o que é psicanálise perspectivas

O que é Psicanálise? Saiba tudo Através de Três Perspectivas Simples

Posted on Posted in Curso de Psicanálise, Teoria Psicanalítica

Você sabe o que é psicanálise? Apesar de parecer complexo, esta é uma pergunta que pode ser respondida a partir de três abordagens simples. Continue lendo para saber quais são elas!

Em primeiro lugar, é um método investigativo. Em segundo lugar, é um método terapêutico ou clínico. E, em terceiro lugar, é uma forma nova de abordar o ser humano, a cultura e a sociedade. Vejamos com detalhes quais são essas três abordagens.

Enquanto conceito, pode-se dizer que a Psicanálise articula-se como um campo de saber, um constructo teórico e prático. Ela investiga as diversas áreas de fazer/saber humano. Historicamente o termo foi cunhado por Sigmund Freud, médico vienense inserido no contexto sócio-histórico do século XIX. Pode-se dizer que a Psicanálise divide-se em três abordagens.

Primeira Perspectiva: Um Método Investigativo

Num campo/método investigativo sobre os processos inconscientes dos gestos, das palavras, dos delírios, das parapraxias; a tudo aquilo que escapa ao sujeito, a tudo aquilo que escorrega da tão famigerada ideia de consciência.

Para tal método, acredita-se que é na associação livre de ideias, ou gestos que o sujeito do inconsciente vem à tona. Ou seja, justo nisso que escapa ao campo de interesse e de pesquisa das Psicologias regidas pelo cogito cartesiano, como:

  • atos falhos
  • lapsos de memória
  • a ideia de erro

Na ideia de erro pode ser ao tocar uma nota indevida que revela o possível não-dito, mas está sempre presente.

Segunda Perspectiva: Um Método Terapêutico

Um método de psicoterapia baseado nesse pressuposto do inconsciente, que investiga acerca do desejo do sujeito, suas resistências. Soletra a sua relação transferencial com o analista a partir do seu contexto passado-presente.

Nesse processo pode-se dizer que a Psicanálise conta com uma arma fundamental: a escuta. Assim ela proporciona ao sujeito um ambiente onde todo o seu conteúdo inconsciente possa revelar-se e ser descoberto no processo.

Só é possível a partir de uma escuta que admita todos os matizes, às vezes contraditório, do ser-fazer Barroco. Freud em seus escritos demonstra o seu empenho e, tenta captar e permitir-se visitar a fantasia dos seus analisandos.

Todavia, o mesmo alertava para que essa escuta não fosse confundida com um fazer puramente discriminativo, calcificado. Sendo assim, aponta a importância de conciliar o comprometimento com a narrativa do outro com uma Atenção Flutuante:

“Não devemos atribuir uma importância particular a nada daquilo que escutamos, sendo conveniente que prestemos a tudo a mesma atenção flutuante.

Terceira Perspectiva: Uma Nova Forma de Abordar o Ser Humano, a Cultura e a Sociedade

Como um conjunto de teorias psicanalíticas e também psicopatológicas. Pode-se dizer que a “verdade” da Psicanálise não se inscreve como um algo rígido, imutável, inquestionável. Através de historiadoras como Elisabeth Roudinesco é possível perceber como a história da Psicanálise foi marcada por debates, conflitos e “reformulações” teóricas.

Ou seja, a partir dos pressupostos Freudianos, nesse aspecto é essa “autonomia” e esse desejo de Saber dos teóricos que possibilitam a vivacidade desse campo de saber.

A Psicanálise se entrelaça a outros tantos outros campos, como:

  • Filosofia
  • Música
  • Pintura
  • Educação
  • Literatura
  • Sociedade
  • Política
  • Comportamento

Um trabalho Artesanal a Partir de Três Abordagens Teóricas

No processo de construção e estruturação do monumento que é a Psicanálise, Freud a partir dos contatos com Charcot e Breuer desenvolveu um trabalho artesanal. Isso envolveu um corte e costura das três abordagens teóricas e práticas da sua obra.

1. Compreensão do Aparelho Psíquico

O primeiro modelo topográfico diz respeito aos elementos que compõem o aparelho psíquico inicialmente dividido em: Inconsciente, Pré-consciente e Consciente. Assim, são três partes de um todo que dialogam entre si.

2. Reflexão sobre a própria Psicanálise

Posteriormente Freud acopla a sua edificação o segundo modelo topográfico, adicionando os conceitos de Isso, Eu e Supereu (na tradução do português de Portugal) ou Id, Ego e Superego. Nesse sentido toda a metapsicologia freudiana vai ganhando corpo, revelando a criatividade e o incansável desejo de Saber do seu autor. Esse autor não se cansou de reformular seus pontos de vistas acerca da aparelhagem e dos fenômenos do psiquismo.

3. Hermenêutica e interpretação da cultura e da sociedade

Mas a Psicanálise também tem a perspectiva do olhar para fora de si. Pode-se dizer que a Psicanálise inscreveu-se desde o seu princípio até a atualidade como um campo de saber marcado pela subversividade. Imaginar que no século XIX um médico neurologista balançaria a aparente solidez da sociedade vienense é quase utopia.



Ele trazia a tona conceitos como Sexualidade Infantil e pulsão de Morte. Isto é, não cansou de nos surpreender, haja vista o sublinhado retrocesso vivenciado nas diferentes camadas das grandes sociedades na contemporaneidade.

Leia Também:  Conceito de Psicanálise

Das Três Abordagens à Introdução da Criança no Desenvolvimento Psicossexual

Apesar do incansável trabalho de Freud e de dos posteriores psicanalistas de incluir a criança enquanto sujeito, é intrigante como a sua teoria do desenvolvimento psicossexual é ainda deturpada e erroneamente interpretada nos diversos campos da sociedade.

Além disso, nos campos de “ensino”. Espalham-se difamações a Psicanálise, essa tida enquanto “hiper centrada” na sexualidade, ao ponto de perceber a sexualidade em crianças. Tal tipo de discurso só revela o desconhecimento da própria elaboração conceitual acerca da ideia de sexualidade para Freud.

Assim, denuncia um olhar sobre o tema que traz como marca o conceito de formação reativa.

No meu ponto de vista é a partir do conceito de Pulsão de Morte que Freud eleva ao extremo a subversão da Psicanálise. Tendo confrontado o ideal iluminista através da verdade do Inconsciente Freud propõe que para além de uma Pulsão de Vida que busca conservar as unidades vitais, a autopreservação, existiria uma força que anseia a destruição das unidades vitais.

Isto é, a redução radical das tensões e o retorno ao estado inorgânico, estado esse de suposto repouso absoluto.

Conclusão

É nesse sentido que percebo a Psicanálise, formada através de três abordagens, inscrita como um saber que dialoga com o período Barroco. Esse suporta os contrastes que compõem o fazer-ser humano. Além disso, sem se render aos encantos de uma moral que normatiza e calcifica os seres.

Artigo escrito por Gabriel Vargas, exclusivamente para este blog do Curso de Formação em Psicanálise. Deixe seu comentário, dúvida ou sugestão abaixo.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 4 =