medo de dentista

Medo de Dentista (Odontofobia): causas e tratamentos

Posted on Posted in Comportamento

Embora os cuidados bucais com um dentista sejam necessários, o medo quanto ao trabalho do profissional persiste. Mesmo que haja diversas tecnologias para facilitar tratamentos odontológicos, muitas pessoas ainda tremem só de imaginar o barulho do motorzinho. Hoje nós vamos explicar o que é odontofobia, as causas e o tratamento para o medo de dentista.

O que é odontofobia?

A odontofobia é o famoso medo de dentista. Quem vive com esse problema, têm sérias dificuldades em tratar a saúde bucal. Esse medo faz com que o indivíduo antecipe situações predominantemente ruins se fizer uma visita ao dentista. Dessa forma, pelo medo de se consultar e sentir desconforto, essa pessoa evita visitar o profissional tanto quanto for possível.

Estima-se que entre 15% a 20% dos pacientes brasileiros têm medo de ir ao dentista. Provavelmente, o estigma dos relatos dolorosos seja um dos problemas que contribui para o afastamento das pessoas no consultório odontológico. Por exemplo, as tão contadas histórias com as agulhas de anestesia que tinham a ponta grossa geralmente estão associadas à dor.

Contudo, os métodos utilizados atualmente pelos dentistas visam a redução do estresse e do medo da consulta. Por isso, mais do que nunca, os pacientes estão bem amparados em relação à sua saúde bucal e nada devem temer.

Causas

O medo de dentista e a ansiedade odontológica costumam ser provocados pelos seguintes fatores:

Dor

As pessoas com fobia de dentista têm como principal argumento o medo de sentir dor durante o atendimento. Talvez esse seja o resultado de experiências desagradáveis em que a tecnologia presente no momento ainda não tão avançada quanto hoje. Dessa forma, sem conhecer o novo padrão, muitas pessoas se afastaram na tentativa de evitar o pior.

Constrangimento

Pessoas cujo estado dos dentes não está em boas condições podem sentir vergonha do dentista. Além disso, a necessidade de aproximação do profissional para fazer a avaliação da boca pode tornar o atendimento constrangedor para muitos.

Desamparo

Ficar numa cadeira de dentista imóvel e pensando no pior pode gerar ansiedade e sensação de desamparo. A verdade é que um paciente precisa seguir as instruções do dentista à risca enquanto o profissional age. Contudo, ficar a mercê de alguém dessa forma pode dar a sensação de desproteção imediata ao visitante.

Experiências negativas

Ter vivido ou ter conhecido pessoas que passaram por atendimentos difíceis com outros dentistas pode ser mais um fator agravante.

Medo dos instrumentos

Há um medo de que os instrumentos utilizados pelo dentista possam causar qualquer lesão nos tecidos da boca.

Cicatrizes

Como você deve imaginar, antes os métodos utilizados pelos dentistas eram muito desconfortáveis. As anestesias, por exemplo, tinham ponta grossa e o medo de dentista já começava com elas. Porém, a tecnologia aperfeiçoou os métodos utilizados e hoje se tornou bem mais confortável visitar o dentista.

Ademais, o medo de dentista é criado também quando os pais ou responsáveis transferem os seus medos para os filhos. Em vista disso, é comum que as crianças com fobia de dentista tenham pais na mesma situação.

Felizmente, os procedimentos estão cada vez melhores, bem como o suporte emocional da equipe de atendimento. A criação de um vínculo entre paciente e dentista contribui diretamente para um atendimento eficaz e pouco indolor.

Sintomas

É comum que qualquer pessoa que tem medo de dentista não queira sentir desconforto ou então descobrir algo grave. Porém fica difícil enxergar o que divide uma ansiedade normal de uma fobia odontológica. No segundo caso, a superação dos medos do paciente pode ser alcançada se houver atenção a sinais como:

  • tensão significativa ou problemas de relaxamento antes da consulta, podendo atrapalhar até o sono;
  • nervosismo ao ver os instrumentos e o jaleco do dentista, sendo possível haver choro no atendimento;
  • nervosismo crescente e angustiante na sala de espera;
  • pânico ou intensa dificuldade em se manter calmo quando os instrumentos são colocados na boca.
Leia Também:  O que é pulsão? Conceito em Psicanálise

Consequências

Infelizmente, indivíduos com medo de dentista estão mais vulneráveis a ter problemas bucais, como perdas no dentes ou doenças. Além disso, o seu lado emocional pode ser afetado, já que a coloração e o desalinhamento dos dentes podem as impedir de sorrir. Com esse problema, essas pessoas terão dificuldades para interagir de forma livre no cotidiano.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Não sendo o bastante, há ainda o risco da pessoa desenvolver doenças graves por conta da saúde bucal ruim. Por exemplo, infecções pulmonares e doenças cardíacas podem surgir se os dentes do paciente não estiverem sadios.

Quando as emoções também precisam de avaliação

A ansiedade odontológica pode se manifestar em diversos níveis quando se observa o medo de dentista das pessoas. Enquanto algumas delas se forçam a ir a uma consulta, outras sequer cogitam a visita ao dentista. Dada à gravidade do medo, esses pacientes podem adoecer ou sentir um mal-estar perto da consulta.

Em vista disso, é preciso trabalhar o estresse emocional experimentado durante o atendimento odontológico. Isso é feito não somente com o dentista, mas também com um terapeuta e o apoio familiar. Isso porque, se o lado emocional do paciente não for trabalhado, dificilmente os seus dentes serão cuidados pelo dentista.

Tratamento

Por mais contraditório que pareça, visitar regularmente o dentista contribui para que o medo da consulta acabe. Dessa forma, a prevenção ajuda as pessoas a cuidarem da sua saúde, permitindo que elas evitem a necessidade de um tratamento complexo depois. Outra forma de lidar com o problema é:

  • buscar um profissional bastante recomendado por conhecidos. Vale visitar pelo menos três dentistas diferentes para fazer uma escolha;
  • decidir que quer abandonar esse medo para cuidar da sua saúde bucal;
  • se possível, ir acompanhado ao dentista. Isso porque ter um amigo ajuda a distrair e relaxar antes da consulta;
  • ir na primeira consulta apenas para conversar, discutindo abertamente sobre os seus medos. Desse modo o profissional saberá com quem está lidando e dará um tratamento adequado para o visitante;
  • combinar sinais com o dentista para o caso de você sentir algum desconforto. Assim, ele poderá parar imediatamente nesses momentos;
  • exercitar a sua respiração quando se sentar na cadeira do dentista para se acalmar e trabalhar a ansiedade;
  • se possível, levar fones de ouvido sem fio para a consulta a fim de ouvir músicas enquanto é atendido;
  • fazer o trabalho de esforço e recompensa. Assim sendo, sempre que você for ao dentista, vá depois a um restaurante ou cinema. Por causa desse tipo de associação benéfica, o seu tratamento odontológico será melhor recebido e tolerado por você.

Considerações finais sobre o medo de dentista

Ter medo de dentista é algo normal e compreensível, mas deve ser trabalhado em prol da sua própria saúde. Muitas pessoas acabam evitando a consulta por temerem dores e desconfortos, idealizando negativamente o tratamento. Em vista disso, é preciso que os pacientes entendam que, quanto mais adiarem essa visita, mais expostos estarão ao desconforto por terem dentes maltratados.

Dessa forma, uma conversa honesta com o dentista, o apoio de amigos e da família e a própria iniciativa em mudar colaborarão para a sua mudança. Saiba que você não precisa ter medo de se expor à transformação, mas sim de enfrentar as sequelas de não se cuidar. Mais do que o sorriso, você pode perder a própria confiança em si mesmo.

Leia Também:  Sonhar com pneu furado: 11 interpretações

Tenha em mente também que o nosso curso online de Psicanálise colabora diretamente para que os alunos percam o medo de dentista. Compreendendo as causas do seu medo, você poderá cuidar da sua saúde mental, se livrando da ansiedade por garantir seu controle emocional. Saiba que a Psicanálise é uma fonte grandiosa de autoconhecimento, te livrando de tudo que pode limitar a sua liberdade e a sua vontade de viver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro + onze =