Insônia: 5 descobertas recentes da neurociência

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

Ainda que as pessoas reclamem com unânimidade dos mesmos sintomas ruins de uma noite mal dormida, a história é bem complexa. O distúrbio que afeta o sono possui diversas variações a depender de quem é estudado. Confira cinco descobertas recentes da neurociência a respeito da insônia e identifique qual o seu tipo.

Sono dos neuróticos

Todos nós possuímos uma rotina agitada de trabalho, estudos e também afazeres domésticos. Ainda que muitos insistam em continuar com isso, essa carga se acumula e acaba por afetar nossa mente e corpo. Viramos reféns de nossos próprios costumes e acabamos por deixar de lado algo muito valioso: nossa saúde.

Um estudo confirmou que isso afeta negativamente a forma como você dorme. Com isso, sua insônia ganha o status de sono dos neuróticos. Você não consegue relaxar adequadamente e sempre acha que há algo por vir ou fazer. Isso acontece, em geral, por conta de:

Tensão

Corpo o nosso corpo não consegue relaxar, isso acaba por criar um canal nocivo entre ele e a mente. Quem costuma se sentir tenso com muita frequência acaba por levar isso ao estado de dormência. Entretanto, essa reação é bastante inadequada em qualquer momento. Isso acaba por exauri-lo e dificultar o estado de repouso.

Ansiedade

Outro ingrediente que contribui ao sono dos neuróticos é a ansiedade. Por meio dela, procuramos viver antecipadamente situações que ainda nem aconteceram. Com isso, estipulamos quais argumentos e atitudes usar para brigas que sequer existirão. Esse início de neurose se condensa na forma como você dorme.

Sono dos estressados: nível um

Um estudo holandês mostrou que a insônia se manifesta em três aspectos de estresse: nível um, dois e três. O nível um consiste naqueles que respondem adequadamente a estímulos recompensatórios em suas vidas. Ainda que o estresse vigore, se o mesmo receber recompensa de qualquer tipo, contribui agradavelmente ao quadro.

Além disso, acontecimentos positivos influenciam de modo construtivo em suas vidas e na forma que dormem. O estresse, em alguns casos, passa a ser uma constante em suas vidas, mas fatos positivos “controlam” sua permanência. De modo simplório, podemos comparar isso aos cuidados de uma “diabetes do sono”.

Dentre os três tipos de insônia, essa é a considerada menos nociva aos indivíduos. Fatores externos contribuem de forma dúbia a isso, mas os acontecimentos positivos ganham maior destaque. Segundo Tessa Blanken, líder da pesquisa, eles incidem favoravelmente ao sono do indivíduo, contribuindo à sua qualidade de descanso.

Sono dos estressados: nível dois

Os indivíduos com esse tipo de insônia são tão estressados quanto os membros do tópico anterior. Entretanto, a diferença se dá justamente na parte dos estímulos positivos, já que os recebem de forma contrária. Ao que parece, acontecimentos positivos e recompensas não são respondidos adequadamente como no grupo anterior.

É como se existisse certa inibição de sua percepção quanto ao movimento externo de positividade. Em suma, o estresse não é aliviado por reações construtivas ou prazerosas. Como resultado, o seu estresse tende a se acumular lenta, mas gradativamente, comprometendo aos poucos sua saúde enquanto dorme. No caso, não dorme.

Este se mostra o princípio de reações maiores e nocivas ao ambiente externo em que vive. É preciso muita intervenção positiva para que se cause algum efeito reverso nesse quadro sem sono. Com isso, fazemos um paralelo com quem depende fortemente de remédios para ter alívio. Aos poucos, seus efeitos deixam de se fazer presentes e é preciso aumentar as doses.

Sono dos estressados: nível três

Para fechar o quadro de sono dos estressados, trazemos os minimamente afetados por ele. Contudo, são justamente esses que possuem hiper sensibilidade a eventos e estímulos mais estressantes. O curioso a ser notado é que mesmo não sofrendo tanto com o estresse em si, sofrem com seus catalisadores. Andam na corda bamba acordados o dormindo, sem descansar adequadamente.

Ainda que seja o estágio mais leve de insônia conturbada entre esses três, também pode trazer prejuízos ao indivíduo. Sem uma qualidade adequada de descanso, ele fica impossibilitado de fazer as atividades mais simples. Até a concentração fica impedida de ser construída adequadamente. Para trabalhar, tente:

Evitar atividades que causam tensão

Isso vai permitir que foque adequadamente sua energia na medida certa, sem ficar exausto. Se não tem certeza se consegue lidar com algum evento, talvez seja necessário repensar a sua participação nele. Dessa forma, você se poupa e pode se preservar.


Leia Também:  Assimilar: significado no dicionário e na Psicologia

Curso de Formação em Psicanálise Clínica EAD


Abstrair

Ainda que seja um meio de vida, ninguém deve focar unicamente no trabalho e em casa. Procure fazer atividades que te tragam prazer e bem-estar, a fim de recarregar sua força física e emocional. Como resultado, terá noites de sono mais tranquilas e prazerosas.

Sono tranquilo

Para finalizar as descobertas da ciência sobre a insônia, destacamos aquelas pessoas que são mais tranquilas. Isso porque, ao contrário dos demais, apresentam uma postura mais tolerante a eventos estressantes. Tem uma resiliência mais construída e isso contribui aos momentos despertos. Em suma, sua insônia causa ínfimos prejuízos à sua saúde.

Ainda que seu nível de estresse seja extremamente baixo, é aconselhável evitar contato frequente com ele. Eventualmente, o mesmo pode assumir formas maiores e acabar por tomar controle de sua vida. Sendo assim, com as dicas do tópico anterior, tome mais cuidado a esse aspecto. Com o tempo, passará a ficar menos desperto na hora do sono.

Comentários finais: Insônia

Frequentemente, a ciência traz novos insights a respeito da insônia e como esta afeta nossa vida. Neste artigo, a surpresa de muitos se resume na variedade da mesma, aumentando o leque de observações com cada caso. Com isso, conseguiremos elaborar formas de trabalhar adequadamente com cada situação.

Ainda que o texto acima elucide algumas questões, jamais faça um autodiagnóstico do evento. É preciso consultar um especialista para avaliar a fundo o seu caso é prescrever um tratamento adequado para tal. A partir daí, suas noites de sono tranquilo passarão a ser mais frequentes, duradouras e prazerosas.



Para avaliar melhor o que te afeta externamente, experimente fazer o nosso curso de Psicanálise online. Por conta dele, os caminhos entre os estímulos e o seu próprio comportamento ficarão mais lúcidos e visíveis. Com isso, é possível trabalhar alternativas para conviver melhor e de forma resiliente.

Nosso curso é feito via internet, bastando que tenha apenas um computador conectado. Dessa forma, você pode estudar quando e onde achar mais conveniente, sem afetar sua rotina de trabalho. Além disso, sempre terá apoio constante de nossos professores, especialistas renomados na área. Independente da grade de horários que escolha, nunca estará sozinho.

Assim que concluir com louvor o curso, terá em mãos nosso certificado. É com ele que provará a excelência em sua formação como psicanalista e poderá trabalhar na área. Sendo assim, não perca mais tempo. Entre em contato e faça o nosso curso de Psicanálise.

Se gostou deste artigo sobre insônia, não deixe de compartillhá-lo com outras pessoas!

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + treze =