O que é autismo? Saiba tudo sobre este transtorno

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

O autismo é uma condição neurocomportamental complexa. Assim sendo, inclui deficiências na interação social e habilidades de linguagem e comunicação de desenvolvimento combinadas com comportamentos rígidos e repetitivos. Dessa forma, por causa da variedade de sintomas, esta condição é agora chamada de transtorno do espectro do autismo (TEA).

Assim, abrange um amplo espectro de sintomas, habilidades e níveis de deficiência.

Problemas provocados pela síndrome

Comunicação

Algumas crianças com autismo têm dificuldade para se comunicar. Dessa forma, elas têm problemas em entender o que as outras pessoas pensam e sentem. Isso torna muito difícil para que eles se expressem com palavras ou através de gestos, expressões faciais e toques.

Sensibilidade

Nesse contexto, uma criança com autismo que é muito sensível pode ficar muito perturbada – às vezes até mesmo com dor. Isso por causa de sons, toques, cheiros ou visões que parecem normais aos olhos de outras pessoas. No entanto, para os autistas, são percebidas com muito mais intensidade.

Movimentos

As crianças autistas podem ter movimentos corporais repetitivos e estereotipados, como balançar, andar de um lado para o outro ou agitar as mãos. Ademais, elas podem ter respostas incomuns a pessoas, apegos aos objetos, resistência a mudanças em suas rotinas ou comportamento agressivo.

Percepção

Às vezes, eles podem parecer não notar pessoas, objetos ou atividades em seus arredores.

Convulsões

Algumas crianças com autismo também podem desenvolver convulsões. No entanto, em alguns casos, essas convulsões podem não ocorrer até a adolescência. Assim sendo, é necessário estar sempre atento para evitar consequências fatais.

Cognição

Algumas pessoas com autismo são cognitivamente prejudicadas em certo grau. Assim, em contraste com o comprometimento cognitivo mais típico, que é caracterizado por atrasos relativamente homogêneos em todas as áreas de desenvolvimento, as pessoas com autismo apresentam desenvolvimento de habilidades desiguais.

Relacionamentos

Indivíduos autistas podem ter problemas em certas áreas, especialmente a capacidade de se comunicar e se relacionar com os outros. No entanto, eles podem ter habilidades incomumente desenvolvidas em outras áreas.

São exemplos o talento para desenhar, criar música, resolver problemas de matemática ou memorizar fatos. Por essa razão, eles podem testar mais – talvez até na faixa média ou acima da média – em testes de inteligência não-verbal.

Sintomas do autismo

Os sintomas do autismo geralmente aparecem durante os primeiros três anos de vida. Algumas crianças mostram sinais desde o nascimento. No entanto, outros parecem desenvolver-se normalmente no início, apenas para escorregar de repente para os sintomas quando têm 18 a 36 meses de idade.

Contudo, agora é reconhecido que alguns indivíduos podem não apresentar sintomas de um distúrbio de comunicação até que as exigências do ambiente excedam suas capacidades.

Nesse contexto, é importante mencionar que autismo é quatro vezes mais comum em meninos do que em meninas. Além disso, não conhece fronteiras raciais, étnicas ou sociais. Renda familiar, estilo de vida ou níveis educacionais não afetam a chance de uma criança ser autista.

Ademais, discute-se o fato de que o autismo parece estar aumentando. No entanto, não está totalmente claro se o aumento está relacionado a mudanças na forma como é diagnosticado ou se é um aumento real na incidência da doença.

Como mencionamos anteriormente, o autismo é uma síndrome que agora se enquadra no título de transtornos do espectro do autismo. Assim, transtornos anteriores que agora são classificados sob o diagnóstico da TEA ou um distúrbio de comunicação social incluem:

Transtorno autista

É nisso que a maioria das pessoas pensa quando ouve a palavra “autismo”. Refere-se a problemas com interações sociais, comunicação e brincadeiras imaginativas em crianças menores de 3 anos.

Síndrome de Asperger

Essas crianças não têm problemas com a linguagem – na verdade, elas tendem a pontuar na faixa média ou acima da média em testes de inteligência.  Contudo, esses indivíduos têm os mesmos problemas sociais e escopo limitado de interesses que as crianças com transtorno autista.

Transtorno invasivo do desenvolvimento ou TID

Também é conhecido como autismo atípico. Este é um tipo de categoria abrangente para crianças que têm alguns comportamentos autistas, mas que não se encaixam em outras categorias.

Transtorno desintegrativo da infância

Essas crianças desenvolvem-se normalmente por pelo menos dois anos. No entanto, depois perdem um pouco ou a maior parte de suas habilidades sociais e de comunicação. Este é um transtorno extremamente raro e sua existência como uma condição separada é uma questão de debate entre muitos profissionais de saúde mental.


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ


Síndrome de Rett

Anteriormente caiu sob espectro de TEA, mas agora é confirmado que a causa de Rett é genética. Assim, não está mais sob as diretrizes da TEA. Crianças com síndrome de Rett, principalmente meninas, começam a se desenvolver normalmente, mas depois começam a perder suas habilidades sociais e de comunicação.

Começando com 1 a 4 anos de idade, os movimentos repetitivos das mãos substituem o uso intencional das mãos. Ademais, crianças com síndrome de Rett geralmente são severamente prejudicadas cognitivamente.

O que causa o autismo?

Como o autismo ocorre nas famílias, a maioria dos pesquisadores acredita que certas combinações de genes podem predispor a criança ao autismo. Contudo, existem fatores de risco que aumentam a chance de ter um filho com autismo. A idade avançada da mãe ou do pai parece aumentar a chance de uma criança autista também.

Nesse contexto, quando uma mulher grávida é exposta a certos medicamentos ou produtos químicos, é mais provável que seu filho seja autista. Esses fatores de risco incluem o uso de álcool, condições metabólicas maternas, como diabetes e obesidade, e o uso de drogas anticonvulsivas durante a gravidez.

Em alguns casos, o autismo tem sido associado à fenilcetonúria não tratada (um distúrbio metabólico inato causado pela ausência de uma enzima). Além disso, há também uma associação com a rubéola (sarampo alemão).

No entanto, embora algumas vezes seja citada como causa de autismo, não há evidências de que vacinas causem autismo.

Assim sendo, não são claras as razões pelas quais o autismo acomete uma criança. Pesquisas sugerem que pode surgir de anormalidades em partes do cérebro que interpretam a entrada sensorial e a linguagem de processo.

No entanto, os pesquisadores não têm evidências de que o ambiente psicológico de uma criança – por exemplo, como os cuidadores tratam a criança – cause o autismo.

Os sintomas em uma casca de noz

Comportamental: interação social inadequada, contato visual inadequado, comportamento compulsivo, impulsividade, movimentos repetitivos, autoflagelação ou repetição persistente de palavras ou ações;

Desenvolvimento: dificuldade de aprendizagem ou atraso na fala de uma criança;

Cognitivo: interesse intenso em um número limitado de coisas ou problema prestando atenção;

Psicológico: inconsciente das emoções;

Também é comum: ansiedade, mudança na voz, sensibilidade ao som e TOC.

O que fazer ao suspeitar que uma criança tem autismo

Assim que há uma suspeita, é importante informar ao pediatra qualquer tipo de anormalidade, uma vez que ele irá encaminhar a pessoa para que o psiquiatra avalie o caso. Assim, feito o diagnóstico, essa criança terá que fazer tratamento com médico, psicoterapeuta,fisioterapeuta, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional, os quais indicam terapias específicas para cada paciente.

O tratamento não leva a cura, mas favorece um desenvolvimento melhor da comunicação e interação visual. Isso, por sua vez, consequentemente leva a uma melhor qualidade de vida do paciente e também da família.

Nesse contexto, recomendamos nosso curso na área de psicanálise para que você aprenda mais sobre o autismo. É aprendendo mais sobre o transtorno que você poderá atuar na vida de indivíduos autistas a partir da terapia psicanalítica. Para quem não quer ser psicanalista e clinicar, o conhecimento pode ser aplicado em sua vida pessoal. Temos certeza de que entes queridos com autismo se beneficiarão de tudo o que você aprenderá.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!
  •  
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + quatro =