Você sabe o que é tripofobia? É o medo exagerado de buracos. Então, confira o nosso post para saber mais sobre esse assunto.

O que é Tripofobia: sintomas e formas de tratar

Posted on Posted in Fobias

Você sabe o que é tripofobia? Esse é o medo exagerado de buracos. Assim como qualquer outra fobia, ela apresenta alguns sintomas e tratamentos. Então, confira o nosso post para saber mais sobre esse assunto.

O que é tripofobia humana?

Antes de mais nada, precisamos entender mais sobre o que significa tripofobia. Por isso, saiba que o termo é utilizado para as sensações de medo ou aversão ao ver imagens ou objetos que tenham buracos. Entretanto, esses buracos são específicos, tais como:

  • favos de mel;
  • romãs;
  • morangos;
  • vagens de semente de lótus;
  • corais e outros elementos marinhos.

Contudo, vale ressaltar que esse medo é inconsciente. Ou seja, isso ocorre só pelo simples fato de ver tais imagens. Às vezes, para algumas pessoas, o simples ato de pensar nessas imagens já aciona a tripofobia.

A origem da palavra tripofobia

Para entender melhor, segundo o dicionário online Dicio, tripofobia vem do grego:

  • tripo: do grego “trypa” significa buraco;
  • fobia: significa medo exagerado ou pavor de alguma coisa.

Porém, a palavra tripofobia não é um termo científico. Isso porque essa fobia não é classificada como um transtorno mental. Isso, segundo o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V). Contudo, não devemos descartar os milhares de relatos das pessoas. Pois, muitas dizem sofrer muito só com ao ver imagens com buracos.

Por que as pessoas têm essa fobia?

Embora não haja muitas pesquisas realizadas sobre o tema, muitos pesquisadores se baseiam nos relatos apresentados. Assim, os estudiosos acreditam que essa fobia esteja relacionada com à sobrevivência. Ou ainda, a uma forma de se defender de doenças parasitárias ou contagiosas.

Aliás, como qualquer outra fobia, a tripofobia pode estar ligada a alguns fatores. Sendo eles:

  • genéticos;
  • ambientais;
  • eventos negativos relacionados a uma situação;
  • experiências traumáticas vivenciadas na infância.

Qual é a diferença entre a fobia e o medo?

Nesse sentido, vale a pena tratar da diferença entre a fobia e o medo. Assim, o medo é uma emoção primária de adaptação do homem. Em especial quando está em situações de ameaça ou perigo. Portanto, esse estado emocional é algo universal. Ou seja, todos os indivíduos passam por isso em algum momento da vida.

Já a fobia mistura várias emoções, como medo e ansiedade. Logo, esse medo é angustiante, não só quando o objeto está presente, mas também quando não há perigo real. Então, a principal diferença entre o medo e a fobia é a intensidades dos sentimentos. Além disso, há consequências negativas para a vida da pessoa no dia a dia.

O que é tripofobia: sintomas

Agora que já sabemos o significado de tripofobia, falaremos sobre os sintomas. Contudo, vale ressaltar que quando a pessoa com essa fobia vê objetos que têm pequenos furos, ela já apresenta alguns desses sinais. Aliás, se estes formatos estiverem na pele humana, os sintomas são amplificados.

Assim, um tripofóbico fica com medo, aversão e nojo. Por isso, outros sinais apresentados são:

  • arrepios;
  • coceira;
  • suor:
  • angústia;
  • desconforto;
  • náusea;
  • calafrios.
Leia Também:  Homofobia no campo psicanalítico

Por fim, algumas pessoas têm sintomas mais graves, como aceleração dos batimentos cardíacos. Além de ansiedade e até ataques de pânico.

O diagnóstico da tripofobia

Assim como qualquer outra fobia, o diagnóstico da tripofobia é realizado por um profissional da saúde. Nesse sentido, os psicólogos e os psiquiatras podem fazer esse reconhecimento.

De modo geral, na consulta é realizada uma análise dos sintomas apresentados pelos pacientes. Aliás, fatores como histórico médico e psiquiátrico também são levados em consideração na hora do diagnóstico.

O que é tripofobia: tratamento do transtorno

Por não ser uma condição reconhecida pela medicina, não há um tratamento específico para essa fobia. Entretanto, em casos graves é recomendado o uso de medicação para o controle da ansiedade. Além dessa medida, é necessário um acompanhamento psicoterapêutico.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Ademais, outra preocupação é para que a pessoa não desenvolva outros transtornos. Como veremos a seguir:

    • ansiedade generalizada;
    • depressivo maior;
    • ansiedade social.

    Portanto, de forma resumida, o tratamento para a tripofobia consiste em alinhar algumas técnicas. Confira!

    Terapia gradual de exposição

    Esse tipo de tratamento consiste em expor a pessoa ao contato com imagens de repulsa. Então, o processo começa de maneira gradual e orientada, para que o paciente aprenda a controlar o medo. Aliás, isso é feito com muito cuidado para que não cause traumas. Por isso, essa terapia deve ser realizada sempre com profissionais qualificados.

    Embora para algumas pessoas achem que a terapia gradual de exposição é assustadora, este processo ajuda muito aqueles que têm fobias. Afinal, o psicólogo sabe guiar a pessoa por meio de níveis crescentes de exposição e ensinando-a praticar exercícios de relaxamento.

    Ansiolíticos e antidepressivos

    Antes de mais nada, é preciso fazer um alerta importante. Assim como qualquer outra medicação, os antidepressivos e os ansiolíticos devem ser ministrados segundo orientações médicas. Assim sendo, esse tipo de medicação visa amenizar alguns sintomas da tripofobia.

    Isso porque os antidepressivos controlam os sinais de medo exagerado e de ansiedade. Já os ansiolíticos são usados para controlar os sintomas do pânico. Dessa maneira, os psiquiatras têm autonomia para decidir que tipo de medicamento será mais eficaz para ajudar o paciente.

    Psicoterapia

    A psicoterapia trabalha as questões pessoais do paciente para controlar o medo. Além dos sintomas dessa fobia. Logo, esse processo ocorre por meio da terapia realizada com um psicólogo. Nesse sentido, o tratamento por meio da psicoterapia tem duração variável. Já que tudo irá depender do organismo de cada paciente e da sua força de vontade para continuar se tratando.

    Como a psicanálise pode ajudar no tratamento de fobias?

    A psicanálise acredita que a fobia é como uma consequência dos problemas do nosso inconsciente. A propósito, esse medo exagerado está relacionado com quadros de ansiedade e angústia. Desse modo, Freud, considerado o pai da psicanálise, escreveu uma teoria sobre o desenvolvimento das fobias.

    Segundo ele, as suas manifestações de fobias eram semelhantes as encontradas em quadros de histeria e neurose. Por fim, para a psicanálise, a fobia pode ser uma consequência de vários sentimentos. Tais como desejo retraído e culpa. Ainda, a outros traumas relacionados à situações que apenas o inconsciente percebeu.

    Por isso, a psicanálise é uma linha ideal para auxiliar as pessoas. Isso porque ajuda a lidar com seus próprios conflitos. Além de deixar para trás os sintomas desses transtornos.

    Leia Também:  Fobia de Palhaço: o que é, quais as causas?

    Considerações finais sobre o que é tripofobia

    Como podemos ver, a tripofobia é um medo irracional de buracos ou de imagens com esse formato. Entretanto, saber sobre esse transtorno e reconhecer os sintomas são os primeiros passos para o tratamento. Por isso, ter o conhecimento é algo muito importante para todos.

    Assim, para te ajudar a desenvolver seus conhecimentos, temos uma dica especial: nosso curso online de Psicanálise Clínica. Desse modo, com as nossas aulas, você compreenderá melhor sobre o que é tripofobia e outros traumas da mente humana. Assim, você poderá clinicar em apenas 18 meses. Por isso, não perca tempo e se inscreva agora mesmo!

     

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *