História da Psicologia

História da Psicologia: da origem à atualidade

Posted on Posted in Profissões e Psicanálise, Psicanálise

Atualmente uma ciência aclamada, a Psicologia passou por diversos estágios até a sua consolidação. Bem antes de ser chamada assim, o seu conceito já se formulava em diversas abordagens até o seu aperfeiçoamento. Conheça a história da Psicologia e quais abordagens contribuíram para que ela conseguisse o alcance que tem hoje.

A Psicologia dos filósofos

A história da Psicologia mostra que ela não surge como ciência, mas, sim, ramo filosófico. Pelo menos até ter independência muitos anos depois. De acordo com estudos, ela inicia como ferramenta dos cosmólogos para compreender o misticismo, eventos e ação humana. Isso inclui a vida comum, sonhos, comportamentos e impulsos inerentes a todos nós.

O registro documentado mais antigo da palavra Psicologia se encontra em livros do século 16. Traduzindo do grego, psique significa “alma” e logos indica “doutrina” ou “fundamentos”. Em relação à “alma”, fica entendido que seja os princípios de cada fenômeno da mente e espírito de alguém.

Os conceitos e ideias modernas a respeito do funcionamento da mente advém da filosofia grega. Tanto que um dos pilares da Psicologia como ciência vem do médico grego Alcmeão de Crotona durante o século 6 aC. Segundo ele, “vida mental é uma função do cérebro”, algo permanente para compreendermos a mente humana até agora.

Sobre Alcmeão e pupilos

Continuando a história da Psicologia por Alcmeão, ele analisou as ações da mente como imaginação, memória, pensamento, entre outras coisas. Algo relevante aos seus próprios alunos Aristóteles e Platão que apoiaram e deram continuidade à ideia de Sócrates. Contudo, eles não davam muito crédito para a existência da alma.

Nisso, acabaram por enfatizar na capacidade do homem em raciocinar, o catalogando como animal racional. Para Platão, a prioridade era descobrir a função da mente no controle comportamental, sendo o progenitor do dualismo em Psicologia.

Nisso, considerava substâncias e materiais espirituais, tende a mente e corpo como antagônicos independentes, mas sem esclarecer satisfatoriamente isso. Esse dualismo de Platão acabou superado por Aristóteles, já que esse uniu pensamento psicológico aos estudos naturais. Ao fim, estabeleceu a ideia de que a alma e o corpo são entes inseparáveis.

Buscas

Na história da Psicologia, Aristóteles trabalhou na ideia de que a mente se origina das atividades psicológicas. Ademais, que era preciso compreender os processos psicológicos que contribuem ao experimento do ambiente. Tal ideia era sólida para verificar graças à base científica e a estruturação da proposta.

René Descartes surge com o resgate da ideia da separabilidade da alma humana com o corpo. De acordo com ele, o corpo físico poderia continuar o seu trabalho sem que a alma fizesse supervisão. O próprio ato de duvidar mostraria a existência da alma independente e o pensar como função dela.

Com o avanço da vista científica sobre a filosofia, essa acabou por perder a sua relevância, assim como a alma. Daí a Psicologia passou a ser o estudo da mente humana. Isso porque também a palavra mente era menos vaga e indireta do que alma e se manteve assim por um tempo.

Um lar próprio

Wilhelm Wundt marca seu nome na história da Psicologia pela fundação do primeiro instituto de Psicologia em 1879, em Leipzig. Por meio daqui muito profissionais se formaram e capacitaram para estudar a mente. Mudando a ideia de espírito por consciência, focou suas experiências nos eventos conscientes e adotou a metodologia de introspecção.

O desenvolvimento científico da Psicologia, após um período, acaba por ganhar um impulso. Existiam um empenho em validar apenas trilhas científicas a esse assunto. Qualquer metodologia ou abordagem alicerçada em especulações acabava descartada.

Leia Também:  Fase Oral: Significado em Freud e Psicologia

Isso acabou por influenciar na criação de diversas escolas de pensamento ao longo do tempo. Por exemplo, Behaviorismo, escola humanista, Psicanálise, funcionalismo… Etc. A estruturação dessas escolas acabou levando a diversas abordagens a fim de compreender o comportamento humano em seus próprios termos.

A história da Psicologia no Brasil

Em meados do século XIX a Psicologia marcava presença em diversas áreas brasileiras, se ligando com outras áreas do saber. Dentro da própria Medicina e Educação, por exemplo, existia uma preocupação com os fenômenos psicológicos. Com isso, gradativamente, a Psicologia passou a ser vista distintamente das outras, sendo um campo específico do saber.

O livro Investigações de Psychologia, de Eduardo Ferreira França se mostra como a primeira obra da área lançada em 1854. Em 1897 se inicia na história da Psicologia no Brasil a Psicologia experimental. Ao longo dos anos, diversos pesquisadores iniciaram as atividades em laboratórios de pesquisa, sendo os primeiros em São Paulo e Belo Horizonte.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

A emancipação

Waclaw Radecki contribuiu diretamente à emancipação da Psicologia no país separadamente ao publicar diversas obras. Além das pesquisas e obras publicadas sobre o tema, Radecki criou o primeiro modelo de ensino superior em Psicologia. E no ano de 1946, uma portaria reconhece o diploma de psicólogo, mas somente em 1962 que o curso recebe aval do MEC.

Em 20 de dezembro do ano de 1971 a Lei n° 5.766 criou os Conselhos Regionais e Federais de Psicologia. Sem contar a regularização da profissão.

Abordagens psicológicas

Na história da Psicologia pelo mundo se abriu margem à criação de diversas abordagens, como:

Estruturalismo

Visa o estudo de experiências conscientes, indicando a responsabilidade do cérebro e sistemo nervoso sobre elas. Fazendo um estudo sistemático da mente, acabou por estudar os sentimentos, sensações e imagens para estudar sua estrutura.

Psicologia Humanista

Em suma, o ser humano é mais valorizado aqui, estando o comportamento à mercê da nossa vontade. Ao invés de focar em experiências, centralizaram as atividades nos problemas humanos.

Funcionalismo

Movimentado por William James, era defendido aqui o funcionamento mente como algo importante. De acordo com os seguidores, a mente sempre se adaptará ao meio externo.

Psicologia da Gestalt

“Forma” ou “configuração” podem ser o significado de Gestalt e visa enxergar a mente como um todo, e não partes. Nisso, o indivíduo perceberia algo como um todo, algo a ser refletido em suas sensações. A exemplo, uma mesa de madeira seria enxergada como um todo, e não um conjunto de peças distintas.

Behaviorismo

É a ciência focada no comportamento humano, sendo baseada em observação e verificação. Os reflexos condicionados, os elementos comportamentais, seriam aprendidos graças a alguns estímulos. JB Watson, criador dessa escola, declarava que uma criança poderia ser o que ele quisesse com base nos estímulos aqui aplicados.

Psicanálise

Uma das mais famosas, a Psicanálise se concentra sobre o modelo psíquico humano normal, sendo fundada por Freud. O campo de atuação dele é o inconsciente, buscando tudo aquilo que permanece escondido, porém nos influencia. Assim, fazia uma análise integral com base nos comportamentos avessos dos pacientes em suas variadas crises.

A visão biopsicossocial e as disciplinas múltiplas

Observamos na história da psicologia uma quantidade enorme de perspectivas para entender a complexidade humana. Nesse caminho, as diversas escolas coexistindo e se completando indica o estudo sobre nós analisando diversos contextos. Dessa forma, o modelo biopsicossocial acaba se influenciando por três fatores:

Leia Também:  3 Dinâmicas de Grupo rápidas passo a passo

Fatores biológicos

Aqui se inclui predisposição genética e as transformações determinantes ao desenvolvimento corporal.

Fatores psicológicos

Expectativas, preferências, reações emotivas, medo, interpretações perceptivas, cognição… Etc.

Fatores socioculturais

O meio em que vive física e culturalmente com a influência da família, amigos e até desconhecidos desempenhando diversos papéis.

Considerações finais sobre a história da Psicologia

A história da Psicologia surpreendente pelo “curto” espaço de tempo ter se ramificado em diversas partes. Ao longo dos seus quase 150 deu origem a diversos processos investigativos para compreendermos a mente humana. Dado o empenho, conquistou a independência para atuar cientificamente e com reconhecimento geral e legal.

Até hoje as expansões continuam a ser feitas, entregando formulações completas para que possamos no conhecer mais completamente. Certamente é uma das passagens mais importantes do meio científico para se compreender a estrutura humana e em qual ponto poderemos chegar.

Além da Psicologia, o nosso curso online de Psicanálise Clínica pode garantir a segurança e crescimento que tem buscado. Não apenas alimenta o seu autoconhecimento, mas também encontra os caminhos para exibir o seu potencial interno por completo. Sendo parte importante da história da Psicologia, a Psicanálise é uma ferramenta de reforma pessoal e expansão de perspectivas grandiosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 19 =