas perspectivas e experiências.

Salvo os casos em que uma pessoa tem transtorno dissociativo de personalidade, ter outra personalidade é uma atitude produtiva. Dessa forma é possível para você conciliar responsabilidades e diversão, tendo uma vida mais completa e sadia.

A plenitude pode ser um caminho acessível para você ao se inscrever em nosso curso online de Psicanálise. Ele não somente trabalhará as suas necessidades, mas também aspirações e desejos para se sentir pleno nas suas capacidades. Assim, além de revelar a produtividade de ter um alter ego, a Psicanálise te ajudará a destravar o seu potencial por completo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 15 =