ansiedade e variações

A Ansiedade e suas variações

Posted on Posted in Saúde e Psicanálise

Veja sobre a ansiedade e variações. A ansiedade é uma resposta normal em todos os seres humanos. Estar ansioso é algo inerente a estar vivo e, biologicamente compatível com nosso estado de alerta para enfrentar ameaças que ainda não conhecemos de fato (e que tememos passar). Algo parecido acontece conosco quando temos medo.

Este, por sua vez é direcionado a algo definido, como por exemplo entrar em uma rua escura, que nunca andamos antes. É nosso sistema de alerta, por assim dizer.

Entendendo a ansiedade e variações

Com essa informação adicional, diferenciando essas sensações que às vezes se confundem, é importante conhecermos melhor a ansiedade e suas variações. Dentro da psicanálise, existe uma série de análises e estudos, que foram (e ainda são) de grande valia para a linha psicanalítica no tocante ao tema ansiedade.

A partir da ansiedade normal, foram reconhecidas e assim possibilitando a terapêutica biológica e psicanalítica de cada uma de suas variações. Importante frisar que, em qualquer uma das variações aqui citadas, ocorre a ANSIEDADE como a “chave mestra” que abre o mundo desses transtornos.

Mencionarei apenas 3 deles, com a intenção de retratar, mesmo que minimamente, o quanto a intensidade e periodicidade de um sentimento tão forte como a ansiedade, quando não cuidado, pode afetar forte e drasticamente a vida de cada um de nós.

PÂNICO, ou Síndrome / Transtorno do Pânico

Esta síndrome se caracteriza pela ocorrência espontânea e inesperada de ataques de pânico. Ataques esses que causam sintomas reais de palpitações, sudorese a ponto de achar que vai morrer e seguem a procura de cardiologistas e clínicos, para pedir exames que comprovem seu estado.

Na síndrome do Pânico, a frequência dos ataques variam durante o ano e até algumas vezes ao longo do dia, adicionado a sensação de medo de estar sozinho em lugares abertos ou públicos.

O tratamento, neste caso pode ser farmacológico associado a psicoterapia, tendo alto nível de eficácia.

“STRESS” agudo e pós traumático

Traumas emocionais intensos são as causas a uma reação aguda de stress, ou pós-traumático. O que vai deferi-los é a temporalidade dos sintomas: de dois dias a 4 semanas, classifica-se como stress agudo e por mais de um mês, stress pós-traumático.

Reviver traumas intensos (catástrofes naturais, agressões físicas, estupro, combates de guerra, etc) se dá através de sonhos, pensamentos durante a vigília, hiperexcitação persistente.

O tratamento nestes casos, além da psicoterapia pode precisar de um apoio farmacológico, através do uso de ansiolíticos e indutores do sono.

Ansiedade e variações: Ansiedade generalizada

A Ansiedade generalizada está relacionada com preocupações excessivas, expectativa apreensiva exagerada, e principalmente caracterizada por não ter um foco específico, e que persista por um período de pelo menos 6 meses.

São sinais da TAG a combinação de vários desses fatores em uma mesma pessoa:

  • inquietação,
  • dificuldade de concentração,
  • sensação de “nervos a flor da pele”,
  • fatigabilidade,
  • “brancos” ou “lapsos de memória”,
  • irritabilidade,
  • tensão muscular (muitas vezes levando a cefaléias, lombalgia, ou dores localizadas em um outro membro), e
  • insônia, classicamente com grande dificuldade para conciliar o sono, desde o início da noite (em contraste com a insônia dos transtornos depressivos, que aparece com despertares durante a madrugada).

O tratamento é eminentemente psicoterápico

Reconhece-se a importância do uso de ansiolíticos, como apoio no tratamento como nos transtornos mencionados anteriormente, mas se faz necessário mencionar o uso abusivo dessas medicações gerando outro problema grave, como a dependência aos benzodiazepínicos de forma indiscriminada e por médicos não psiquiatras.

Fazendo uma análise desses 3 tipos de transtorno é incrivelmente assustador o quanto um fator como esse, pode desencadear e permanecer em nosso dia a dia. Sua variedade e gravidade se estendem por vários transtornos, incrementando, vastamente a lista do Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais.

O grande desafio individual é percebermos diante de cada situação que inclua alguma tensão, como reagimos e qual a frequência tal reação se torna cada vez mais gradual.

Cobranças sociais

As cobranças sociais (principalmente as auto impostas, ou aceitas, que as ratificam de certa forma) precisam ser cuidadosamente avaliadas. O que vale para o outro pode não valer para mim. Temos realidades e história de vidas diferentes, assim como o propósito, metas e desafios. Vale mencionar que nossa energia psíquica é diferente, ampla, algumas mais afloradas que outras.

Leia Também:  Tipos de Transtornos de Ansiedade: 6 principais

O medo é importante, a ansiedade é natural mas qualquer um desses dois sentimentos vivenciados de forma frequente e com intensidade alta, podem desencadear um ciclo perigoso de pensamentos negativos e paralisantes, aumentando o risco de entrarmos em um caminho que vai gerar angústias lancinantes.

A psicoterapia, meditação, uma busca por autoconhecimento, redução de cobranças de si próprio, auto acolhimento são alguns artifícios importantes e extremamente valiosos, para nossa saúde emocional, mental e corpórea.

Conclusão sobre a ansiedade e variações

Não nascemos ansiosos. Não temos que simplesmente cair na auto sabotagem ou acomodação do “eu sou assim, nasci assim e vou ser sempre assim”, como já nos embalou a música, divinamente interpretada por Gal Costa.

Sim, podemos mudar nossos pensamentos, atitudes. Precisamos novamente, e sempre, enveredar em nossa jornada pessoal cultivando, antes de qualquer coisa o amor próprio, auto cuidado através do auto conhecimento. Quando se sentir sozinho, com medo, com dúvidas, procure alguém que você confie. Converse e explore as opções.

Pensar junto é co-criação e tem muito a nos ensinar e fortalecer porque não temos realmente muita clareza de tudo, quando estamos no meio de um vendaval. Não conseguimos enxergar todos os fatos, quando estamos com tantos sentimentos envolvendo um momento importante, que precisa de nossa decisão, inclusive a de abrir mão de outras e isso traz sempre uma ansiedade. Natural.

O que não podemos, ou devemos deixar é ser natural sermos dominados por um único sentimento, que pode ser avassalador. Sejamos felizes sem incluir a ansiedade em assim ser, pois felicidade é um caminho, e não um lugar.

Este artigo sobre ansiedade e suas variações foi escrito por Poliana B. Falcão([email protected]), mulher feliz, assumindo o que sempre quis: conhecer e evoluir sempre, para ser o melhor possível para mim, e para o outro; estudante de Psicanálise (com muito amor e honra).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − doze =