Análise da Frase: Nada se Perde, Nada se Cria, Tudo se Transforma

Posted on Posted in Psicanálise e Cultura

Lavoisier uma vez disse a frase “Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, e por meio dessas palavras é possível hoje se pôr a pensar bastante sobre o significado dela. Este artigo é uma análise ao mesmo tempo breve e completa sobre essa frase no campo da psicanálise.

Desta forma, Preparei este artigo para analisar profundamente, o significado desta frase de Lavoisier. Continue lendo para descobrir!

Princípios do Universo e da Psicanálise

É indubitável que o universo e a psicanálise seguem alguns princípios básicos, como a origem de fenômenos a partir de transformações e não simplesmente por uma espécie de geração espontânea. As transformações que constituem os fenômenos do universo, e mais especificamente da psicanálise, se mostram como uma das mais encantadoras leis que a regem.

Certamente, quando estudávamos química no ensino médio e conhecíamos os ensinamentos de Antoine Lavoisier, como a famosa frase “Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Achávamos que essa lei se limitaria à química ou ao estudo da energia.

Dizer que nada se cria, tudo se transforma é reconhecer que a física não aceita a criação espontânea de matéria e de vida. Transpondo a ideia para a mente humana, podemos dizer que tudo se transforma em nossas vidas. Uma experiência de vida incorpora-se à nossa trajetória, não como aconteceu, mas como a interpretamos.

Hoje, como somos pessoas que naturalmente ampliam a visão de mundo e interpretação da realidade, constatamos que essa lei da transformação sempre regeu nossa vida desde a nossa fecundação no óvulo de nossas mães.

Isto é, a nossa própria fecundação já se mostra a transformação inicial das nossas vidas. E, talvez, como uma das mais belas. Após isso, podemos constatar que até o momento de nossa morte, a vida é regida por transformações tanto no âmbito material quanto na psique. Transformações essas que muitas vezes servem para explicar como cada um de nós funciona.

Sobre as Transformações Físicas e Psíquicas

No âmbito material, constatamos que as transformações físicas que vão desde o espermatozoide até a formação completa de um ser humano adulto. Na esfera psíquica:

  • Nada se perde: nosso inconsciente pode recalcar conteúdos, mas isso não significa que eles desapareceram. O recalcamento é uma forma que a mente usa para inibir que lembranças negativas ocupem nossa consciência.
  • Nada se cria: nossas crenças, valores, medos e desejos são resultados de nossa cultura, nossa formação, nossa ideologia, nossas vivências.
  • Tudo se transforma: um trauma inconsciente pode se transformar em um sintoma ou em um medo, que a terapia psicanalítica pode ajudar a trazer à tona e elaborar conceitualmente. Aquele recalcamento de que falamos pode se transformar em sintoma, manifestando-se na forma de algum íncomodo físico ou mental, como angústias e ansiedades.

Podemos observar primeiramente que no início, apresentamos uma estrutura psíquica. Mas após nossa formação completa como seres humanos adultos apresentamos outra completamente diferente, apesar de termos ainda traços das nossas estruturas psíquicas passadas.

Além disso, as relações humanas e nossos próprios acontecimentos internos mostram que têm como princípio básico a transformação. E isso por si só diz muito respeito à frase. Duas pessoas se conhecem, percebem a existência de uma empatia mútua e se tornam amigas. Ora, como pode?

No caso, pode-se dizer que eram pessoas que não se conheciam e mal tinham poder de interferir significativamente no estado emocional uma da outra, mas agora se transformaram em amigas e são capazes disso, já que agora ambas desenvolveram um grau de importância mútua. E este é um exemplo muito simples e que ocorre diariamente com qualquer pessoa.

As leis que regem as emoções

Analogamente, podemos constatar, ao realizar uma observação cuidadosa, que estamos sujeitos a transformações que se iniciam internamente e terminam sendo exteriorizadas.

Que exemplo melhor disso, senão as emoções? Certamente, as leis que regem as emoções podem muito bem ser comparadas às que regem as leis que negam a criação ou perda de qualquer tipo de energia.

A Presença da frase de Lavoisier nos Dias Atuais

Um exemplo que contribui para a justificação da frase de Lavoisier é sobre o funcionamento de um carro. Para um automóvel andar, ele primeiramente utiliza energia química proveniente do combustível que o alimenta.

Então, a energia química do combustível é transformada em energia de combustão pela queima do mesmo e, por último, quando o carro se movimenta, constatamos a transformação em energia cinética (de movimento).

Da mesma forma, as emoções que vivemos, que se originam por fatores externos ou internos, tendem a sempre se exteriorizar no plano somático. E podem muito bem ser comparadas a transformações de energia que ocorrem para um carro poder se movimentar.

Uma pessoa que sente medo não simplesmente experimenta a emoção do medo internamente. Pois, por mais que ela não perceba, tal emoção gerou uma série de reações corporais, como calafrios, aceleração do ritmo cardíaco, liberação de adrenalina, deslocamento do sangue para as regiões das coxas (preparando para uma possível fuga), arrepios, boca seca, respiração ofegante, olhos abertos mais do que o normal e tremedeira.

Muitos outros sintomas físicos podem ser derivados do medo ou de outras emoções, pois há uma ligação entre corpo e psique.

Exteriorização das Emoções

Inquestionavelmente, tanto as emoções como os pensamentos que temos acabam por ser exteriorizados, e na maioria das vezes tal exteriorização é alinhada com a emoção ou o pensamento para que os objetivos dos mesmos sejam alcançados ou para que possamos nos defender daquilo que nos desagrada.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ


Da mesma forma, ao estudarmos psicanálise, constatamos a existência do inconsciente, e assim vemos mais uma vez uma série de transformações que envolvem a função desta parte tão curiosa e linda do nosso aparelho psíquico.

O Consciente Palpável, e o Oposto

Sem dúvida, o inconsciente não é palpável, pois trata-se de um tipo de ambiente constituído por conteúdos que não estão presentes no nível consciente, considerado acessível. Eles são mantidos reprimidos para evitar o nosso próprio sofrimento. Além disso, o inconsciente dispõe de leis próprias, por exemplo, a comunicação através de imagens mnêmicas (lembranças).

Desse modo, ao estudar tais repressões ao nível inconsciente, podemos ver com mais clareza transformações que podem muito bem ser comparadas às citadas anteriormente. Um dos grandes exemplos disso é a origem do trauma e como é a vivência dele no cérebro de uma pessoa.

Exemplo do Trauma

Com certeza, um trauma é um ótimo exemplo disso, já que quando ele se origina há uma transformação da energia da emoção em sintomas no plano somático, demonstrando maestria na missão desempenhada pela conexão entre o corpo e a alma, desempenho isto com o objetivo de libertar de alguma forma toda a angústia reprimida ao nível inconsciente.

A origem do trauma se dá pela separação entre o afeto e a lembrança, e tal separação pode ocorrer quando, por exemplo, em uma situação extremamente desagradável, o indivíduo não descarrega o afeto diante daquela situação e assim origina o trauma.

Então, a lembrança fica recalcada ao nível inconsciente e o afeto é descarregado no plano somático (físico). As chamadas doenças psicossomáticas são conhecidas por esse nome porque têm origem na mente mas descarregam sintomas físicos gerados pela repressão inconsciente.

A transformação descrita na frase de Lavoisier é bastante interessante. Em síntese, verificamos que as transformações em nossas vidas, tanto no plano material como no plano da alma, não acontecem por acaso, sempre vindo com um propósito. No plano material, geralmente tem o objetivo de nos ajudar a evoluir fisicamente, e no plano da alma de nos afastar do sofrimento.

O Que mais Você Gostaria de saber?

Lembre-se que a repressão no plano da alma nos livra do sofrimento da lembrança, mas não escapamos do descarregamento do afeto no plano somático. Se você achou este artigo interessante e gostaria de saber mais sobre a Psicanálise. Confira o nosso curso de Formação em Psicanálise 100% online e desfrute do melhor que esta área pode te oferecer. Até a próxima!

Este artigo foi escrito pela equipe Psicanálise Clínica, com a colaboação de João Gabriel Lopes Antoniassi.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + nove =