familia-dinossauro-no-diva

Família Dinossauro no divã: um olhar da Psicanálise

Posted on Posted in Psicanálise e Cultura

Na década de 90, estreou uma série de TV fez grande sucesso nos Estados Unidos, bem como no Brasil: a Família Dinossauro. É considerado um programa infantil, mas fazia uma crítica ao estilo de vida norte americano. Por isso, passou a ser reverenciado como um clássico cult. Neste artigo, traremos uma interpretação da Psicanálise sobre comportamentos e relacionamentos presentes na Família Dinossauro.

Família Dinossauro e o episódio sobre a sexualidade infantil

A série “Família Dinossauro” durou 4 anos e teve um total de 65 episódios. A série tem alguns personagens marcantes, entre eles Baby, filho mais novo de Dino e Fran. Baby tem uma frase muito conhecida ao falar de seu pai: “NÃO É A MAMÃE!”. Gostaria de propor uma análise do episódios 30: “A natureza chama”.

Vamos compreender o episódio pelo conceito de sexualidade infantil e pela fase anal do personagem mais jovem, Baby.

O indivíduo feminino e sobrecarregado, delega a função de trocar a fralda do bebê ao pai

Neste episódio, Fran se cansa de ser a mãe que cuida de sua casa, enquanto seu marido Dino não faz nada e passa o dia tomando cerveja e assistindo TV.

Impulsionada pela amiga, mãe e filha, Fran resolve não mais trocar a fralda de seu filho e passa a responsabilidade e o dever para o Dino.

Em um primeiro momento temos Dino tentando trocar a fralda de seu filho pela primeira vez. Segue um diálogo rápido:

Baby: _Tem certeza que sabe o que está fazendo?

Dino: _Não, não faço ideia!

Baby(gritando): _Mamãe!

Baby: _Cuidado! Cuidado aí embaixo! Não vai estragar nada!

O conflito causado pela falta de afinidade com a figura paterna

Neste momento temos um ponto importante para interpretação. Para Freud, o processo de excreção é como a própria criança. O cocô é a sua primeira obra, e sua forma de presentear ou não o adulto.

Baby ao saber que Dino nunca havia feito isso, mostra sua preocupação e pede socorro para a mãe. Vemos de certo modo a angústia por saber que seu pai pode quebrar a sua obra ou uma parcela que era ele mesmo.

Passado a cena Dino pede para Fran fazer, visto que para ele foi uma experiência traumática. Fran se recusa e diz que esse papel será ocupado por ele até que Baby aprenda a usar o vaso sozinho. Dino ao ouvir isso de sua esposa resolve levar o seu filho para o banheiro:

Dino: _Agora você é um rapazinho vai usar o vaso igual ao papai e a mamãe. Isso não parece divertido?

Baby: _Não! (Segue a cena…). O que é isso?

Dino: _Esse é o filho do senhor vaso! Agora faz.

Baby: _Não quero fazer.

Dino: _Anda! O senhor vaso é amigo. A melhor maneira de se tratar um amigo novo é sentando nele e dando um grande presente! Você vai fazer, você está grande e está na hora de você crescer!

Baby: _Eu não quero crescer!


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ


Dino: _Mas precisa.

A relutância em passar para uma nova fase da vida

Baby se recusa a usar o vaso, pois este representa a passagem da criança para uma nova fase, por isso, a recusa de entregar algo que é seu a um desconhecido (vaso). Por mais que Dino tente persuadir seu filho, Baby se recusa a fazer o que é pedido pelo seu pai.

Freud ao falar da recusa da criança em defecar, aponta duas coisas:

  1. desafiar a autoridade parental (neste caso representado por Dino, pelo qual Baby não nutre tanto afeto, visto que ao falar de Dino se refere a ele por uma negação: “Não é a mamãe!”. E usa somente a palavra Pai em raras exceções);
  2. a recusa em defecar como autoafirmação: “As fezes são minhas e não vou fazer.”

Um gesto de autoafirmação

O que acontece na cena seguinte na cozinha:

Fran: _Como foi Dino?

Dino para Fran: _Foi ótimo, agora vamos comer!

Dino para baby, vendo que ele estava fazendo força: _O que você está fazendo? Você vai fazer cocô, não vai?

Baby: _Talvez!

Dino: _Você está fazendo ou não?

Baby: _Não estou mais!

Dino zangado: _Já chega! Nós vamos para o banheiro e só vamos sair de lá quando um de nós dois souber fazer sozinho.

Como fora dito, Baby se recusa a fazer o que é pedido, em um gesto de autoafirmação.

Um ponto em que podemos pensar é na última frase de Dino, em que ele diz que só irão sair quando um dos dois souber fazer sozinho.

Uma expressão que evidencia um ato falho do pai

Podemos pensar em um ato falho neste episódio da “Família Dinossauro”, quando Dino expressa uma dificuldade dele, talvez a mesma dificuldade de seu filho. No banheiro:

Baby: _Pai, não quero fazer.

Dino: _Droga, come outra ameixa!

Baby se recusa.

A fuga do bebê da Família Dinossauro

Neste episódio é a primeira vez que Baby chama Dino de pai. Como foi falado, isto acontece em raras ocasiões. Vale lembrar que baby viu seu pai zangado alguns instantes antes na cozinha, talvez o medo de ver Dino zangado, o leve a chamá-lo de pai. Baby foge para a floresta e encontra alguns animais que fogem da civilização. Ao ser questionado sobre a fuga, baby fala:

Baby :_Fugi, porque meu pai me fez sentar na privada.

Animais indignados: _O que é privada?

Animal aparentemente mais velho: _Uma maluquice do mundo civilizado. Fora da natureza, você tem que ir nesse lugar especial e sentar em cadeira especial.

Animais: _Você está inventando isto!

Animal mais velho: _Não, não. Ainda é mais perverso do que isso. Todo mundo usa a mesma cadeira. Se alguém estiver usando, você tem que esperar.

Baby: _Isso não é pra mim, eu quero fazer onde eu quiser. Eu gosto da floresta! (quando sabe que pode fazer suas necessidades onde quiser).

A dificuldade de seguir padrões e regras

Baby prefere a liberdade da floresta a ter que se submeter a regra de seus pais, que inclui ter que usar a privada. Dino na floresta:

Dino: _Estou aqui filho! Pula!

Baby: _Não.

Dino: _Por que não?

Baby: _Vai me fazer ir na privada.

Dino: _Eu errei forçando você a isso! E não vou forçá-lo outra vez, eu trouxe uma fralda!

Baby: _Vou pensar no assunto! (pulando da árvore): Pai!

Dino: _Você está bem filho?

Baby: _Tive medo, muito medo! Preciso de uma fralda limpa!

Dino: _Tenho uma aqui e muito mais em casa.

Eles voltam para casa. Aparentemente quando estão todos dormindo, baby se diz pronto e Dino reclama. Baby pelo áudio parece urinar no Dino.

Conclusão: interpretando Família Dinossauro

No desfecho, Baby parece ganhar na sua disputa com o seu pai. Ele se coloca como dono de cocô. Não cede a Dino, mas reconhece ele como seu pai, visto que no momento de dificuldade ele se joga de uma árvore alta.

Apesar de ser um seriado para crianças, vemos neste episódio de Família Dinossauro a fase anal e o comportamento da criança perante o seu pai. A atitude do baby (de recusa, afrontamento), em que ele se coloca como “dono” de suas necessidades, demonstra a dificuldade da criança e sua luta para ceder ou não uma parte sua a seu pais ou responsáveis.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =