medo crônico de velocidade

Medo crônico de velocidade: causas e tratamentos

Posted on Posted in Comportamento, Transtornos e Doenças

Certamente você já deve ter conhecido alguém que adorasse dirigir motos, carros ou outros veículos com rapidez. Porém, nem todo mundo compartilha desse entusiasmo. Muitos inclusive preferem se afastar o tanto quanto for possível de tudo o que é veloz. Em vista disso, neste artigo, você saberá mais sobre o medo crônico de velocidade, as suas possíveis causas e os tratamentos disponíveis.

Sobre o medo de velocidade

O medo crônico de velocidade é conhecido formalmente pelos terapeutas como tacofobia. Embora muitos especialistas não a considerem uma fobia verdadeira, a tacofobia traz o mesmo aspecto ansioso de outros medos. De um jeito ou de outro, a pessoa afetada tem graves problemas com tudo o que se move rapidamente.

Por conta disso que dirigir veículos ou até entrar neles se torna um desafio complicado de ser feito. O medo de velocidade faz com que a pessoa diminua o seu ritmo de vida, simplificando a rotina como puder. Por exemplo, por causa dele, indivíduos escolhem morar perto do trabalho, supermercado e hospitais. Assim, eles não precisam ir de carro ou moto até eles.

Um caso pouco conhecido é de um senhor de meia idade do interior pernambucano que evitava se locomover de carro. Segundo histórias locais, ele ia até as cidades vizinhas a pé, preferindo demorar em vez de usar o veículo. Ironicamente, ele foi vítima de acidente de trânsito em uma de suas peregrinações.

Limitações

Para quem convive com o medo crônico de velocidade, o ato de usar qualquer veículo é quase impossível de ser feito. Em virtude da sua rapidez, carros, motos, barcos, trens, aviões e outros transportes provocam temores profundos e descontrolados em certos indivíduos. Por essa razão, eles acabam reagindo com ansiedade a objetos que se movem rapidamente.

De acordo com alguns terapeutas, o medo do que é veloz está associado à falta de controle que se sente devido à rapidez. A imprevisibilidade e a tendência para o caos que a velocidade pode trazer pode deixar muita gente desconfortável e temerosa. Um exemplo claro disso é o momento em que uma pessoa fica desesperada para descer da montanha-russa.

Para quem possui medo da velocidade, o cotidiano costuma ser limitado em diversos sentidos. Isso porque a autonomia dessa pessoa fica reduzida por precisar da ajuda ou de amigos ou família para ter alimentos e outros itens necessários. Se possível, ela sempre acaba escolhendo morar perto do trabalho e de estabelecimentos aonde pode chegar com uma caminhada.

Causas do medo de velocidade

As causas do medo crônico de velocidade ainda são estudadas, mas a genética e o ambiente podem influenciar na sua manifestação. Ter histórico de doenças mentais na família, especialmente relacionadas com a ansiedade, abre espaço para desenvolver fobias. Mas em geral, tanto a genética como o ambiente em que alguém cresceu continuam a ser estudados pelos especialistas como fatores determinantes para o transtorno.

Além disso, eventos traumáticos na história do paciente são capazes de provocar medo do que é veloz. Provavelmente a criança que andou de montanha-russa e não teve uma boa experiência ou uma pessoa que presenciou acidente de trânsito acabou desenvolvendo temores como esse. Nesses casos, o trauma envolvendo grandes velocidades leva o indivíduo a se afastar de situações parecidas para se preservar.

Sintomas

Assim como outras fobias, o medo crônico de velocidade não se manifesta sem deixar um rastro visível de sintomas. Embora eles sirvam para identificar mais rápido o problema, a consulta com um terapeuta dará a certeza em relação ao diagnóstico e aotratamento adequado. Ainda assim, você pode se manter atento a sinais como:

  • ansiedade quando pensa em velocidade, que pode evoluir para um ataque de pânico;
  • repulsa por lugares com movimentação rápida, como tráfego ou rodovias;
  • medo de se mover com rapidez;
  • medo de objetos se movendo rapidamente;
  • dificuldade em lidar com as próprias emoções;
  • tensão muscular e sudorese.
Leia Também:  Depressão em Crianças: Um Olhar Psicanalítico

Fobias ligadas a automóveis

Tacofobia ou medo crônico de velocidade é uma das fobias ligadas a automóveis que afetam uma parcela considerável da população. Além dela, outras fobias ligadas a locomoção são:

Amaxofobia

É o medo de andar de carro, que é alimentado pela ansiedade de entrar no veículo. Em suma, a mente do indivíduo passa a criar situações em que acidentes ou travagens acontecerão de forma abrupta. Essa fobia costuma ser mais comum em passageiros, pois eles não estão conduzindo o carro, não estando controle do veículo.

Gefirofobia

Em síntese, esse é o medo que uma pessoa tem de atravessar pontes ao utilizar qualquer veículo. Para esclarecer, o indivíduo pensa que cairá da ponte atingindo a sua lateral ou que ela vai quebrar e se desfazer. Por isso que o motorista reduz o ritmo ao passar por ela sentindo incômodo com o som metálico das juntas de dilatação.

Estenofobia

Por sua vez, a estenofobia é o medo de lugares apertados onde um motorista não consiga passar. Ruas apertadas ou túneis costumam causar desconforto, fazendo uma pessoa reduzir a velocidade ou se afastar das bordas do caminho. Por causa disso é comum que essa pessoa tenha problemas para estacionar, ocupando duas vagas ou parando de maneira inadequada.

Tratamento para medo de velocidade

Até o momento, segundo alguns especialistas, não existe um tratamento específico para o medo crônico de velocidade. Contudo, a terapia de exposição pode ajudar a diminuir os sintomas e recuperar a qualidade de vida do paciente. Assim, a pessoa em terapia será exposta de forma segura a um elemento em velocidade elevada e com o tempo a sua tolerância aumentará.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Vale dizer que o terapeuta precisa ser capacitado e experiente para que a exposição não piore o problema em vez de amenizá-lo. Conforme a exposição controlada se desenvolver, o indivíduo ganhará autonomia e os sintomas do transtorno diminuirão. Apesar dessa pessoa não poder controlar a velocidade do mundo, ela verá que pode ao menos controlar suas reações e emoções em situações de ansiedade.

Para o paciente se acostumar, o terapeuta pode exibir vídeos de corridas ou pedir para ele imaginar tais cenas. Além disso,a pessoa será aconselhada a acelerar aos poucos ao dirigir, sempre fazendo esse momento ser o mais confortável possível. Dessa maneira, a ansiedade pode diminuir, permitindo que o paciente se liberte dos seus medos e angústias.

Medicamentos

Ainda que os medicamentos para ansiedade possam ajudar, utilizar a medicação sozinha não trará tantos resultados para o tratamento. Assim sendo, é necessário combinar o tratamento prático e o medicamentoso para que o paciente possa superar de forma eficaz o problema.

Por isso que alternar o tratamento de exposição, dessensibilizando o indivíduo contra a ansiedade, e adicionar o ansiolítico é o caminho mais indicado para recuperar o bem-estar do paciente e conseguir a sua recuperação.

Considerações finais sobre medo crônico de velocidade

O medo crônico de velocidade, apesar de parecer simples, pode fazer uma pessoa viver de modo extremamente limitado. Imagine você não conseguir percorrer grandes distâncias por ter pavor de carro ou não conseguir se aproximar do tráfego.

Assim como outras fobias, a pessoa com medo de velocidade precisa de ajuda para compreender as causas do problema e encontrar a solução. Todos nós temos o direito de viver bem, sem limitações ou qualquer impedimento, conseguindo ter vida mais plena e produtiva.

Leia Também:  Como salvar meu casamento: 15 atitudes

Você sabia que o nosso curso online de Psicanálise é capaz de amenizar o medo crônico de velocidade? Você não apenas descobrirá as raízes dos seus temores, mas também encontrará o conhecimento necessário para cuidar de sua saúde mental. Só não deixe de procurar também a ajuda de um profissional da saúde em vista de todas as razões que apresentamos aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × cinco =