ideação suicida

Ideação Suicida: significado, sintomas, tratamentos

Posted on Posted in Psicanálise, tratamento

O poder que uma ideia tem é algo impressionante. Se você já assistiu ao filme A Origem, sabe que uma ideia plantada na nossa cabeça pode acabar culminando em consequências grandiosas ou catastróficas. Nesse sentido, o que acontece quando surge em nossas mentes a ideia de cometer suicídio? Tendo isso em mente, hoje vamos conversar sobre ideação suicida, os seus sintomas e tratamentos possíveis. Não deixe de ler até o final!

O que é ideação suicida?

Ideação suicida se trata de alimentar pensamentos ou planos com o intuito de alcançar a própria morte. Nisso, os pensamentos focam e antecipam a situação, de modo a seguir um plano em que ela concretize. Eles podem ser passageiros, extensos ou dar fruto a um planejamento bem detalhado.

Contudo, boa parte das pessoas com esse tipo de pensamento mórbido não chega a fazer tentativas suicidas. Ainda assim, essas ideias são um fator de risco expositivo, já que a maturação dessas percepções expõe o seu idealizador. Embora seja comum em uma grande parcela adulta, isso também é frequente entre os adolescentes.

Esse tipo de problema se liga diretamente com transtornos de humor e a própria depressão, bem como traumas da vida. Tais experiências acabam aumentando o risco das pessoas sensíveis cogitarem acabar com a própria vida. Felizmente, alguns tratamentos podem conter o problema e recondicionar a uma vida mais saudável.

Causas

Os fatores que desencadeiam a ideação suicida são vastos, infelizmente. Eles se localizam em três categorias diferentes, sendo a primeira delas os transtornos envolvendo o humor. Como leu linhas acima, isso juntamente com uma depressão pode influenciar uma pessoa a acabar com a própria vida.

Acredita-se que o meio externo contribua diretamente para o surgimento do problema e moldagem da psique humana. Os estímulos externos que alguém recebe podem afetar diretamente a sua mente e percepção da realidade. Se tiver algum fator de risco, as experiências externas podem alimentar o surgimento do problema.

Sem contar as experiências internas dentro da própria família que possuem um impacto ainda maior. Os problemas e situações envolvendo os familiares são algumas das portas para a ideação de morte.

Sintomas

Quanto aos sintomas, é preciso um olhar atento para enxergar cada um deles e a forma como o indivíduo reage. Eles vão desde impressões psíquicas até visíveis mudanças no corpo e comportamento do indivíduo. Por isso, quem possui ou problema ou desconfia de que alguém o tenha precisa dar atenção para:

Desesperança

O futuro e a própria vida não parecem ter o mesmo brilho que antes possuíam. Ainda que situações favoráveis aconteçam, é difícil esperar que sejam duradouras ou que novas surjam.

Perda de prazer

Por incrível que pareça, é muito difícil a esse indivíduo sentir algum prazer genuíno. Existe uma incapacidade de se satisfazer, algo comum em quem carrega sinais depressivos.

Alterações no sono

Ou o idealista possui falta de sono ou o excesso dele, de modo que não possa repousar adequadamente.

Mudanças no apetite

Assim como no sono, a sua fome passa por mudanças bruscas, sumindo ou aumentando do nada.

Depressão

Esse tipo de doença é bastante comum em quem possui ideação ao suicídio. A depressão acaba conduzindo sua percepção de vida e mexendo negativamente com a sua forma de pensar.

Ansiedade grave/ ataque de pânico

Com o passar do tempo, o indivíduo começa a pensar com mais frequência sobre situações ruins que podem ocorrer. Não é difícil que isso se direcione a um ataque de pânico, comprometendo a sua rotina.

Leia Também:  Psicanálise para leigos: o método de uma maneira simples

Concentração prejudicada

Por pensar demais nos caminhos da própria morte, dificilmente vai conseguir focar em outras atividades. Seu trabalho e estudos assumem um lugar de irrelevância na sua mente.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Agitação psicomotora

Uma inquietude também mostra sinais de como a sua mente tem trabalho em ideias negativas. Não que todas as pessoas agitadas pensem em suicídio, mas quem faz isso é mais impulsivo e agitado frequentemente. Porém, é preciso ligar isso aos demais sintomas para não existir qualquer erro de diagnóstico.

Solidão

Por fim na lista, a solidão costuma ser a companheira de muitos, pois o ambiente externo não é tão atrativo. Ademais, o seu comportamento e postura em relação à vida complicam o desenvolvimento de relações interpessoais.

Automutilação X Suicídio

Ao ler sobre a ideação suicida é comum a sua associação com a automutilação. Porém, esclarecemos que ambas, apesar de destrutivas, possuem finalidades diferentes. Isso porque a automutilação não procura a morte, mas externar e aliviar a dor que se sente por dentro.

A automutilação trabalha por caminhos dolorosos para que a tensão do indivíduo seja diminuída. Sem contar que pode ser um pedido por ajuda, já que muitos não conseguem externar seus problemas. Esses ainda possuem um desejo de viver e esse tipo de comportamento não pode ser ignorado pelos outros.

Fatores de risco

Os fatores de risco para a ideação suicida são diversos e para facilitar foram agrupados em categorias distintas. Através delas que o risco de desenvolver o problema acaba por aumentar e expor qualquer indivíduo. São elas:

Distúrbios psiquiátricos

Além de estarem relacionados, distúrbios mentais podem acabar elevando a frequência da ideação ao suicídio. Doenças psíquicas ou comportamentos erráticos conduzem as nossas mentes a cogitar a ideia da morte. Infelizmente, isso acaba acontecendo numa porcentagem de pessoas com problemas de saúde psiquiátricos.

Histórico familiar

Nossa árvore genealógica e os eventos ao redor assumem papel decisivo para o aparecimento do problema. Histórico de violências, abusos e instabilidade emocional desestruturam a nossa psique. É bastante comum que pessoas com esses traumas familiares reflitam sempre a respeito da ideia de retirar a própria vida.

Eventos traumáticos da vida

Os traumas que passamos podem nos conduzir a pensamentos repetitivos sobre acabar com a própria vida. Acidentes, doenças, desemprego e repressão externa são apenas a tampa do imenso fosso de razões para isso acontecer. Nem todo mundo consegue se recuperar disso e cogita no fim da própria existência, de modo a terminar com essa dor.

O trabalho da prevenção

Um tratamento e detecção precoce da ideação suicida podem imediatamente reduzir sinais graves do problema. Isso significa se atentar aos sintomas e fatores influentes, cuja detecção precoce contribui na recuperação acessível. Tanto quem sofre com o problema, quanto quem está próximo pode contribuir e trabalhar na prevenção do problema.

Embora seja difícil motivar as pessoas a procurarem e continuarem com o tratamento, a insistência deve ser permanente. Por exemplo, aplicar tratamento na fase inicial e conscientizar sobre os benefícios da ajuda terapêutica. É deixar claro e público que quem precisa de ajuda pode recebê-la e encontrá-la com facilidade.

Sobre os tratamentos

O tratamento da ideação suicida precisa ser feito com cuidado para que o problema não se agrave sem intenção. Isso porque alguns dos medicamentos acabam por aumentar a recorrência do pensamento suicida nos pacientes. Por causa disso que o tratamento é pluralizado, incluindo terapia, remédios específicos e hospitalização para melhor conforto.

Leia Também:  Tratamento do TOC na psicanálise: 15 coisas a saber

Além dos remédios que servem para lidar com os sintomas, a terapia propõe o reaprendizado do modo de pensar. É treinar a si mesmo para pensar de forma produtiva e mais positiva na própria vida. Claro, problemas vão surgir, mas sua forma de lidar com eles mudará significativamente.

Se necessário, pode receber atendimento ambulatorial, um atendimento feito em casa e devidamente agendado. Isso visa dar conforto e segurança, já que o ambiente é familiar e não se sentirá preso em qualquer nível. Gradativamente, com acompanhamento médico, os pacientes podem reconquistar sua liberdade e viver com mais segurança.

Considerações finais sobre ideação suicida

A ideação suicida constrói um cenário mental em que a morte é o palco e o indivíduo seu único autor. Viver sob a existência dela é como caminhar em direção a um abismo escuro e profundo. Tarde demais, muitos acabam encerrando a própria jornada sem darem a si mesmos uma segunda chance.

A fim de evitar essa consequência drástica, é preciso agir melhor e pensar de maneira distinta, buscando dar significado aos laços contínuos com a vida. Um tratamento costuma se mostrar eficaz e entregar aos poucos a sua vontade de se imaginar em situação diferente. Além dele, a sua vontade de imaginar uma vida melhor deve ser insistente e pouco abalável para garantir sua felicidade.

Para obter um reforço adequado, se inscreva em nosso curso totalmente online de Psicanálise. Com a ajuda dele, você poderá compreender as razões de suas pendências, clareando suas necessidades com autoconhecimento bem estruturado. Em vez da ideação suicida, seus pensamentos focarão cada vez mais no alcance do seu potencial de crescimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + nove =