Estudos sobre a histeria: resumo de Freud

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Publicados em 1895, os Estudos sobre a Histeria associavam o nome de Freud ao de Josef Breuer. Ele era um médico mais velho e já profissionalmente afirmado, amigo e conselheiro há alguns anos de Freud.

Em 1880, Breuer adotou a hipnose com uma paciente histérica e indicou a Freud o caso e o método de tratamento “com a palavra”. Freud começou a usar a hipnose apenas em 1887, após a experiência parisiense com Charcot, e logo entendeu seus limites.

No entanto, provavelmente em nome da gratidão, ele pretendia envolver Breuer na redação do livro, embora ele já tivesse abandonado a prática da hipnose por anos.

Resenha do livro: Estudos Sobre a Histeria

Os estudos sobre histeria consiste em cinco capítulos. O primeiro, escrito em comum, ilustra o mecanismo psíquico dos fenômenos histéricos. O segundo é um relato de casos clínicos: um de Breuer e quatro de Freud.

O terceiro, devido a Breuer, expõe uma série de considerações teóricas sobre a histeria. A quarta, de Freud, ilustra o método psicoterapêutico empregado no tratamento dos casos.

No prefácio da primeira edição, uma informação singular é dada: “Nossas experiências vêm de nossa prática privada como médicos de uma classe social culta e dedicada à leitura” (p. 171).

Essas informações servem apenas para justificar o cuidado com que os autores se referem à vida privada dos pacientes. Em retrospecto, é muito significativo. Toda a pesquisa freudiana será realizada com base em uma prática que envolve quase exclusivamente membros da nobreza centro-europeia e da classe média alta.

Psiquismo Universal

No entanto, Freud não tinha formação sociológica e escassos conhecimentos históricos. Porém, ele tende a perseguir, a partir dessa primeira importante obra, o intuito de penetrar no mistério de um psiquismo considerado universal. Isso vai pesar muito no edifício teórico da psicanálise.

O primeiro capítulo confirma o que já foi adquirido com a hipnose. Por trás dos fenômenos histéricos, há um mundo de memórias significativas, muitas vezes traumáticas, fechadas à consciência. Elas só podem ser trazidas à tona em virtude do relaxamento do controle consciente produzido pela condição hipnótica.

A possibilidade de permitir que um sujeito acesse essas memórias e reviva os afetos a elas vinculados, determina o desaparecimento dos fenômenos histéricos.

Memórias

As memórias em questão na gênese dos fenômenos histéricos são preservadas por duas razões: a primeira é que se referem a eventos e circunstâncias traumáticas, a segunda é que eles não foram ab-reagidos. Ou seja, interagiram com ações ou palavras adequadas para descarregar as emoções produzidas.

A persistência dessas memórias abaixo e fora da consciência faz com que está viva uma condição dissociada com relação ao seu patrimônio interior.

Essa dissociação é o pressuposto para o qual as memórias traumáticas podem emergir, realizando os estados “hipnoides” de consciência típicos dos fenômenos histéricos. Estados singulares, uma vez que podem mergulhar repentinamente em uma “psicose”, isto é, em uma condição alienada.

Esse contraste entre a estrutura normal da consciência e sua desestruturação, que ocorre no decorrer das crises histéricas. E, é de fato, evidente em quase todos os casos clínicos relatados no segundo capítulo.

Compreender a histeria significa decifrar o significado da dissociação que ela torna evidente entre os diferentes níveis de experiência mental.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Preconceito

    Breuer e Freud têm o mérito de limpar o campo do preconceito para o qual a histeria é um indício de uma personalidade pouco dotada, imatura, sugestionável, hiperemotivada. Freud descreve a paciente Anna O. como “extraordinariamente inteligente, dotada de uma intuição única…”.

    Leia Também:  Complexo de Édipo, superego e o temor de castração

    A razão pela qual essas experiências são mantidas vivas e persistentes na memória, fora da consciência, é imediatamente clara. Pois, são experiências univocamente extremamente significativas do ponto de vista emocional. Além disso é traumático, portanto, seja devido a eventos externos ou eventos internos (desejos, fantasias, etc.).

    Conclusões sobre a histeria

    Freud, portanto, chega à conclusão de que a histeria é gerada pela repressão de uma representação insuportável como resultado da defesa. A representação reprimida continua a existir como um traço de memória fraco (não muito intenso) e que o afeto removido dessa representação é usado para uma inovação somática.

    A riqueza do material de memória patogênica explica por que o novo método é visivelmente mais lento do que a hipnose. Na verdade, é uma questão de passar um mundo de memórias complexas e em camadas pelo buraco da agulha da consciência.

    No entanto, isso permite que o paciente recupere a posse do conteúdo de sua experiência interior e alcance, portanto, um grau de estabilidade que a hipnose não pode produzir. Além disso, a reapropriação não diz respeito apenas às memórias rejeitadas no inconsciente pela consciência.

    Experiência Subjetiva

    Às vezes é necessário, para dar sentido pleno à experiência subjetiva, que o paciente também se apropria de pensamentos totalmente inconscientes. Mas como admitir que o inconsciente pensa por si mesmo?

    É bem sabido que Freud jamais chegará a formular uma teoria da consciência tão articulada quanto a do inconsciente. A crítica ao cognitivismo partia dessa lacuna, que, porém, ao reabilitar a consciência, acabava por ignorar a estrutura lógica do inconsciente claramente intuída por Freud.

    Os estudos sobre a histeria permitem, portanto, ver o nascimento da psicanálise quase ao vivo. Esse nascimento é sobrecarregado por uma hipótese básica, que terá grande peso no desenvolvimento posterior da teoria.

    Campos das neuroses

    Freud estende uma hipótese a todo campo das neuroses. Ela consiste em reconhecer que na medida em que se pudesse falar da causa determinante pela qual as neuroses foram adquiridas, a etiologia se encontraria nos fatores sexuais.

    Essa hipótese encontra apenas respaldos fugazes no material clínico relatado, o que antes atesta que o desconforto histérico feminino. Na época, partia de um protesto inconsciente contra os papéis tradicionais atribuídos à mulher.

    Freud confundiu um aspecto da repressão cultural que pesa sobre as mulheres “o sexual” como se fosse o mais importante. Hoje, em uma época em que essa repressão diminuiu muito e as mulheres continuam a pagar um tributo significativo no altar da histeria e da depressão, o erro interpretativo de Freud parece mais claro.

    Desde o início, portanto, a psicanálise, embora as intuições originais ainda pareçam profundas e em alguns aspectos brilhantes.

    Conservadorismo

    No livro, porém, há uma prova bastante perturbadora desse conservadorismo, que atesta o escasso poder crítico de Freud para com o mundo social ao qual pertence. Durante o tratamento, a Sra. Emmy Von N., que claramente tem medo de enlouquecer, fala duas vezes sobre os manicômios, onde sua prima e sua mãe foram hospitalizadas.

    Fala angustiada à luz do depoimento de uma criada que, tendo internado a patroa, contou-lhe coisas horríveis. Disse sobre como os pacientes eram amarrados a cadeiras, espancados, tratados com chuveiros gelados, etc.

    Em ambos os casos, Freud se esforça para corrigir essas ideias e a convida a acreditar mais nele do que naquela garota estúpida. Hoje sabemos que a menina, por mais sem instrução, tinha razão.

    Leia Também:  Estudos sobre a histeria: resumo de Freud

    CONSIDERAÇÕES FINAIS: Estudos Sobre a Histeria

    Os estudos sobre a histeria de Freud revelaram ao mundo uma quebra de preconceito. As neuroses são patológicas e, portanto, devem ser tratadas. Logo, o estudo do subconsciente se fez necessário.

    A hipnose traz memórias à tona por meio do relaxamento do consciente, tornando possível acessar grande parte do motivo da histeria ou neurose. Os métodos utilizados por Freud ainda são muito usados em clínicas psicanalíticas.

    Se gostou dos estudos sobre a histeria, convidamos a conhecer o nosso curso online de Psicanálise? Além de entender mais sobre hipnose, histeria, inconsciente e neuroses, você pode ajudar na melhora das pessoas afetadas por distúrbios. O curso de Psicanálise é uma passagem acessível para o autoconhecimento e mudança pessoal.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *