significado de baby blues

Baby Blues: significado, sintomas, tradução

Posted on Posted in Comportamento

A maioria das pessoas certamente enxerga a maternidade distante de sensações como melancolia, tristeza ou apatia. Contudo, muitas mulheres experimentam essas e outras impressões negativas durante as primeiras semanas como mães. Nossa equipe reuniu algumas informações importantes a respeito do que é baby blues, sintomas e tratamento.

Baby blues: o que é?

Baby blues ou disforia puerperal se trata de uma mudança constante de sentimentos na mulher após o parto do filho. Trata-se de uma reorganização psicoemocional da mãe para se ajustar à nova realidade enquanto retorna ao seu estado emocional normal.

De acordo com pesquisadores, cerca de 50% a 80% das mulheres apresentam essa condição pós-parto. Logo, é um fenômeno relativamente comum, esperado, mas sem a necessidade de tratamento com remédios.

Esse fenômeno geralmente se inicia 3 dias após a mãe retornar para casa com o bebê, durando até 3 semanas. Caso ultrapasse 45 dias de duração, pode ser um indício de transtornos mais graves, como a depressão pós-parto. A tradução de baby blues

Quais as causas?

Até o momento os estudiosos não encontraram uma causa conhecida para o surgimento do baby blues. Entretanto, os pesquisadores indicam que as alterações hormonais que acontecem na gravidez e pós-parto estejam envolvidas.

Segundo eles, as mudanças químicas no cérebro das mulheres podem influenciar no seu quadro de melancolia. Ademais, os sentimentos após o nascimento da criança, a experiência do parto, bem como problemas para dormir e mudanças na rotina afetam a percepção da mãe.

Sintomas do baby blue

Mesmo que não saibam exatamente do que se trata, muitas mulheres conseguem sentir as mudanças causadas pela baby blue. Porém, talvez por vergonha ou medo, elas não dividem esse momento com o parceiro ou família. Afinal, é entendido socialmente que a maternidade deveria ser um momento de alegria constante, e não problemas ou sofrimento.

Desse modo, as mães podem sofrer caladas enquanto sentem:

  • ansiedade;
  • mudanças no humor;
  • falta de concentração;
  • tristeza com crises de choro constantes;
  • dificuldades para regular o sono ou para dormir;
  • apatia;
  • isolamento social;
  • distúrbios alimentares;
  • desinteresse sexual;
  • sentimentos de culpa e vergonha;
  • problemas com autoestima baixa.

Falta de alicerce e transição

Muitas mães podem chorar por causa da baby blues, ainda que estejam felizes com os seus bebês. Porém a mudança de rotina, em seus corpos, alimentação e sono alterado pode ser demais para elas. Não existe um preparo para essa mudança repentina no cotidiano e chorar é o meio delas de extravasar a angústia.

Segundo médicos o que diferencia a baby blues de uma depressão, mesmo que pequena, é o nível de melancolia. Ou seja, quando a mulher se sente muito mais triste do que feliz em sua nova realidade. Logo, o bom humor dela é substituído por uma irritabilidade e apatia cada vez maiores.

Por isso que a mãe e o seu bebê precisam de assistência e apoio, tanto por parte do companheiro, quanto da família. Em casos mais graves, o acompanhamento de um profissional qualificado para responder as dúvidas e indicar soluções.

Como a mãe pode lidar com essas sensações?

Infelizmente há uma romantização muito grande a respeito da maternidade. Muitas pessoas preferem entender essa fase apenas como algo bonito e especial, esquecendo totalmente as responsabilidades que ela traz. Sim, com certeza é um período belo, mas não é o único lado que existe nessa fase para as mães.

Leia Também:  Tensão muscular: 5 causas psicológicas

Portanto é preciso que as pessoas olhem com mais empatia também para as dificuldades que as mães enfrentam. Essa empatia também deve partir das próprias mães, pois elas precisam se enxergar com mais amor.

Sendo mães reais, as mulheres não devem sentir culpa ou vergonha de não viverem uma maternidade perfeita. Mesmo que seja uma fase difícil, esse transtorno pode revelar aprendizados importantes a respeito das suas fragilidades. Assim, as mães não devem ser cobradas ou se cobrarem pela falta de um sorriso constante e disposição para lidar com os filhos.

Como a família pode ajudar?

Tanto o companheiro quanto a família da mulher diagnosticada com baby blues precisam prestar apoio para ela. Em muitos casos nem a mãe consegue entender o que está acontecendo, sofrendo calada e incompreendida. Em vista disso que as pessoas próximas podem prestar atenção aos comportamentos da mãe, como:

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    • desprezar o bebê ou a si mesma;
    • falta de vontade de passar o tempo com o filho;
    • isolar-se a cuidar do bebê ou se distanciar quando a criança chora;
    • falta de cuidados consigo, como higiene ou mudanças bruscas na alimentação.

    Além de prestar atenção a esses comportamentos, a família pode dar apoio quando não julga e nem desrespeita os sentimentos da mãe. O sentimento de negação desse transtorno é normal e as pessoas ao redor devem respeitar o tempo da nova mãe. Assim, a mulher continua a manter contato com a família e pode se sentir mais confortável para se abrir e pedir ajuda.

    Tratamento

    Se uma mãe com baby blues não se sente confortável em conversar com a família, ela pode consultar um profissional. Tanto um psicólogo, quanto um psiquiatra podem ajudar a mulher a lidar melhor com essa transição emocional. Em seguida, se possível, ela estenderá essa busca por ajuda ao conversar com o companheiro e outras pessoas de confiança.

    Como o bebê pode alterar sua rotina alimentar, é recomendado para a mãe cuidar mais da alimentação. A combinação dos alimentos certos ajudará com as mudanças constantes de humor dela. Além disso, é necessário haver divisão nas tarefas domésticas para que a mãe cuide melhor do bebê e de si.

    Por fim, médicos recomendam manter um diário para que a mãe escreva os seus sentimentos e pensamentos sempre que precisar. Assim ela pode ter um lugar para desabafar parte das impressões que tem. Caso ela não consiga cuidar de si ou mantenha pensamentos suicidas, o acompanhamento médico deve ser solicitado o quanto antes.

    Considerações finais sobre baby blues

    O surgimento do baby blues pós-parto pode trazer grandes problemas para o envolvimento da mulher com a maternidade. É um momento de ajustes para todos, mas ela acaba sofrendo por se sentir distanciada desse momento e sem amparo adequado. Talvez seja uma constatação sensível de como a maternidade não é apenas alegria e mágica que muitos desejam.

    Em vista disso quem está por perto deve dar espaço para que a mãe se recupere do seu próprio modo. Sendo algo temporário, ela encontrará em seus próprios termos o caminho para retomar o controle e prazer pela vida. Por isso que é tão importante não haver julgamentos ou falatórios e, sim, solidariedade e acolhimento para essa nova família.

    Uma ferramenta capaz de ajudar nessa transição maternal é o nosso curso online de Psicanálise. Além de ajudar o aluno a desenvolver o seu autoconhecimento, você aprenderá a gerir melhor as suas emoções e a relação com as pessoas.  É bastante indicado para quem convive com pessoas diagnosticadas com baby blues por ajudar no entendimento das necessidades desse grupo.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    quinze + um =