Mania: entenda do que se trata

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

Afinal, o que é mania? Em alguns momentos do nosso dia, acabamos por questionar algumas das nossas ações, às vezes repetitivas e sem motivo algum. Contudo, não é sempre que percebemos que estamos repetindo uma mesma ação por um longo período de tempo.

Comumente,  as manias são comportamentos inconscientes. No entanto, sempre que colocamos em prática, é comum também que seja acompanhado de uma repreensão.  Você já deve ter ouvido alguém falar “para de roer unha”, “não balance tanto o pé”, etc.

O problema centraliza-se quando as ações repetidas por um indivíduo passam a interferir negativamente em sua vida.

No entanto, quais são os sintomas?

Normalmente, existem pessoas que possuem obsessão por limpeza e arrumam a casa o tempo inteiro. Outras acumulam objetos inúteis, pois não conseguem se desfazer. Dessa forma, isso acaba tornando algum ambiente da casa inabitável e esquecido. Algumas repetem movimentos por um longo período.

TOC e mania: são a mesma coisa?

Não, não são. O TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) é uma obsessão. É algo que afeta diretamente a rotina do indivíduo, diferentemente da mania. Segue abaixo uma lista com exemplos de ações que são consideradas TOC:

Conferência repetitiva: checa diversas vezes se algo está realmente correto, como por exemplo, a própria escrita. Dessa forma, tenta visualizar se a frase que acabou de escrever possui algum erro e volta diversas vezes para ter certeza de que está correta, sem nenhum erro.

Acumulador: guarda diversos objetos que nunca mais serão úteis, pois estão quebrados, velhos e estragados. Contudo, acredita que um dia irá precisar.

Acredita que está doente: acaba por crer que possui alguma doença grave, mesmo que os exames e os médicos comprovem o contrário.

Verificação compulsiva: antes de sair de casa, confere diversas vezes se o gás está desligado, a geladeira fechada ou portão trancado. Isso chega até impedir que a pessoa saia de casa e, dessa forma, acaba atrasando-se para compromissos importantes.

Tudo deve ter simetria: nada pode estar desalinhado pois, caso esteja, a pessoa irá tentar consertar.

Muita superstição: evitar determinadas ações ou fazer alguns rituais para que nada de ruim aconteça.

Higienização constante: acredita que está contaminado(a) e precisa lavar as mãos ou tomar diversos banhos ao longo do dia.

Organização demorada e inacabável: fica horas organizando objetos em ordem de tamanho ou cores, contudo nunca há satisfação com o resultado.

Mas quais serão as manias mais comuns?

Agora será apresentada uma lista de manias mais comuns. Será que você tem alguma delas?

Desafios sem sentido:

Você já pegou se desafiando em coisas como “Se eu não chegar até ali antes da música acabar algo de ruim irá acontecer”?

Seu prato tem que estar devidamente organizado:

O feijão vem do lado, por cima ou por baixo do arroz. Para você é muito importante que esteja da forma que gosta, pois isso acaba sendo um incômodo na hora da refeição.

Mordidas simétricas:

Quando está comendo um sanduíche suas mordidas são alinhadas.

Elabora possíveis rotas de fuga:

Você imagina que algo de ruim pode acontecer no local que está e imagina como pode fugir dali sem morrer.

• Rituais na hora de dormir:

Você só consegue dormir se o cobertor estiver de determinada forma, caso não esteja, isso te incomoda a noite toda.

Roer as unhas:

Em situações de ansiedade ou muito estresse, acaba roendo as unhas.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ


Hipocondria:

Faz diagnósticos completos apenas pesquisando sintomas de doenças na internet. Algumas pessoas chegam até buscar ajuda médica para confirmar um diagnóstico que é totalmente imaginário.

Ablutomania:

Você apresenta uma limpeza excessiva.

Contagem e verificação:

Repete uma verificação numa contagem exata de vezes para que nada de ruim aconteça.

Organização precisa:

Por onde passa, acaba colocando os objetos na ordem que acredita ser a correta.

Fases da mania

A mania é considerada como uma das fases pertencentes do transtorno bipolar – doença psicológica depressiva. Há também o que chama-se de hipomania que é considerada um quadro muito mais brando da mania.

Leia Também:  Manipulação: 7 lições da Psicanálise

O indivíduo com transtorno bipolar passa por alternâncias de humor ao longo do dia que passam pela mania, hipomania e agravando-se para a depressão. Vamos distinguir a seguir a bipolaridade da hipomania (sintomas são mais leves). Atente-se:

Bipolaridade – principais características:

1. Humor costuma estar sempre elevado ou muito excessivo;

2. O bipolar costuma ter uma super autoestima, seu ego é invejável;

3. Não consegue organizar seus pensamentos;

4. Está sempre agitado(a) e isso impacta diretamente nas suas atividades sociais;

5. Não consegue controlas suas atitudes;

6. Apresenta ações compulsivas, como desejo sexual ou compras desenfreadas;

7. Apresenta algumas alucinações;

8. Pode ser uma pessoa agressiva;

9. Acaba falando sem parar e isso gera desconforto nas pessoas ao seu redor.

Hipomania – principais características:

1. Também há excesso de euforia com humor sempre muito elevado;

2. Costuma ter muita criatividade;

3. Não tem a necessidade de dormir 8h por dia, dorme muito menos, consegue sentir-se descansado com poucas horas de sono;

4. É tagarela, falo muito sempre;

5. Costuma apresentar um nível alto de distração;

6. Apresenta muita agitação para realizar suas tarefas;

7. Também possui ações compulsivas, assim como pontuado no item 6 da lista anterior.

Há algum prejuízo social por conta dos sintomas?

Como os sintomas da hipomania são mais leves, não costumam apresentar problemas sociais para o indivíduo que os apresenta. Assim, não são graves o suficiente para que o paciente precise ser internado ou necessite de tratamento psicológico, como ocorre nos casos de bipolaridade.

Em alguns casos, o papel das pessoas próximas é crucial. O paciente por si só não costuma perceber os seus sintomas. Dessa forma, se você observa que alguém do seu convívio apresenta alguns dos sintomas e isso a afeta diretamente, ajude-a.

É necessário sempre buscar ajuda de um psiquiatra para fazer o diagnóstico correto e pontuar qual será o tratamento necessário para o paciente.

É comum ter TOC? Que fatores cadenciam isso?

Sim, é comum. No entanto, muitas pessoas acabam não recebendo o diagnóstico e isso afeta diretamente a rotina delas. Vale ressaltar que as manias podem virar TOC, por isso deve observar suas atitudes e perceber se isso acomete de maneira grave a sua vida.

As causas ainda são estudadas por especialistas, de modo que entre os estudos não há nada muito específico. Nesse contexto, as causas podem ser genéticas ou psicológicas.

Sintomas, como identificá-los?

Os sintomas são sempre repetitivos e sempre de acordo com a linha imaginária traçada pelo sintomático.

Desse modo, se você notou que possui alguns dos sintomas listados acima e isso atrapalha sua rotina, está na hora de buscar ajuda. No entanto, se você percebe que alguém próximo sofre com isso, converse e indique a possibilidade da pessoa procurar tratamento médico.

Há tratamento?

Com certeza. É feito por profissionais da área da psicologia. Consulte um profissional, só ele poderá apresentar o tratamento adequado.

Conclusão

Caso já tenha feito tratamento, para tratar suas manias, conte nos comentários qual foi a relevância dele para a sua vida. Você melhorou? Sente-se que a sua rotina está mais leve?

Caso queira saber mais sobre o assunto até para poder ajudar outras pessoas, confira nosso curso de Formação em Psicanálise! Os conhecimentos poderão ser aproveitados em várias situações.

 

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =