significado de cidadania

Conceito de Cidadania: significado, história (resumo)

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Cidadania é um assunto de em evidência, hoje em dia. Muito se fala acerca deste assunto, mas muita gente ainda não sabe ou não entende do que se trata essa palavra. Ou o conceito de cidadania.

Ao longo deste post vamos abordar um pouco mais sobre o assunto e tentar sanar algumas dúvidas. O nosso objetivo de definir o conceito Cidadania, seu significado, definir o conceito e o “ser cidadão”.

Por fim, segundo a definição do dicionário, a palavra cidadania pode ter alguns significados muito interessantes e profundos. Então, confira a seguir!

Significado de Cidadania

A palavra cidadania é substantivo feminino; condição de quem possui direitos civis, políticos e sociais, que garante a sua participação na vida política. E o estado de cidadão, de quem é membro de um Estado.

Logo, é o exercício dos direitos e deveres inerentes às responsabilidades de um cidadão. Votar é um ato de cidadania, por exemplo.

Em síntese, é a condição de uma pessoa quando o governo a reconhece como membro integrante daquele coletivo de pessoas. De maneira legal, você possui todos os direitos e deveres inerentes àquela sociedade.

E, para a cidadania, há o Cidadão …

Dessa forma, com a utilização do termo Cidadania, originou-se também o conceito de cidadão. Segundo o dicionário a palavra cidadão é um substantivo masculino com o significado que segue:

Indivíduo que, por ser membro de um Estado, tem seus direitos civis e políticos garantidos, respeitando os deveres. Trata-se de uma pessoa que habita uma cidade.

Desta forma, todos aqueles que vivem dentro de uma sociedade organizada, que cumprem seus deveres e seus direitos garantidos, são iguais, entre si, como cidadãos.

Falando sobre direitos e deveres…

Para definir os direitos e deveres de um cidadão, é preciso entender o meio em que ele vive. Pois, isso pode mudar, de acordo com o local em que a pessoa vive.

Sendo assim, no Brasil, o que define o conjunto de direitos e de seus cidadãos é a Constituição Federal vigente, de 1988. Por sua vez, essa constituição, conhecida como “Constituição Cidadã”, surgiu após a ditadura militar. E é instrumento da retomada à democracia e à garantia dos direitos básicos do povo brasileiro.

Um pouco mais sobre nossa “Constituição Cidadã”

No conteúdo textual da Constituição Federal do Brasil, estão dispostos os direitos e garantias fundamentais de nosso povo. Essa série de direitos específicos está particionada em cinco capítulos distintos.

O principal capítulo desse documento é o artigo 5°, cujo qual versa sobre três pilares importantes; são eles:

Direito à vida

Segundo o artigo 5° da Constituição Federal, todo cidadão brasileiro tem direito à vida. Esse é um direito inviolável que garante a todo brasileiro o direito de permanecer vivo. E, além disso, a ter uma existência digna.

Direito à propriedade

Segundo a CF, todo cidadão brasileiro tem direito à propriedade e a desfrutar dela da forma que lhe convém. Além disso, ela visa assegurar a inviolabilidade dela.

Direito à informação

O direito de acesso às informações públicas é uma das garantias previstas na constituição. Essa garantia está no inciso XXXIII, do artigo 5º, e nos assegura solicitar informações ao governo, mesmo que para uso privado.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Vamos dar mais detalhes desse artigo da Constituição Federal.

    Inciso I – homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;

    Inc. II – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;

    Inciso III – ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante;

    E, sob o viés da liberdade de expressão:

    Inciso IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

    Inc. V – é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;

    Inciso VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

    Leia Também:  Psicanálise: um novo ritual de passagem

    E, sob o ponto de vista prático, como ficamos?

    Adiante, além de todas essas normas apresentadas, não podemos desconsiderar a máxima “de boas intenções o inferno está cheio”. Além disso, é fato que normas ajudam, mas não definem a prática da cidadania.

    Assim, é importantíssimo considerar os efeitos práticos e consequências. Pois, cada decisão que tomamos tem um efeito coletivo; nossas histórias são construídas de maneira coletiva.

    Por fim, nosso universo não é regido de maneira absolutista ou relativista. Cada um possui seu papel e cada qual é o protagonista de sua própria história.

    Por isso surge a importância da ética.

    Art. 5, inciso VIII: ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política. Salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    Temos de nos compadecer da situação e entender as consequências de nossos atos de uma maneira transcendente. De uma forma a entender o efeito de nossas ações, por mais simples que sejam.

    Sendo assim, o conceito de cidadania se aproxima de sua essência existencial; a capacidade transcendental do ser humano. E isso nos ajuda a entender que a ética parte de nós mesmos em direção ao outro

    E, com ela, a importância moral

    Art. 5, inciso X: são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;

    Toda essa reflexão nos conduz a relevar os desejos individuais do homo economicus em detrimento da nobre dimensão do homo sapiens. Diante do atual cenário global de supervalorização da autorrealização imediata.

    Por fim, segundo Freud, a contradição entre esses impulsos humanos irracionais e a vida em sociedade gera um tormento psíquico. São devastadores os efeitos negativos. Além disso, não podemos viver a soberania do humano sobre as relações puras e políticas.

    Por fim, chegamos a política

    Art. 5, inciso XXIV: a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social. Mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituição.

    Todas as leis, todas as decisões sociais e coletivas, partem da redação, consenso, aprovação e monitoração de uma classe investida de poder político. Isso tudo através de um mandato eletivo.

    E por fim, para desfecho deste tema, a máxima ação de cidadania: o voto consciente. Através deste ato, noventa por cento de nossos problemas coletivos estarão bem encaminhados.

    Considerações finais sobre conceito de cidadania

    Em síntese, uma sociedade é feita através de cidadãos que vivem sob uma junta de regras, deveres e direitos. O cidadão goza de uma série de direitos civis, sociais e políticos. Além disso, cabe a nós cumprirmos com nossos deveres e cobrarmos por nossos direitos, em especial, quando eles nos estão sendo negligenciados.

    Contudo, fica a dica: cumpra com seus deveres antes de pensar em exigir seus direitos e jamais seja omisso diante das adversidades. Este é um ótimo conceito de cidadania. Além disso, estou certo que esse post incrementou o seu conceito de cidadania. Porém, vá além, destaque-se, se inscreva em nosso curso de Psicanálise online e seja um profissional certificado!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.