Autoconhecimento nos relacionamentos: Conceito Psicanalítico

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Na atualidade, um grande número de pessoas possui uma grande dificuldade em demonstrar os seus sentimentos e manterem relacionamentos duradouros pois não praticam o autoconhecimento nos relacionamentos.

Muitas vezes, por medo do que já passaram, tentam se defenderem do que sentem. Desse modo, vivem a superficialidade de um momento, apenas para extravasarem os desejos provenientes do ID. Elas não têm a intenção, entretanto, de aprofundarem-se nos sentimentos. Depois, voltam ao vazio que sentiam, jogando para o mais profundo do seu ser os sentimentos que insistem em vir à tona.

A falta de autoconhecimento nos relacionamentos gera solidão

Presas a receios, inseguranças e medos, elas não conseguem se envolver em relacionamentos. O receio de decepcionar a si mesmas ou ao outro, não atendendo às suas expectativas, deixam-nas paralisadas.

Com isso, se defendem desse sentimento, afastando-se das pessoas ou afastando-as de si. A fuga de um relacionamento é um paradoxo, pois tem, por vezes, a finalidade de evitar sofrimento. No entanto, em contrapartida, podem provocar um sofrimento ainda maior e mais profundo: a solidão.

Sintomas físicos causados pela falta de autoconhecimento nos relacionamentos

A dor da alma é uma dor profunda e pode até mesmo culminar em sintomas físicos. Entretanto, esses sintomas não podem ser correlacionados a lesões ou a distúrbios orgânicos. Essa é outra forma de defesa do aparelho psíquico para tentar proteger-se da degeneração, de sua degradação.

Traumas da infância, como situações de abusos físicos, emocionais ou psicológicos também são situações agravantes que impedem um relacionamento saudável.

A ansiedade, considerada o “mal do século”, impede a vivência do presente e traz o constante medo do futuro. O medo envolve questões que ainda não ocorreram e talvez, nem ocorram, tais como traições, separações e decepções.

Essas são as tão bem conhecidas preocupações: “ideias fixas e antecipadas que perturbam os pensamentos e trazem sofrimento moral”. (Houaiss, 2009)

Autoconhecimento para acabar com a ansiedade e gerar relacionamentos saudáveis

Como curar-se desses medos, receios e inseguranças? Como livrar-se de tanta dor? Como afastar as defesas que lhe impedem de ser feliz? Para livrar-se dos medos, receios e inseguranças há a necessidade de entender sua causa e de elaborá-los.

Para resolvê-los em seu interior e impedir que atrapalhem a sua relação consigo01 mesmo e com o mundo exterior. Esses sentimentos estão presentes em pessoas com o Ego imaturo, pouco desenvolvido, enfraquecido.

Quando a pessoa procura conhecer-se, passa a confiar mais em si mesma. Ela sabe colocar-se no lugar do outro, mas não se importa tanto com o que pensam dela, pois desenvolvem a autoconfiança.

A cura por meio do autoconhecimento nos relacionamentos

Ela passa a ter atitude e um posicionamento mais maduro diante do mundo, de seus relacionamentos e de seus sentimentos. A cura desses sentimentos depende, em primeiro lugar, da própria vontade. Ninguém será capaz de fazê-lo pelo outro. Mas, se realmente quiser, a busca por uma terapia analítica é essencial para auxiliar no quesito do autoconhecimento nos relacionamentos.

Desse modo, irá trazer à tona conteúdos reprimidos no Inconsciente, que são a causa primária dos problemas. Com isso, elaborando-os para que se tornem menos dolorosos e para que se tenha a liberdade de viver plenamente os relacionamentos, tanto de amizade como de amor.

O significado de autoconhecimento

O autoconhecimento é a compreensão de si mesmo, de seus sentimentos, da forma como se relaciona com o mundo exterior e como se age ou reage em cada ocasião. A partir daí, pode-se tomar o controle da própria vida.

Os traumas, medos, inseguranças e receios podem ser compreendidos e elaborados para se construir um Ego saudável, maduro e fortalecido. Desse modo, ela será capaz de lidar com a realidade, equilibrando as exigências de satisfação dos desejos do ID e a moralidade advinda do Superego, conforme conceito de Freud (1932). Olhar para dentro de si mesmo não é uma tarefa fácil, pois há muitos conteúdos inconscientes, protegidos pelos mecanismos de defesa do Ego.

Com o auxílio da psicanálise, essa tarefa torna-se menos árdua. Sendo assim, através da livre associação, traz à tona, através da própria fala, lembranças reprimidas no Inconsciente.

Além disso, traz também os sonhos, que através de sua simbologia e no contexto de vida, podem ser interpretados pelo psicanalista, que ajudará a descobrir as causas dos sofrimentos da alma, na sua elaboração e na busca do autoconhecimento.

É importante ser o responsável pela própria felicidade

Fortalece-se, assim, a auto-estima, aprendendo-se a amar a si mesmo e a sentir-se completo. Desse modo, torna-se feliz, sem imputar ao outro a responsabilidade de fazer a vida ter sentido.

Jogar ao outro a responsabilidade de sua felicidade é uma tarefa fadada à infelicidade, pois o outro é um ser humano que também apresenta imperfeições. Esse outro ser também tem seus desejos, sentimentos e limitações.

Quando a pessoa está bem resolvida consigo mesma, ela é capaz de se sentir feliz por si só. Além disso, ela pode aceitar o outro como é e decidir se deseja ou não que esta pessoa faça parte de sua vida.

A percepção dos pensamentos que deixam a autoestima baixa é fundamental no processo de autoconhecimento. Assim, se pode desatar os nós que os prendem a esses pensamentos viciantes e passar a valorizar-se. A valorização permite o reconhecimento do verdadeiro EU, suas capacidades e potencialidades, percebendo os pontos positivos e os que precisam ser trabalhados para que melhorem.

É necessário entender que as decepções, traumas, medos e inseguranças por fatos já vividos, não podem atrapalhar os relacionamentos presentes ou futuros. Cada momento na vida é diferente ou pode ser diferente se olharmos para eles como páginas não escritas e as escrevermos sem angústias e preocupações, tudo a seu tempo; procurando não repetir os erros do passado.

E se não funcionar?

E se o relacionamento não ocorrer da forma como gostaria, ter o Ego fortalecido e saudável evitará que a pessoa se deixe cair em um “abismo” de dor e sofrimento. Afinal, sentir tristeza é natural, mas não se pode deixar que os sentimentos dominem. Além do mais, é preciso compreender que cada experiência traz um novo aprendizado.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.


Algumas vezes é necessário separar o afeto do fato vivido e analisá-lo racionalmente para se libertar do sofrimento, fazendo uso da Inteligência Emocional. Quanto mais se adquire autoconhecimento, maior será o Quociente Emocional e a vida deixará de ser um “muro de lamentações”.

Assim, vive-se integralmente, sem que sentimentos aflitivos nos paralisem e impeçam a nossa caminhada.

Você já vivenciou alguma situação em que o medo do passado atrapalhou o seu relacionamento presente? Como você lidou com isso? Compartilhe conosco a sua opinião sobre a importância do autoconhecimento nos relacionamentos.

Aproveite também para conhecer o nosso curso online de Formação em Psicanálise Clínica. Esse curso vai te ajudar a compreender os seus anseios mais profundos e a lidar com eles para que não atrapalhem seus relacionamentos.

Este artigo sobre Autoconhecimento nos Relacionamentos foi escrito pela aluna do curso de Psicanálise Carla Cristiane Monteiro da Silva, exclusivamente para o nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 20 =