Hackeando tudo

Hackeando tudo: 7 técnicas para roubar ideias honestamente

Posted on Posted in Comportamento, Conceitos e Significados

Nem sempre temos boas ideias na hora em que precisamos. Assim sendo, honestamente, a vontade é de sair hackeando tudo o que outros já fizeram para conseguirmos terminar o que temos que fazer mais rápido. 

Plagiar o trabalho alheio é uma prática cheia de conflitos éticos envolvidos. Contudo, é possível roubar ideias com integridade. Você sabe como fazer isso?

Caso a sua resposta seja “não”, continue a leitura. Neste artigo, ensinamos exatamente o que você precisa fazer para roubar (hackear) ideias honestamente nos momentos em que a criatividade não está marcando presença. 

Qual o conceito por trás de sair “hackeando tudo”? 

A palavra “hackear” não necessariamente significa “roubar uma ideia”. Do inglês, o verbo “to hack” implica principalmente na invasão de espaços sem permissão, geralmente com o objetivo de causar dano ao dono de uma certa propriedade.

Por exemplo, hackers profissionais se infiltram nas contas e sistemas tanto de pessoas quanto de empresas, muitas vezes em ações criminosas. Além disso, cada vez mais se torna frequente a invasão de perfis em redes sociais de pessoas públicas. Trata-se de uma forma de golpe a fim de aproveitar a audiência para vender produtos ou para extorquir o dono da conta.

Nesse contexto, a ação de hackear ganha uma conotação criminosa. Logo, fica difícil querer sair hackeando tudo se o sentido da expressão for extorquir, invadir e agredir, não é mesmo?

No entanto, há um sentido que gostaríamos de explorar por aqui e que certamente vale a pena aprender! 

Você já leu o livro “Roube como um Artista”?

É do livro “Roube como um artista“, de Austin Kleon, que trazemos a reflexão sobre a ação de roubar ideias. 

Para o autor, hoje em dia é praticamente impossível encontrar alguém que tenha ideias 100% originais. Assim, mesmo que você seja uma pessoa extremamente criativa, provavelmente partes das suas criações são originais e partes delas vêm de inspirações que você adquiriu ao longo da vida.

Logo, quando você incorpora um ou mais elementos de criações alheias no seu processo criativo, está “roubando uma ideia”. Veja que, na realidade, você está trazendo algo que não é de sua autoria para, junto com outras coisas, criar um produto seu.

Nesse contexto, roubar ideias é algo positivo, comum e extremamente recomendado. Assim, agora que sabe disso, confira 7 técnicas que te ajudarão nesse processo!

Confira 10 técnicas infalíveis para quem deseja trabalhar hackeando tudo

Se você quer ser um profissional que se aproveita da parte positiva de sair hackeando tudo, coloque em prática cada uma das orientações abaixo!

1 – Identifique quais são as referências mais qualificadas naquilo que você faz

Se for para copiar, tem que copiar coisa boa, não é mesmo? Quando você quer trazer uma ideia para algo em que está trabalhando, provavelmente não está atrás de referências ruins, pois quer entregar um bom trabalho.

Portanto, se de fato dar o seu melhor é um objetivo, acompanhe o trabalho de grandes referências no que você faz. Ademais, estude sobre o processo criativo dessas pessoas. Se possível, ande com elas e aprenda diretamente da fonte.

2 – Pegue o que cada referência (bem como seus trabalhos) tem de melhor e, a partir disso, elabore suas ideias

Uma outra técnica para sair hackeando tudo com sucesso é aprender a discernir o trabalho bom do trabalho ruim. Isso serve tanto para as referências em que você confia quanto para as suas próprias produções.

Para isso, é necessário determinar quais são os seus critérios de qualidade. Assim sendo, reflita:

  • o que os trabalhos que eu considero bons têm em comum?
  • quais são os trabalhos que eu fiz e que receberam bons feedbacks?
  • o que eu faço que ganha um reconhecimento amplo?
  • quais são os traços mais fortes do trabalho das minhas referências?

3 – Exercite a sua criatividade constantemente produzindo ainda que os resultados não sejam os que você espera

É importante adiantar que os seus trabalhos nem sempre ficarão bons logo de cara. Sim, isso vale até mesmo para aqueles em que você copiou elementos das suas referências. 

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    O aperfeiçoamento da sua cópia e do seu estilo de trabalho vai levar um pouco de tempo. Porém, saiba que é possível acelerar esse processo. Você fará isso trabalhando disciplinadamente e treinando a sua produção.

    Leia Também:  O real e o imaginário: uma questão da esquizofrenia

    Faça isso até conseguir resultados excelentes com muita frequência!

    4 – Exponha-se à natureza e a outras influências capazes de estimular a sua habilidade de criar

    Você sabia que para sair hackeando tudo nem sempre é necessário copiar o trabalho de outras pessoas? 

    Em muitas ocasiões, a sua referência estará naquilo que você pode ver – na natureza, nos elementos que fazem parte da sua rotina, no seu conhecimento de mundo.

    Para extrair referências do que existe ao seu redor, é necessário treinar a sua percepção e a sua sensibilidade. Uma maneira de fazer isso é expor-se mais à natureza, à arte, aos muitos padrões existentes na realidade de que você faz parte.

    5 – Seja uma pessoa bem informada

    Uma outra maneira de roubar ideias é aprendendo a se informar mais. Essa busca pela informação pode vir da instrução formal, em escolas, universidades e cursos. No entanto, também é possível se instruir a partir da exposição aos jornais, noticiários, documentários, filmes, críticas etc.

    Principalmente agora, em uma realidade globalizada, é mais fácil do que nunca encontrar diversos canais de entretenimento e informação de qualidade. 

    6 – Varie as suas fontes de influência em diferentes áreas

    Para ser alguém que trabalha hackeando tudo, de fato explore esse “tudo”. Assim sendo, não se atenha apenas a uma ou duas referências ou fontes de informação. O trabalho com ideias envolve o enriquecimento de repertório.

    Porém, como enriquecer se você sempre consome mais do mesmo? Roubar ideias e incorporá-las a um processo individual de criação é um processo que envolve dinamismo. É importante pensar fora da caixa!

    7 – Combine duas ideias, mesmo que pareçam muito distantes

    Por exemplo, a Apple mesclou conceitos de “telefone” e “walkman” para criar o Iphone e, junto, entregar uma plataforma de músicas em streaming.

    Você pode jogar com o aleatório para gerar novas ideias. Combine coisas que pareçam bizarras: isso pode gerar algo novo e surpreendente, tanto em artes quanto em produtos ou serviços.

    8 – Mantenha uma rotina criativa e/ou de aperfeiçoamento

    Reserve de 15 a 30 minutos por dia para se permitir viajar, sem cobranças. Faça um brainstorm, em que várias ideias possam aparecer, da forma mais livre que for possível.

    Anote as ideias seguindo o seu fluxo de pensamento, sem julgamento. Só avalie se é bom ou ruim depois, quando você estiver de fato aperfeiçoando sua ideia.

    9 – Dê valor às ideias que você teve

    • Termine o poema ou conto que você começou.
    • Crie pelo menos um business plan ou produto-teste (MVP) para uma ideia de negócio que você teve.
    • Mostre e debata com um(a) amigo(a) a sua ideia.
    • Publique essas ideias nas redes sociais, blog, Youtube ou podcast.

    Quando você faz essas coisas, você reforça para você mesmo (indiretamente) que você zela por suas ideias. Provavelmente, você se sentirá com mais ânimo quando for começar as criações seguintes.

    10 – Tome cuidado com as implicações éticas do “roubo” de ideias 

    Por fim, nunca se esqueça de quais são as suas referências na hora de roubar ideias. Jamais se aproprie de algo que não foi você que criou de fato, pois a partir desse momento, você está ultrapassando a barreira da cópia e do plágio.

    • Se você usar o material de outra pessoa com nenhuma ou quase nenhuma alteração, mencione a fonte, por exemplo, por meio de referências bibliográficas.
    • Se você se inspirar em algo para criar um texto totalmente novo (um recurso chamado de intertextualidade), você não precisará citar a fonte. Isso desde que o material original seja apenas uma inspiração, um start para uma construção com uma organização interna própria.

    Considerações sobre o hábito de trabalhar hackeando tudo

    Esperamos que você tenha gostado dessa nossa reflexão sobre o ato de trabalhar hackeando tudo. O roubo de ideias não precisa ser criminoso ou invasivo, porém, só se você sabe reconhecer suas referências e trazer a sua contribuição singular para aquilo que você aproveitou de uma ou mais fontes.

    Para ler outras reflexões como esta, em que explicamos como é possível atuar hackeando tudo sem enfrentar conflitos éticos, continue navegando em nosso blog. Além disso, confira as condições de matrícula em nosso curso 100% online de Psicanálise Clínica – uma oportunidade imperdível de se profissionalizar como terapeuta ou apenas aprender mais!

    2 thoughts on “Hackeando tudo: 7 técnicas para roubar ideias honestamente

    1. Não podia pensar em nada melhpr para “roubar ideias”.
      E as vezes temos ideias e deixamos elas inacabadas.
      Parabéns pelo artigo, muito enriquecedor.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.