terapia-de-casal-psicanalise

Terapia de casal: como funciona?

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

Encontrar saídas ágeis e pacíficas para determinados problemas conjugais e familiares tem se tornado cada vez mais fácil com o auxílio de profissionais da psicanálise. Entender como funciona a terapia de casal é um bom caminho para manter acesa a luz que uniu duas pessoas e, posteriormente, constituiu uma família. E você não precisa esperar a crise se aprofundar, já que a terapia de casal também pode funcionar de maneira preventiva a um possível risco de agravamento na relação.

Estudos desenvolvidos pela psicanálise individual, cujos principais precursores foram Freud e Klein servem de base para a psicanálise de família e de casal, que se desenvolveu a partir de experiências em atendimentos a pacientes esquizofrênicos e a suas famílias, ainda nos anos 1940. No entanto, antes mesmo dessa época, houve especialistas norte-americanos que registraram atendimentos a casais, tentando colaborador para a importância da terapia de casal.

Existe uma Psicanálise para casais?

Os autores clássicos da psicanálise via de regra não aprofundaram o tema, o foco foi a análise individual. Entretanto, alguns autores contemporâneos abordam outras modalidades de atendimento, como a terapia em casal.

Entendemos que vá de cada analista a decisão de atender apenas individual ou atender, também, casais e outras formas de psicanálise em grupo.

É importante ressaltar que:

  • alguns psicanalistas consideram que a psicanálise seja, em essência, individual: isso para permitir maior profundidade nas reflexões sobre resistências e transferências (por exemplo) e na aplicação do método da associação livre;
  • outros psicanalistas aceitam a possibilidade de psicanálise em casal, pensando que, além de aspectos individuais (que surgirão apesar da terapia em casal), também seja possível pensar a transferência/resistência etc. daquele conjunto (casal).

A terapia de casal é estudada em inúmeras linhas da psicologia e de outras terapias. O melhor texto que conhecemos especificamente na área de Psicanálise, isto é, sobre psicanálise com casais, é o capítulo (8 páginas) da obra Manual da Técnica Psicanalítica, de David Zimerman.

Um mérito de Zimerman foi arriscar-se em pensar uma psicanálise da contemporaneidade e para outros modelos de setting analítico (não só individual, mas também de casais, família, grupoterapia). Isso sem perder o rigor teórico e sem deixar de retomar os clássicos.

Mas a efetiva aplicabilidade de uma psicanálise não-individual pode ser problematizada. Haverá divergência a respeito do tema a depender do autor. E também a depender se o psicanalista decidirá atuar (e observe efetividade em atuar) na psicanálise digamos “não individual”.

Como ocorre a terapia de casal?

Existem diversas linhas de pesquisa e de atendimento na psicanálise que servem de base para programas de terapia de casal. Em comum, muitas delas têm como objetivo expôr a necessidade de compreensão das novas formas de conjugalidade e de como lidar com crises no casamento, por exemplo.

A proposta da terapia de casal visa ao autoconhecimento, sobretudo, para que cada um dos integrantes da relação possa entender o seu papel e de que forma pode agir para, também, colocar-se no lugar do outro. Tudo isso contribui para que a relação não se afunde no abismo da separação indesejada. A fidelidade e a  confiança são dois pilares essenciais.

Leia Também:  Dificuldade em se Relacionar nos Tempos atuais: O que Fazer?

Além de expor estudos sobre os pesquisadores da terapia de casal, as propostas também devem incluir a importância do conhecimento de psicopatologias nas relações interpessoais, além de formas de reconhecimento do amor entre os envolvidos. Muitas vezes, as pessoas precisam reconhecer que necessitam de auxílio da psicanálise para não deixarem que problemas fora da relação atrapalhem a vida conjugal e a família.

Qual a importância de acordos em terapia de casal?

A terapia de casal tem ganhado cada vez mais relevância diante do advento tecnológico cada vez mais veloz. Se acordos claros e precisos não forem feitos entre os integrantes de uma relação, muito pode se perder com a interferência de terceiros por um simples comentário ou curtida na foto no Instagram ou Facebook, por exemplo.

E por que devemos buscar a terapia de casal?

Reconhecer a necessidade de ajuda ou auxílio por parte de profissionais é uma atitude nobre. É uma virtude. Muitos casais se perdem porque não buscam terapia de casal, que é um auxílio essencial para a relação, não somente quando houver crises. Afinal, na crise, tudo fica mais difícil de ser resolvido.

A terapia de casal colabora, por exemplo, para que você enxergue maneiras de como resolver situações previsíveis ou imprevisíveis e não deixá-las se transformarem em problemas permanentes, contínuos e intensos da relação. Isso evita que um jogue no outro a culpa por determinadas situações, já que, neste caso, com a terapia de casal, cada um saberá a sua importância na relação.

Pesquisadores se debruçam sobre a terapia de casal

Psicanalistas franceses, norte-americanos, argentinos, brasileiros, entre outros, se dedicam profundamente ao fortalecimento da terapia de casal como uma maneira de resolução de conflitos aparentemente sem solução.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Alguns desses psicanalistas chegaram a identificar que casais procuram tratamento por causa de problemas na sexualidade e na comunicação, problemas com os filhos e o desgaste que toma conta da relação com o passar dos anos. No entanto, se relacionar com alguém exige, sobretudo, se reinventar o tempo todo e saber que ninguém é sozinho no mundo.

    Há relatos, também, de homens que não conseguem lidar bem com a ascensão da mulher para a vida fora de casa, onde ela, antigamente, ficava trancada boa parte do tempo com tarefas domiciliares. A terapia de casal auxilia na compreensão de que a mulher não pode ser vista como objeto de posse do homem, muito menos como alguém que seja incapaz de alcançar os seus próprios voos de autonomia.

    É cada vez mais comum, em algumas composições familiares, homens até assumirem funções que antes eram tidas como exclusivamente do público feminino, como cuidar de casa, lavar louça e levar os filhos na escola. Por outro lado, as mulheres assumem papéis de relevância no mercado de trabalho, embora ainda haja muita desigualdade. Tudo isso é tratado na terapia de casal.

    Fator indispensável para a terapia de casal

    Pesquisas já identificaram que a consciência sobre a existência de conflitos conjugais é indispensável para a indicação da terapia de casal e cita algumas problemáticas mais frequentes nos casais. Entre elas estão os conflitos relacionais e de comunicação, desentendimentos sexuais, a decisão de um divórcio, a violência doméstica e tipos diversos de relações perversas, inclusive traição.

    Leia Também:  Depressão em Crianças: Um Olhar Psicanalítico

    Outros pesquisadores apontaram a necessidade alguns casais buscarem a terapia de casal como uma forma de ajuda para uma separação sem traumas. Muitas vezes, se o término saudável de uma relação é a melhor saída para ambos, não há porque falar em outro caminho. Com isso, a terapia de casal mostra, ainda, que é equivocada a ideia de “institucionalização” do casamento.

    Ou seja, ninguém é obrigado a ficar com alguém motivos econômicos, sociais ou familiares. É preciso haver, sobretudo, afeto genuíno.

    2 thoughts on “Terapia de casal: como funciona?

    1. Otimas colocações breves. Atualmente homens estão experimentando fenômenos que, supostamente e culturalmente eram atribuídos às mulheres, desempregados estão cuidando da casa e dos filhos. E isso faz com que experimentem também momentos fe extrema depressão e outras psicopatologias. Parabéns!

    2. A união conjugal é um desafio à nossa natureza instintiva, uma tarefa herdada da cultura monogâmica, hetero e genital que, embora passando por transformações externas (gênero, relações sexuais, parcerias, patrimônio, etc.), carrega os malefícios próprios do indivíduo que não tenha clara sua relação com os próprios desejos.
      Obrigado ao IBPC por mais esse artigo.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.