significado de empatia na psicologia

Empatia: significado em Psicologia

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

Incrível como é, a composição de que são feitos os seres humanos carrega incontáveis pontos a se admirar, dada as possibilidades. Aqui falamos também sobre sair de um lugar e ser totalmente capaz de experimentar emoções e situações que não são suas. Entenda melhor o conceito de empatia na Psicologia e como isso se manifesta em nós.

O que é empatia?

A empatia na Psicologia se trata da habilidade psíquica de sentir o que outra pessoa sente numa mesma situação. Em outras palavras, somos capazes de refletir emoções alheias como forma de compreender a realidade de outra pessoa. Com isso, podemos entender os seus sentimentos e experimentar objetivamente o que o outro vivencia.

O fato de alguém ser empático o acaba movendo naturalmente para que possa ajudar os outros. Esse tipo de mecanismo se liga ao altruísmo, fazendo com que demonstremos amor, interesse e disposição para colaborar. Com base na sua capacidade de sentir a dor de alguém vai ter o interesse de apoiar os outros sempre que puder.

Através dessa habilidade podemos fazer melhor a construção de percepções sobre o comportamento de alguém. Existe uma sensibilidade maior para entender a sua vivência e observar algumas circunstâncias. Compreendendo como o outro faz decisões e se forem nobres, o empático vai se dispor a estar do lado.

O significado de empatia na Psicologia

O conceito de empatia para a Psicologia assume um contorno mais profundo quando falamos em tratamento. Isso porque a relação entre o terapeuta e paciente depende dessa conexão para se garantir o sucesso da terapia. Nesse caminho, o psicólogo só fará um ótimo trabalho quando ele estimular a empatia entre ele e os pacientes.

Esse tipo de contato na terapia é importante para que ele consiga compreender por completo os problemas do outro. Desse modo fica mais fácil se colocar no lugar de alguém e ver adequadamente qual a estrutura da sua essência. Assim pode trabalhar as suas inseguranças, os seus receios e entender seus pensamentos dentro da terapia em questão.

É preciso ir além do que simplesmente se colocar no lugar do seu paciente. O terapeuta precisa saber como pode compartilhar as emoções que vivencia em si mesmo. Consequentemente, isso abre as portas para alimentar uma ligação emocional e estudar todas as demandas dentro da terapia.

O que impede alguém de ser empático?

Quando olhamos a empatia na Psicologia notamos uma triste realidade: nem todo mundo consegue ser uma pessoa empática. Não que sejam obrigados, de modo algum, mas pense nos ganhos que toda a sociedade poderia ter. Isso acontece porque boa parte das pessoas não conseguem passar pelas barreiras do egoísmo para pensar nos outros.

Sem contar o preconceito, já que pessoas em situações mais vulneráveis acabam sendo mal vistas por alguns. Muitas pessoas se mostram incapazes de lidar com o diferente ou desconhecido em seu cotidiano. Enquanto muitos não foram condicionados, educados para isso, outros não dão a mínima.

O exercício da empatia fica mais simples de acontecer quando nos tornamos capazes de tirar a vista apenas em nós. Nossos problemas, apesar de suas gravidades, não são os únicos do mundo. Há pessoas em situação ainda mais crítica e que um ombro poderia ajudar a amenizar parte desse sofrimento.

A curiosidade sobre os estranhos

Apesar disso parecer arriscado, estudando a empatia na Psicologia, notamos que se torna algum comum ao crescimento. Os empáticos carregam uma curiosidade a respeito de pessoas que não fazem parte do seu cotidiano. Não apenas a disposição em ajudar alguém, mas também se ajudar por meio dessa entrega momentânea.

Leia Também:  As 16 personalidades humanas: guia prático

Note que na infância carregamos uma curiosidade sobre as pessoas e o mundo de forma natural para nosso crescimento. Acontece que quando essa necessidade primordial passa na vida adulta deixamos isso de lado. Porém, os empáticos entendem o valor dessas pequenas trocas e os ganhos que podem trazer.

Ter essa curiosidade mantém viva a empatia quando nos comunicamos com indivíduos que não participam do nosso círculo. Por meio disso experimentamos perspectivas e vidas distantes das nossas, ampliando a nossa vista. É compreender a riqueza existencial que os outros carregam e perceber as possibilidades inerentes.

A quebra de preconceitos

Estudando possibilidades, a empatia na Psicologia é uma excelente ferramenta para que consigamos quebrar preconceitos. Há regras pré-estabelecidas na sociedade que, infelizmente, são injustas a grupos específicos. Isso porque a discriminação impede que muitas pessoas se disponham a conhecer verdadeiramente a realidade dos outros.

As suposições e rótulos coletivos que contribuímos para existir acaba depreciando a ideia de individualidade. Não existe uma sensibilidade maior para enxergar o indivíduo, de maneira a compreender suas demandas.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Contudo, pessoas com empatia são facilmente capazes de vencerem os preconceitos em suas mentes. Existe um movimento natural de entender o que dividem em comum com alguém, e não os que o separam.

As ações do empático

Descobrindo mais sobre a empatia na Psicologia não fica tão difícil reconhecer alguém com essas características. Certamente como empático você possui algumas delas em variados níveis, algo comum a um empático. Por exemplo:

Experimentar a vida de outra pessoa

Conseguem expandir sua consciência para vivenciar diretamente tudo aquilo que o outro experimenta. No momento em que saímos do nosso cotidiano acabamos por experimentar razões e perspectivas diferentes das nossas. Assim, pode entender quais são os seus limites e o seu alcance visual de mundo.

Imaginação

Em vez de apenas se direcionar a quem vive à margem da sociedade, a empatia se direciona também a outras realidades. Por exemplo, imagine os desafios que alguém enfrenta por ter crenças diferentes e ser colocado como minoria. Sua imaginação é grande o suficiente para entender diversos tipos de dores.

Ouvir e se abrir

A escuta permite que você receba a realidade de alguém, possa analisar e compreender as dificuldades dela. Abrir-se é o modo de devolver as impressões sobre sua perspectiva em ressonância com a situação descrita. Entende o quanto o ato de saber escutar alguém é vital a ma comunicação produtiva?

Inspirar os outros

Sendo mais simples, pense nas ações de doadores e voluntários a pessoas que foram vítimas de tragédias e perderam tudo. Existe aqui uma inspiração que moveu um grupo a se solidarizar com o outro. Não apenas motiva outras pessoas a participarem e se reformularem, como também servem de exemplo as crianças.

Exemplos

A empatia na Psicologia se encontra em nosso cotidiano em pequenas realidades e variadas formas. Certamente você já manifestou alguma, presenciou ou fez parte da corrente final dela direcionada a você. Por isso que trazemos alguns exemplos, como:

Desastres

Como dito acima, as pessoas se mobilizam para que possam ajudar os outros em momentos de necessidade. Tanto que é comum no Brasil em momentos trágicos a solidariedade surgir em momentos críticos e mobilizar milhares.

Apoio a minorias

Quando presenciamos alguém ser vítima de discriminação e sentimos revolta quanto à situação. A empatia faz com que possamos ser solidários com ela e, em muitos casos, apoiá-la na busca por reparação legal.

Leia Também:  O Homem dos Ratos: relato do caso de Freud

Reino animal

Também é bastante comum o relacionamento empático com animais da mesma espécie ou mesmo diferentes. Recentemente uma cadela adotou voluntariamente uma filhote de cabra que foi rejeitada pela mãe após perder quase toda a ninhada. Conhecida como Blizzie, segundo os donos, a cadela pulou o cercado e acolheu voluntariamente a filhote, chegando até a amamentá-la.

Considerações finais sobre empatia na Psicologia

A empatia na Psicologia descreve a nossa disposição em vivenciar a vida do outro e desenvolver conexão. Esse tipo de postura colabora diretamente na construção do nosso autoconhecimento e consciência do mundo em que vivemos.

Nesse caminho podemos trabalhar melhor nossas próprias emoções para compreender amplamente a realidade paralela. Ao fim, podemos construir as pontes necessárias para nos conectarmos com os outros e derrubar os muros do caminho.

A fim de se lapidar e crescer exponencialmente, se inscreva em nosso curso online de Psicanálise Clínica. Não apenas o curso vai te ajudar a melhorar o seu autoconhecimento, como também colaborará com a sua busca por reformas. Além da empatia na Psicologia, compreenderá o significado de transformação e revolução interna em prol de si mesmo e dos demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − dezessete =