gamofobia

Gamofobia: significado e características

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

O casamento pode ganhar uma impressão um tanto quanto negativa para muitas pessoas. Contudo, alguns se incomodam bastante com essa ideia que acaba dando sinais de um transtorno oculto até então. Veja o significado de gamofobia, suas características e como buscar ajuda.

O que é gamofobia?

Gamofobia se trata do medo de um compromisso sério ou mesmo do próprio casamento. A ideia de se ligar a outra pessoa nesse nível causa um incômodo incontrolável, persistente e irracional. Esse termo deriva das palavras gregas gamos, casamento, e phobos, medo.

Embora sejam semelhantes, existe uma discussão a respeito da diferença entre medo do casamento e o medo de compromisso. Isso porque um indivíduo pode ter medo de se casar, mas permanecer comprometido com alguém pelo resto da vida. O contrário não acontece, já que, para casar, o compromisso é necessário.

Cabe ressaltar que a gamofobia não é apenas ter más escolhas ao casamento, mas envolve a ideia mórbida de casar. Mesmo que pareça exagero, existe uma sensação de que o indivíduo pode morrer. Com isso, os gamofóbicos ficam solteiros ou entram em uma relação sem definir seriamente esse contato.

Quais as causas do problema?

Assim como outras fobias, a gamofobia pode surgir graças a uma experiência intensa no passado do indivíduo. Em geral, traumas causam um grande impacto na vida de alguém, regulando a sua forma de interagir com o mundo. Neste caso, a ideia de casamento é recebida com imensa repúdio e desgosto pelo portador.

O sofrimento causado pelo evento acaba por interferir na sua forma de se relacionar com outra pessoa. Ele é ensinado a temer compromissos, passando a alimentar imagens ruins sobre o casamento.

Além disso, a genética pode influenciar diretamente nesse medo em se comprometer mais formalmente. É de conhecimento público que a hereditariedade tem contato direto com muitos transtornos mentais e comportamentais. Sem contar também a tendência à ansiedade que alimenta uma imagem equivocada sobre o casamento.

Sintomas

Não é muito difícil reconhecer a gamofobia, embora seja preciso atenção ao exagero das reações do indivíduo. Hoje em dia nossa cultura não focaliza na união estável como em tempos mais antigos. Atentando-se a alguns sinais muito pertinentes é possível levantar uma visão sobre o temor de alguém:

Medo intenso ou terror na ideia de se casar

Caso alguém mencione a ideia de matrimônio o gamofóbico se mostrará muito incomodado com isso. Notará sinais de medo extremo, como hesitação, suor e em alguns casos até tremor. Consequentemente alimenta pensamentos ruins e imagens negativas sobre a união.

Fuga

É comum que o gamofóbico faça grandes voltas para que o tema seja evitado e não fale sobre isso. O incômodo dessa reação fica bem visível, quebrando o clima presente e podendo alimentar uma discussão. Mais uma vez, a ansiedade pode surgir, o que compromete um estilo de vida mais comum.

Ansiedade

Embora a tenhamos repetido, a própria ansiedade é um sintoma de quem sofre com esse tipo de problema. Abre as portas para a sensação de perder o controle e até enlouquecer em casos mais severos. Vem acompanhada de náusea, tremor, choro, falta de ar e até tonturas.

A cultura negativa do casamento

A sensação comum de encontrar mais pessoas com gamofobia se deve, em parte, pela cultura do casamento. Todos nós temos uma percepção diferenciada do que isso representa individualmente e em dupla. Mas um histórico negativo da união estável ao longo da história colabora a essa repudia.

Leia Também:  Consumo e Inconsciente: 5 ideias sobre o impulso de comprar

Especialmente para as mulheres, que durante muito tempo tiveram a sua vontade suprimida pelos demais. Os casamentos eram arranjados como forma de se fazer a união entre famílias usando moças como meio de trocas. Ademais, o casamento era tido como uma forma de sobreviver, já que mulheres solteiras eram vistas com preconceito.

Atualmente, há um espaço maior para se discutir esse tema com mais neutralidade e profundidade entre os envolvidos. É mais visível o desejo de milhões de pessoas em se sentirem bem fazendo suas próprias escolhas sobre o casamento. Ser casado não faz uma pessoa melhor que outra, bem como permanecer sozinho não diminui ninguém.

Laços familiares podem contribuir a isso

Como dito linhas acima, a gamofobia pode surgir de traumas, especialmente da família. O nosso centro familiar se torna nosso principal referencial quando lidamos com algumas questões da vida. Nisso, presenciar a forma como nossos pais se interagem pode impactar profundamente em nossas relações no futuro.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Um casamento infeliz, por exemplo, pode se tornar um grande motivo para alguém não querer repetir tal feito. Graças as sequelas desse relacionamento dos pais que se gera um medo quanto ao próprio futuro. Por conta disso que algumas pessoas podem desenvolver um trauma quanto a casamentos.

Mesmo que a história da família impacte em nossa construção social, a mesma não deve gerir nossas escolhas. Não estamos afirmando para que deva aceitar qualquer pedido de casamento, nada disso. A proposta é que se sinta seguro para fazer suas escolhas pessoais sem influências, interferências ou qualquer bloqueio.

Não se casar também pode ser uma escolha sadia

Apesar do que conversamos acima sobre a gamofobia, não casar pode vir de uma escolha consciente e compreensível. Muitos gostam de serem sozinhos, não possuem tempo hábil para cultivar um relacionamento ou têm medo de perderem sua liberdade. O desejo de não se comprometer com alguém não afeta a saúde e o estado emocional delas.

Essas razões e outras são escolhas pessoais que podem se alterar no decorrer do tempo para esse grupo. Mas para o gamofóbico, sem acompanhamento adequado, isso não tem solução que o tempo traga. A pessoa se mostra irredutível com essa ideia, além de sofrer por pensar nisso.

Em relação ao tratamento, o que fazer?

A gamofobia é uma das fobias que podem ser revistas e trabalhadas ao longo do tempo. Não significa que o indivíduo dirá “sim” ao casamento, mas certamente deixará de sofrer por conta disso. Os meios mais comuns de assistência são:

Terapia

A terapia será o local adequado para que o paciente possa falar dos seus medos em relação ao casamento. Independente de qual seja o grau da fobia, é aconselhável ter a ajuda de um profissional para lidar com isso. Caso esteja em dúvida, se lembre de que na terapia haverá um ambiente imparcial para desenvolver as suas questões.

TCC e Terapia de exposição sistemática

A Terapia Cognitivo Comportamental vai ajudar o paciente a trabalhar a causa do seu incomodo, remodelando a sua postura. Já a terapia de exposição sistemática vai condicionar e diminuir a ansiedade expondo o indivíduo as causas do seu medo. Neste caso, se torna viável o seu contato e experiência com casais ou histórias envolvendo casamentos.

Leia Também:  Futurismo no Brasil: características e artistas

Hipnoterapia

Com a ajuda da hipnoterapia é possível encontrar as raízes da fobia e determinar as suas causas. Por meio dela é possível reprogramar o indivíduo para que trabalhe as suas reações negativas sobre casamento. Gradativamente, supera o seu medo e pode reagir melhor a ele.

Considerações finais sobre gamofobia

Mesmo que pareça uma desculpa para justificar quem foge de casamento, a gamofobia é um problema de substância verdadeira. Graças a ela que situações de conflito podem surgir, expondo sensivelmente as pessoas envolvidas na ideia de casamento.

A ajuda de um profissional qualificado pode ser suficiente para que se consiga lidar com esse bloqueio. Lembramos que o casamento não é um contrato obrigatório e ninguém precisa aceitá-lo se não quiser. Entretanto, as reações danosas ligadas a isso precisam de assistência para serem reguladas e não atrapalhar a vida do indivíduo.

A fim de lidar melhor com os especilhos que surgem, que tal se inscrever em nosso curso 100% EAD de Psicanálise Clínica? Com a ajuda dele poderá remodelar a sua postura, controlando as suas ações e revendo os caminhos do seu crescimento. Seja a gamofobia ou qualquer outro bloqueio, a Psicanálise é uma aliada completa que ajudará você a desenvolver o seu potencial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × dois =