complexo de vira-lata

Complexo de Vira-lata: significado e exemplos

Posted on Posted in Uncategorized

É comum a qualquer pessoa admirar o que outra fez ou adquiriu, de modo a ter uma referência de sucesso. Contudo, o que acontece quando se torna automático sentirmos vergonha de nós mesmos ao nos compararmos com alguém? Convidamos você a entender melhor o significado de complexo de vira-lata, suas características e os exemplos desse comportamento.

O que é complexo de vira-lata?

Em suma, o complexo de vira-lata designa um comportamento autodepreciativo de alguém, que vive se rebaixando enquanto enaltece os outros. Para que fique claro, a pessoa acaba depreciando a própria cultura, inteligência, economia e moral enquanto fala bem dos outros.

À medida que o orgulho do indivíduo sobre a sua natureza diminui, a admiração pelo que existe em outras pessoas aumenta. Por exemplo, pense numa pessoa que crítica o cinema nacional, mas sempre enaltece todos os produtos culturais vindos dos EUA. Quando observamos a mentalidade de indivíduos como esse vemos que eles consideram que tudo o que vem de fora é superior ao que é feito em nosso país.

As origens

A ideia dos brasileiros como inferiores surgiu no século XX quando Arthur de Gobineau desembarcou aqui em 1845. Segundo o conde francês, os cariocas eram “verdadeiros macacos”. Além dele, Oliveira Viana, Nina Rodrigues e Monteiro Lobato defendiam a supremacia branca, afirmando que a miscigenação era a causa dos nossos males.

De acordo com Roquette-Pinto, a ignorância do Brasil e não a sua miscigenação era a fonte de nossa inferioridade. Monteiro Lobato, além do racismo, mostrava um pessimismo muito grande em relação ao povo brasileiro. Nas suas próprias palavras, “o brasileiro era um tipo imprestável que não conseguiria crescer sem o apoio de uma raça pura”.

Ademais, acreditava-se que viver nos trópicos, nos quais há clima quente e úmido, colaboraria para a preguiça dos habitantes locais. O determinismo geográfico apontava que apenas civilizações “dignas” poderiam sobreviver em clima temperado.

Complexo de vira-lata em Nelson Rodrigues

A expressão complexo de vira-lata surgiu com o escritor Nelson Rodrigues quando falava de um trauma brasileiro no futebol de 1950. Na ocasião, a Seleção brasileira foi vencida pelo Uruguai na Copa do Mundo dentro do Maracanã. Somente em 1958 que esse choque foi superado com a primeira vitória do Brasil numa Copa.

Embora tenha aplicado o conceito inicialmente no futebol, Nelson Rodrigues afirmou que a expressão poderia ser usada em qualquer área. Segundo ele, a síndrome de vira-lata é uma inferioridade voluntária sobre tudo aquilo que vem do mundo. Ela acaba por criar um narcisismo reverso, fazendo com que a pessoa valorize o outro antes dela mesma.

Características

As características do complexo de vira-lata podem ser resumidas em:

Baixa autoestima

Quem possui a síndrome de vira-lata não consegue enxergar valor em si mesmo, de modo a sempre valorizar outras pessoas. Dessa forma, sempre que o indivíduo pensa em si e na própria herança, não consegue se orgulhar. Tanto que muitos só enxergam coisas ruins a respeito de tudo o que o cerca, fazendo um “marketing” negativo para os outros.

Vontade de aceitação

Esse complexo de inferioridade leva uma pessoa a buscar constantemente a aprovação dos outros para ser aceita. Ou seja, quando alguém que ela admira e considera superior a acolhe, essa recepção significa para ela a mesma coisa que ser abençoado. Contudo, falar mal de si ou da própria cultura pode ser um preço a se pagar para que ela consiga se encaixar.

Leia Também:  Funcionamento dos mecanismos de defesa na Psicanálise

Valorização do externo

Tudo aquilo que vem de fora e não faz parte do complexado é imediatamente abraçado, em detrimento de si mesmo. Dessa forma, para ele, produtos nacionais ou suas ações são ruins enquanto o que vem de fora é ouro.

A dependência da aprovação externa

De acordo com estudiosos, a dependência de aprovação externa é consequência do período pós-colonial. Afinal, o costume de agradar um estrangeiro somente por ele ser estrangeiro continua, mesmo que essa pessoa aja friamente conosco. Assim, a aprovação externa se torna um selo de garantia para valorizar a nossa cultura no mundo.

No tocante ao comércio, há quem ache essa apreciação benéfica. Isso porque agradar alguém de fora poderia ajudar no aprimoramento da nossa produção interna. Por exemplo, poderia nos ajudar a melhorar o nosso modo de criar aves, abatê-las, cortá-las e colocá-las para venda na importação e exportação. Afinal de contas, ao atender as exigências dos estrangeiros, os produtores internos se aprimoram na sua inserção no mercado mundial.

Por outro lado, muitos apontam o prejuízo que essa síndrome acarreta na nossa forma de produzir conhecimento e passá-lo aos jovens. Como é possível ter nessas circunstâncias um produtor cultural genuinamente nacional em vez de um propagador de conhecimento externo? O respeito do mundo pode ser obtido sem o apagamento da cultura materna do indivíduo?

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Complexo de vira-lata na Psicologia e Psicanálise

Segundo a ótica psicológica e psicanalítica, a maioria dos brasileiros não quer sair do lugar objetificado e se tornar possuidor de algo. Caso o fizessem, poderiam ter autonomia para agir de acordo com suas próprias características em vez de usar cultura externa. Infelizmente, o rebaixamento se cria antes mesmo de tentar a conquista de suas vontades e anseios de crescimento.

Dessa forma, quem tem a síndrome acaba abaixando a cabeça em vez de investir nos próprios desejos por se comparar demais aos outros. É preciso ter uma perspectiva melhor em relação as próprias capacidades, de modo a não desperdiçar oportunidades de crescimento. Ademais, é preciso buscar inspiração primeiramente nas pessoas com quem você divide o lar, sem perder assim a sua identidade única.

Exemplos

O complexo de vira-lata é mais presente do que você pode pensar. Infelizmente, ele pode trazer algum prejuízo na relação do indivíduo com a sua própria nacionalidade. Entenda melhor essa questão:

Herança estrangeira

Certamente nós conhecemos alguém, famoso ou não, que se orgulha da sua árvore genealógica por ter nacionalidade externa. Por exemplo, “sou brasileiro, mas minha família descende de franceses”, numa ação clara de autoafirmação como estrangeiro. Dessa forma, essa pessoa pode se sentir especial e superior aos demais por não precisar carregar o “fardo” de ser brasileiro.

Valorização da música externa

Não é errado de maneira alguma você apreciar produtos e serviços que não façam parte da sua cultura. Porém, o problema existe quando se usa esses elementos para anular o seu próprio berço cultural. Por exemplo, há muitas pessoas que não assistem cinema nacional por considerá-lo automaticamente ruim, mas consumem e aclamam filmes americanos.

Considerações finais sobre complexo de vira-lata

Infelizmente, o complexo de vira-lata serve como um pedido de aceitação e abdicação da própria imagem. Boa parte do povo brasileiro não se entende como tal e, por isso, evita a sensação de pertencimento ao seu país.

Leia Também:  Psicodrama para Terapia de Casal: como fazer?

Por conta disso que existe um conflito em relação à própria identidade, de modo a não querer declarada e apreciá-la. Mostra-se necessário, portanto, a abdicação desses pensamentos e emoções limitantes em relação à própria cultura. Quando fazemos esse exercício podemos até nos conhecer melhor, entendendo a extensão do nosso potencial sem depender de ninguém.

Você pode garantir essa conquista ao se inscrever em nosso curso online de Psicanálise. Com nossas aulas, é possível trabalhar o seu autoconhecimento, entendendo por completo o seu poder interno e a sua capacidade de mudança. Por meio da Psicanálise, você tem a ferramenta perfeita para lidar com qualquer limitação pelo seu caminho, incluindo o complexo de vira-lata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − 4 =