Autoestima baixa: causas, sintomas e dicas

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

A autoestima baixa é um assunto que tem sido muito debatido atualmente. Quem já não ouviu esse tema seja na roda de amigos, seja nas redes sociais, ou na escola? Ou, até mesmo, você pode estar sentido isso. Ou ainda você conhece alguém que está.

Reconhecemos que este é um assunto sério, pois a autoestima baixa interfere em muitas áreas de nossas vidas. Por isso é preciso entender do que se trata, sintomas, causas e dicas para sair dessa situação. A gente espera que esse artigo possa te ajudar.

Para começar a conversa, vamos entender o conceito de autoestima e depois o que é a autoestima baixa.

O que é a autoestima

Vamos começar vendo o significado de autoestima. Se procurarmos o termo no dicionário veremos que ele é um substantivo feminino. Dentre as definições de autoestima podemos ler:

É a qualidade de quem se valoriza, de quem está satisfeito consigo mesmo. Essa satisfação é com seu modo de ser, com sua forma de pensar, com sua aparência física. Essa satisfação é expressa através da confiança em suas ações e opiniões.

Ou seja, vemos que a autoestima é a opinião que você tem de si mesmo. É ser determinado e seguro com aquilo que faz porque sente que sabe faz isso muito bem. É estar satisfeito com sua identidade, é reconhecer e valorizar suas qualidades. Não é apenas falar que é bom, mas sentir que se é bom. Entende? É uma questão de ser.

Na psicologia, a autoestima é uma avaliação subjetiva que fazemos de nós mesmos. Ademais, segundo estudos de Sigmund Freud, está diretamente ligada com o desenvolvimento do ego.

Já em relação a grafia da palavra, vamos te informar sobre uma curiosidade: a forma correta é autoestima. Antigamente o termo era grafado como “auto-estima”, mas com o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, isso mudou.

O que é autoestima baixa

A baixa autoestima está intimamente ligada à dificuldade de autoaceitação e à falta de autoconhecimento.

Indivíduos inseguros, que possuem dificuldade em aceitar os próprios erros e não conseguem reconhecer e valorizar seus potenciais desenvolvem um grande medo da rejeição e têm o hábito de se comparar com outras pessoas.

Uma pessoa que sofre de baixa autoestima não se sente capaz de realizar as coisas e, com isso, acaba perdendo inúmeras oportunidades de crescimento em vários âmbitos da vida, prejudicando o próprio desenvolvimento.

Confira alguns dos principais sinais da baixa autoestima a seguir:

Significado

Quando sua autoestima está baixa isso significa que sua autovalorização está abalada. Ou seja, uma pessoa com baixa autoestima tem dificuldades de se enxergar positivamente.

Contudo, é preciso dizer que se sentir para baixo faz parte da existência humana. Afinal, não dá para estarmos sempre felizes. Porém, quando permanecemos com esse sentimento é preciso cuidado e atenção.

Assim, se sentimentos de impotência, autodesvalorização e tristeza são constantes na sua vida, é preciso atenção. Isso porque é preciso entender que quando a autoestima cai, todas as áreas de nossa vida são afetadas. Essas são áreas que abrangem nosso relacionamento com amigos, com família e com colegas de trabalho.

Como dissemos, o sentimento constante de autoestima baixa é preocupante. Essa preocupação se dá, pois ela pode ser sintoma de algo maior.

Autoestima baixa como sintoma de algo maior

Como dissemos, a autoestima baixa pode ser sintoma de algo mais grave. Ela pode ser considerada um sintoma de depressão. São casos em que o paciente depressivo apresenta um comportamento inseguro, negativista, insatisfação e pouca confiança em suas ações.

Isso foi visto em um estudo realizado pelos pesquisadores da Universidade de Basel. Ademais, o psicólogo Lars Madsen acrescentou que ela é “um fator chave tanto no desenvolvimento quanto na manutenção da depressão”.

Sintomas da autoestima baixa

Bom, a pessoa que tem a autoestima baixa costuma apresentar alguns comportamentos. Alguns estão descritos abaixo:

  • Exaltação os próprios defeitos e as qualidades de outras pessoas;
  • Perfeccionismo;
  • Falta de confiança na sua própria opinião;
  • Medo de enfrentar desafios;
  • Dureza consigo mesmo, indulgência com os outros;
  • Ansiedade frequente e agitação emocional;
  • Dificuldade de aceitar as próprias limitações;
  • Timidez em excesso;
  • Medo da rejeição;
  • Busca constante por elogios e reconhecimento externo;
  • Tendência à procrastinação e preguiça;
  • Hábito de se comparar com outras pessoas;
  • Falta de habilidade de lidar com críticas;
  • Falta de apreciação pelas próprias vitórias.

Causas da autoestima baixa

A autoestima não nasce com a pessoa. Assim, consequentemente, a autoestima baixa também não. A autoestima vai se moldando de acordo com as experiências que temos nas nossas vidas. As fases da infância e da adolescência são muito importantes para essa construção. Como os filhos, quando pequenos, querem agradar os pais, acabam usando os incentivos que esses oferecem como uma referência.



Essas referências podem ser boas ou ruins. Ainda nessas fases, acontecimentos podem marcar uma pessoa para sempre. E essas marcas podem estar no inconsciente e a pessoa não ter noção nenhuma disso. Tome como exemplo uma criança que presencia o pai elogiando outra. Ela pode tentar copiar essa criança e ser menos ela mesma. Afinal, para uma criança é muito difícil dividir a admiração dos seus pais.

Leia Também:  5 artistas que se inspiraram na Psicanálise

Ou seja, na infância todas as experiências negativas precoces podem ter um efeito muito duradouro na nossa vida adulta. Dentre essas experiências podemos destacar:

  • Castigos frequentes;
  • Negligência frequente;
  • Abuso crônico;
  • Normas parentais severas;
  • Ser intimidado ou boicotado;
  • Estar na extremidade receptora do stress ou do desespero de alguma outra pessoa;
  • Falta de elogios, calor e carinho;
  • Permanecer em uma família ou grupo onde outros membros são preconceituosos.

E tudo isso, como dissemos, está relacionados a ao desenvolvimento da autoestima baixa.

Dicas para aumentar a autoestima

A primeira coisa a se fazer é procurar uma psicoterapia. Ter ajuda de um profissional é importantíssimo. No entanto, deve ser um profissional que te direcionará para que possa fazer escolhas melhores em sua vida. Outra coisa muito importante é ter a consciência do seu “eu”. Isto é, de como você é uma pessoa com qualidades e que é digna de amor.

Além disso, nós temos 5 dicas que podem te ajudar:

1. Elimine a sentimento de culpa:

O sentimento de culpa é um dos principais motivos para a autoestima baixa. Essa culpa vem de algo que fez ou de que deixou de fazer. É a sensação de ser culpado pela vida que estamos vivendo e também pela vida dos outros que nos rodeiam. Elimine esse sentimento, se aconteceu algo errado, mude, melhore, mas não carregue a culpa.

2. Não se compare aos outros:

Não precisamos superar ninguém para termos sucesso pessoal ou profissional. Por isso nós não precisamos competir com ninguém. Cada ser é único, complexo e com suas próprias experiências. Suas dores e felicidades são únicas. Ninguém vive e sente da mesma forma. Quando se trata da vida, não existe base de comparação: faça o que te faz bem. E fique bem com isso.

3. Não generalize as suas experiências:

Não é porque você cometeu um erro no passado que o cometerá novamente. Não podemos ficar aprisionados na realidade que criaram para nós ou que nós mesmos criamos. Nós podemos mudar o tempo todo e, dessa forma, podemos ter resultados diferentes em outras situações.

4. Seja mais compassivo com seus erros:

Não se desanime por causa de um erro. Se você não conseguiu agora, você pode conseguir em outro momento. Afinal, se você consegue perdoar os outros, precisa conseguir perdoar a si também. Desenvolver um olhar compassivo em relação a si mesmo irá ajudar a viver melhor.

5. Comemore suas vitórias:

Você não teve só erros na sua trajetória. Você chegou até aqui, você está vivo e isso merece ser comemorado. Comemore os pequenos passos, as pequenas vitórias, comemore cada dia. Seja positivo e contente. Trace objetivos e comemore cada um deles. Isso te ajudará a ter equilíbrio físico e mental.

Conclusão

Melhorar a autoestima baixa é um processo. Não será algo de um dia para o outro, sabe? Às vezes será difícil, mas não desista, porque só através do desenvolvimento da autoestima é que você conseguirá ser feliz. Comece aos poucos, procure ajuda e você conseguirá.

Além disso, nosso curso de Psicanálise Clínica pode te ajudar para conhecer mais sobre o assunto. Confira! Não se deixe vencer pela autoestima baixa!

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =