Você sabe o que significa anti racista? Pois, nos dias atuais o termo tem ganhado mais espaço. Então, confira nosso artigo para saber mais!

Anti racista: significado, princípios e exemplos

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Você sabe o que significa ser anti racista? Pois, nos dias atuais essa expressão tem ganhado cada vez mais espaço. Por isso, nesse artigo, nós falaremos do significado e princípios. Então, confira também os exemplos que trouxemos sobre o anti racismo!

Qual é o significado de anti racista?

Segundo o Dicio, antirracista é a pessoa partidária do antirracismo. Ou seja, aqueles que são de uma ideologia contrária ao racismo. Assim, que se opõem a qualquer prática racista que envolve a discriminação e a segregação racial.

Dessa forma, ser anti racista depende da ação de cada pessoa. E isso, independente da sua raça ou etnia. Pois, o principal objetivo é desenvolver uma sociedade mais justa e igualitária.

Anti racista: princípios

Escravidão

Ainda hoje, os casos de discriminação racial marcam sociedades em todo o mundo. Isso porque, o racismo promove ações de rebaixamento e humilhação de pessoas negras. Pois, a cor da pele é o principal motivador das violências diárias enfrentados pelos afrodescentes.

Nesse sentido, a base para todo esse racismo parte da escravização dos diversos povos africanos. Assim, usados como objetos, muitos foram retirados à força de suas terras, através de navios negreiros, e enviados para diferentes países.

Desse modo, o Brasil foi o que mais recebeu os africanos. E também o país em que a escravidão durou mais tempo. Pois, passamos por quase de 400 anos nesse sistema desumano. Assim, mesmo com a abolição da escravatura em 1888, até hoje há marcas estruturais da escravidão.

Contudo, não significa que a população negra não tenha se rebelado. Muito pelo contrário, por isso o assunto se faz necessário, devido aos diversos grupos de resistência que lutam contra a violência e a opressão.

Angela Davis e sua ideia de anti racista

Nesse sentido, os Estados Unidos também foi o destino de milhares de escravizados. Assim, um dos principais nomes na luta pela igualdade racial é Angela Davis. Então, essa mulher negra, foi integrante do grupo Panteras Negras, que na década de 1960 começou uma luta armada contra a violência racial promovida pelo Estado.

Sendo assim, é de Angela Davis a expressão “Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista.” Suas obras trazem diversos ensinamentos sobre a história dos povos negros. Pois, ela é professora e filósofa e pesquisadora de estudos sobre as questões raciais.

Inclusive, com suas ideias sobre o feminismo negro e a ideia da interseccionalidade. Pois, para ela, a sociedade precisa considerar as diferenças de gênero, raça e classe. Além disso, não foi à toa que em sua última visita ao Brasil, em 2019, Davis discursou que A liberdade é uma luta constante.

Movimento anti racista Vidas Negras Importam

Sendo assim, outro forte princípio da luta anti racista é o Black Lives Matter. Pois, o movimento traduzido como Vidas negras importam, ganhou grande notoriedade mundial. Sua origem foi em 2013, quando um policial branco foi absolvido por assassinar o jovem negro Trayvon Martin.

Leia Também:  Síndrome de Poliana: o que significa

Assim, começam os protestos contra a violência policial contra negros nos Estados Unidos. Logo, com a #BlackLivesMatter passaram a divulgar na internet a violência e abusos. Dessa forma, chamam a atenção para o genocídio negro, em especial em casos como o de Marielle FrancoGeorge Floyd e tantos outros.

Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro

Portanto, para exemplificar como ser anti racista, traremos as principais ideias de Djamila Ribeiro. Isso porque ela é filósofa e pesquisadora de assuntos referentes à comunidade negra no Brasil. Dessa forma, em seu livro Pequeno manual antirracista, Djamila mostra 10 lições práticas para sermos antirracistas. Confira!

1. Informe-se sobre o racismo

No Brasil há uma negação de que o racismo existe. Pois, a narrativa ensinada ao longo dos séculos é sobre uma falsa ideia de harmonia racial. Por isso, é preciso entender sobre os reais processos de escravização.

2. Enxergue a negritude

Nesta lição, Djamila chama a atenção para os estereótipos. Ou seja, todas as ideias disseminadas sobre os negros. Assim, como a ideia de que todos os negros são traficantes, por exemplo. Por isso, é preciso enxergar a negritude livre de preconceitos.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    3. Reconheça os privilégios da branquitude

    Nesse sentido, pessoas brancas precisam entender que são sim privilegiadas. Isso porque elas têm acesso e condições melhores de vida. Afinal, é só perceber a quantidade de pessoas negras à sua volta e nos locais que você frequenta. E ainda, que posição de serviço que elas ocupam.

    4. Perceba o racismo internalizado em você

    Dizer que “eu até tenho amigos negros” não te faz ser anti racista. Pois, muitas vezes o racismo acontece de forma velada. Ou seja, não acontece apenas por meio de violência. Mas, pela ausência de pessoas negras em diferentes ambientes.

    5. Apoie políticas educacionais afirmativas

    É por isso que as cotas são tão importantes. Pois, esse é um debate sobre oportunidades e não sobre capacidade. Nesse sentido, é preciso comprender que pessoas negras não têm o mesmo acesso à educação de qualidade.

    Logo, elas não alcançam vagas em universidades de prestígio e não conquistam cargos melhores. Ou seja, é um ciclo sem fim que mantém as mesmas pessoas em melhores condições sociais.

    6. Transforme seu ambiente de trabalho

    Por isso, é preciso sair da ideia do “negro único”. Ainda mais com pessoas na área de limpeza e segurança. Então, ofereça mais oportunidades de emprego às pessoas negras. Assim, como cargos de liderença.

    7. Leia autores negros e seja anti racista

    Para conhecer diferentes perspectivas da História e condições dos negros, é preciso ir direto à fonte. Nesse sentido, é preciso expandir os saberes.

    No campo da Psicologia, por exemplo, tem o livro Tornar-se negro, de Neusa Santos Souza, em que a autora debate os efeitos psíquicos do racismo na identidade dos negros.

    8. Questione a cultura que você consome

    Ademais, ao ver um filme, novela ou série é preciso se atentar se:

    • há ausência de pessoas negras no elenco e produção;
    • se quando elas aparecem, estão esterotipadas. Ou seja, sempre aparecem como empregadas domésticas, bêbados ou expondo seus “corpos exóticos”.

    9. Conheça seus desejos e afetos

    É por isso que é preciso perceber com que tipo de pessoa você se relaciona. Pois, muitas pessoas só se relacionam com mulheres negras por conta das curvas. Contudo, não assumem um relacionamento sério. Não é à toa que as mulheres negras são as que menos se casam no Brasil.

    Leia Também:  Qual é o símbolo da paz? Significado e história

    10. Combata a violência racial

    Por fim, assim como o movimento Vidas Negras Importam, é preciso participar de ações que visam o fim da violência racial. Portanto, Djamila chama a atenção para cobrar dos políticos ações mais igualitárias. Ademais, participar de mobilizações à favor dos direitos dos negros.

    Considerações finais sobre anti racista

    Neste artigo, trouxemos diversas dicas para se tornar uma pessoa antiracista. Desse modo, é preciso sair da inércia e deixar de fingir que os problemas raciais não existem. Pois, somente com a consciência da sociedade é que podemos lutar contra o racismo estrutural.

    Então, você quer saber mais sobre ser anti racista? Por isso, faça nosso curso online de Psicanálise! Desse modo, você aprenderá sobre a mente e o comportamento humano. Ademais, as consequências psicológicas para quem passa por situações traumáticas. Portanto, inscreva-se já!

     

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *