O que é Esquizofrenia Paranoide? Conceito e dicas

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

As pessoas, em geral, não conhecem a esquizofrenia. Muitos cultivam ideias equivocadas sobre esse transtorno mental e o resultado disso é a manutenção de preconceitos na sociedade. Iremos compartilhar algumas informações sobre a esquizofrenia paranoide para que você entenda a doença e esteja pronto para lidar com ela, caso seja necessário.

O que é a esquizofrenia paranoide

O termo “esquizofrenia” é uma palavra criada pelo psiquiatra suíço Eugen Bleuler para nomear a ruptura do eu que ocorre nas pessoas acometidas por essa doença. Nesse sentido, as alucinações e os delírios são sintomas da doença que se constituem tentativas de recompor essa unidade perdida. Por essa razão, os pensamentos de um esquizofrênico normalmente estão dissociados da realidade.

Sintomas da doença

Sobre os sintomas desse transtorno mental, é necessário afirmar que ele são categorizados como negativos ou positivos assim como todos os outros tipos de esquizofrenia.


Os sintomas positivos sinalizam a existência, no esquizofrênico, de atividades mentais descomuns em pessoas sãs. No caso da esquizofrenia paranoide, as alucinações são um exemplo. Elas são percepções irreais, que podem ser olfativas, visuais, auditivas ou táteis. Também é comum que o doente delire, acreditando em situações que só existem em sua cabeça.

Já os sintomas negativos indicam a ausência, nas pessoas esquizofrênicas, de características percebidas em pessoas sãs. No caso da esquizofrenia paranoide, é comum que os doentes manifestem certa apatia com relação aos seus sentimentos.

Causas da esquizofrenia

Quanto às causas dessa doença, elas ainda não são totalmente conhecidas. No entanto, sabe-se que o desenvolvimento da doença é condicionado por fatores genéticos e ambientais.

Assim, a probabilidade de uma pessoa ter esquizofrenia pode aumentar quando ela tem um parente que tem a doença. Além disso, também é possível que problemas no parto sejam fatores influenciadores.

Tratamentos da esquizofrenia paranoide

É importante destacar que a doença não tem cura, mas existem tratamentos que são eficazes para integrar o esquizofrênico ao convívio social e auxiliá-lo a ter qualidade de vida. Eles devem ser realizados durante toda a vida do doente.

É comum que os primeiros a perceberem a necessidade de tratamento sejam os familiares e amigos do esquizofrênico, já que ele tende a não perceber o seu problema por ter uma apreensão incorreta da realidade. Por essa razão, o apoio dessas pessoas é fundamental.

O uso de medicamentos é a forma principal de tratar a esquizofrenia paranoide. Dentre eles, destacam-se os neurolépticos, os ansiolíticos e os antipsicóticos. No entanto, também é possível recorrer à psicoterapia e à terapia de apoio para reabilitar o doente.

Como lidar com a esquizofrenia paranoide

Essa é uma doença que acomete 1% da população mundial. É provável que você não conheça ninguém que seja esquizofrênico. Porém, é sempre importante estarmos prontos para acolher esse tipo de pessoa caso ela apareça na nossa vida. A fim de te ajudar a se informar, selecionamos algumas dicas de como lidar com pessoas com esse transtorno mental.

Se informe

Sim! Estamos aqui reafirmando a necessidade de você conhecer as características da doença. Isso porque a ignorância ainda é uma das maiores causas para tratamentos que não dão certo ou para a propagação de mitos na sociedade. Assim, se você quer contribuir para a melhora da qualidade de vida de um esquizofrênico, comece a buscar entender o mundo dele.

Conhecer os sintomas da doença é importante porque esse é o meio de identificar a existência da esquizofrenia. Não existem exames laboratoriais que identificam se uma pessoa é esquizofrênica ou não. Por isso é necessário estar atento aos indícios.

Certamente, uma pessoa que está tendo alucinações ou está delirando não está necessariamente usando drogas. Porém, para você oferecer a ajuda correta tanto para um esquizofrênico quanto para um dependente químico, você precisa entender quais são os sintomas que indicam a existência de um problema, além de saber como ajudar essa pessoa.

Um dos grandes mitos que envolvem a doença é a afirmação de que o esquizofrênico é violento. A verdade é que as pessoas que têm a doença podem ficar agressivas quando não realizam o tratamento adequado. Assim, se o doente fuma ou usa drogas, a probabilidade de ele ter surtos psicóticos é maior. Caso o contrário, não há razões para diferenciar um esquizofrênico de uma pessoa sã quanto à sua agressividade.

Além disso, também é necessário combater a ideia de que um esquizofrênico precisa ficar internado. Esse procedimento só deve ser aplicado em casos de indicação médica. Nas demais situações, indica-se que o doente realize o tratamento para a esquizofrenia, não havendo a necessidade de internação.

Leia Também:  Psicoterapia e seus 10 principais tipos

Cuidado com o suicídio

Esse é um tema que não deve ser negligenciado pelas pessoas que convivem com um indivíduo esquizofrênico. Nem todos os doentes tentam se matar, mas a depressão é um problema que ronda o universo da esquizofrenia e é necessário estar atento a isso. O tratamento da depressão é realizado por meio de medicamentos, da psicoterapia e da terapia ocupacional.

Assim como em qualquer caso de depressão, é necessário que o paciente seja encaminhado para um profissional, que fará o diagnóstico correto e indicará o melhor tratamento. Dessa forma, se você perceber que o esquizofrênico está com humor deprimido e que ele dá mostras de desesperança e autodepreciação, não exite em encaminhá-lo à ajuda médica.

As alucinações auditivas também podem estar diretamente ligadas ao suicídio. Existem relatos de pessoas esquizofrênicas que afirmam terem ouvido vozes mandando que elas se matassem. O tratamento da doença é a melhor forma de evitar que casos como esse sejam recorrentes.



Participe de grupos de apoio

Se você tem uma pessoa esquizofrênica na sua família, vale a pena pensar em participar de grupos de apoio à família. Isso porque o momento de conversa pode ajudar muitas pessoas a entenderem como aumentar a qualidade de vida do doente.

Além disso, o ambiente propicia a troca de experiências entre pessoas que passam por dificuldades semelhantes. Essa interação pode ser fundamental para diminuir o estresse da vida delas e aumentar a esperança de que os doentes terão uma boa recuperação.

Agora que você já conhece as principais características da esquizofrenia paranoide, além de estar munido de dicas de como lidar com ela, não permita que informações falsas sejam difundidas. Combata sempre o preconceito e, caso você tenha a oportunidade, respeite e acolha o indivíduo esquizofrênico.

Essa é a melhor forma de você contribuir para que ele tenha melhor qualidade de vida e ajudar a sociedade a se preparar para lidar com a doença.

Esquizofrenia paranoide e psicanálise

Diante da necessidade de informação que nós já mencionamos, é importante apresentar soluções efetivas para lidar com a esquizofrenia paranoide. Nesse contexto, destaca-se o papel da psicanálise, principalmente com relação às terapias de grupo e individuais no caso do doente.

Assim sendo, aprenda mais sobre o tema em nosso curso EAD. Além de apresentar informações sólidas que podem ajudar na compreensão de casos íntimos à sua família, você receberá um certificado que te habilita para ser um psicanalista de fato. Dessa forma, seja com relação à esquizofrenia paranoide ou qualquer outro transtorno, o nosso curso pode ajudar. Confira mais informações sobre ele clicando aqui!

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *