usos da psicanálise

Conceitos principais e usos da psicanálise

Posted on Posted in Psicanálise

No intuito de refletir sobre para que serve a Psicanálise, ou quais os usos da Psicanálise, buscaremos apresentar sua definição, sua origem nos estudos de Freud, seu papel como ferramenta política, para, então problematizar sua serventia social.

Definição e usos da Psicanálise

A Psicanálise pode ser definida a partir de três eixos explicativos:

  1. Um método investigativo.
  2. Um método terapêutico.
  3. Um campo de conhecimento teórico e prático.

Estes eixos são indissociáveis pois eles se correlacionam, se sobrepõem e se produzem diretamente.

Assim, podemos dizer que a Psicanálise é um método de investigação, um método terapêutico e um campo de conhecimento sobre os aspectos inconscientes que determinam a subjetividade humana e sobre os desejos enquanto operadores deste inconsciente.

Método investigativo e os usos da Psicanálise

O primeiro eixo que explica a Psicanálise, propõe que ela seja um método de investigação, de compreensão e de explicação dos fenômenos inconscientes da subjetividade, da vida psíquica.

Método esse que também busca investigar como os desejos do indivíduo influenciam em seu funcionamento na sociedade.

Método terapêutico

O segundo eixo trata da Psicanálise como um método psicoterapêutico para as afecções inconscientes do desejo.

A terapia ocorre por meio de um processo construtivo de análise, onde o psicanalista e o analisando empreendem um esforço conjunto para entender os mecanismos inconscientes que estejam gerando sofrimento, transtorno ou impedindo uma vida social saudável.

O Campo de conhecimento

O terceiro eixo explica que a Psicanálise é um conjunto de teorias, autores e escolas de pensamento, que se formou com Sigmund Freud entre os séculos XIX e XX, continuou com seus discípulos, e que se estende até os dias atuais.

Um conjunto de perspectivas teóricas e práticas que se aproximam ou disputam entre si, produzindo um verdadeiro campo de conhecimento acerca do inconsciente e do desejo humano.

Freud e o desenvolvimento dos usos da Psicanálise

A Psicanálise surgiu com os trabalhos de Sigmund Freud (1856-1939), um neurologista, nascido no antigo Império Austríaco, formado pela Universidade de Viena. Freud estagiou com Jean-Martin Charcot, um renomado médico da época, onde pôde analisar o efeito do método da Hipnose na indução de um estado de consciência específico.

Nesta época percebeu que havia uma forte conexão entre os sintomas e os comportamentos de seus pacientes. Freud também desenvolveu estudos junto a Josef Breuer acerca da Histeria e do Método Catártico, onde o paciente falava de suas fantasias, permitindo que a lembrança de traumas passados liberasse afetos e emoções reprimidas.

Neste percurso, Freud se questionou acerca dos processos neurológicos e da limitação dos tratamentos disponíveis até então. Consequentemente, ele desenvolveu a Psicanálise: uma abordagem pela qual o conteúdo psíquico recalcado inconscientemente é levado até à consciência, para que possa, então, ser trabalhado.

O funcionamento psíquico

Freud propôs uma teoria acerca do funcionamento psíquico. Para ele a psique humana funciona através do modelo topográfico e do modelo estrutural. O modelo topográfico diz respeito à divisão da vida psíquica em:

  • Consciente: conteúdo mental que está ativo para nós, nossa percepção, atenção e raciocínio.
  • Pré-Consciente: conteúdo mental que não está ativo em nossa consciência, mas que pode ser acessado facilmente, como algumas memórias ou lembranças.
  • Inconsciente: conteúdo mental reprimido, que não pode ser acessado mas que possui forte influência no nosso comportamento sem que percebamos, como traumas, conflitos, sofrimentos.

O modelo estrutural divide o funcionamento psíquico em:

  • Id: estrutura mais primitiva do ser humano, que orienta os comportamentos pelo princípio do prazer, visa satisfazer os desejos a qualquer custo.
  • Ego: estrutura que tem a função de mediar os impulsos internos e as regras sociais externas, agindo como um filtro orientado pelo princípio da realidade.
  • Superego: estrutura que impede os desejos inadequados, os nossos códigos de conduta, que funcionam a partir das regras sociais, da moral.

Neurose e os usos da Psicanálise

Ao longo de seus estudos, Freud percebeu uma correlação entre a vivência de conflitos psíquicos e os sintomas físicos corporais. A este processo de adoecimento psíquico Freud deu o nome de Neurose.

Na Neurose o sujeito tem um sofrimento patológico por não conseguir realizar desejos considerados socialmente inadequados. Para que não causem mais dor ao indivíduo, estes conflitos são reprimidos inconscientemente.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    O tipo clássico de Neurose estudada por Freud é a Histeria, onde o conflito psíquico se converte em sintomas físicos sem qualquer origem neurológica (paralisia, cegueira, etc.).

    Leia Também:  Afinal, o que é Síndrome de Asperger?

     O desenvolvimento psicossexual

    Freud também desenvolveu uma teoria do desenvolvimento infantil, que liga os comportamentos da criança às suas pulsões internas para satisfação dos desejos. Por isso a ideia de um “desenvolvimento psicossexual”, dividido por ele em:

    Fase Oral (nascimento aos 2 anos): na qual a criança busca satisfazer seus desejos através da boca, levando os objetos à boca, mamando no seio da mãe.

    • Fase Anal (2 a 3 anos): na qual a criança começa a explorar o ambiente de forma mais autônoma, dando os primeiros passos e emitindo suas primeiras palavras, satisfazendo seus desejos pelo controle das fezes e urina através dos esfíncteres.
    • Fase Fálica (3 a 6 anos): na qual a criança tem curiosidades sobre o mundo, sobre a criança do sexo oposto e busca se identificar no modelo do pai ou da mãe, sendo o pênis a principal zona de referência para essa comparação (ou a “falta” dele, no caso do sexo feminino).
    • Fase de Latência (6 e 12 anos): na qual a criança percebe que não pode alcançar o desejo de se igualar ao pai ou a mãe, e por isso começa a direcionar seus prazeres a outras coisas do meio sociocultural como outras crianças e esportes.
    • Fase Genital (a partir dos 12 anos): na qual o sujeito se encontra na puberdade, atravessando mudanças fisiológicas e anatômicas, havendo a formação da própria identidade nos grupos sociais, buscando prazeres fora do corpo ou concentrados na região genital.

    Associação livre

    Para acessar os fenômenos inconscientes em sua estreita relação com o desenvolvimento psicossexual do indivíduo, Freud propôs um método clínico denominado como Associação Livre.

    Pela Associação Livre, o analisando fala livremente sem restrições ou julgamentos sobre sua vida, história infantil, relações sociais e desejos. E o analista utiliza a atenção flutuante para interpretar o significado dos conteúdos trazidos pelo paciente.

    Por isso, a Associação Livre constitui uma experiência terapêutica que visa dar sentido e ressignificar o sofrimento do sujeito.

    Psicanálise como ferramenta micropolítica

    A Psicanálise tem o mérito de perceber os regimes dominantes na cultura que delimitam e aprisionam a subjetividade dos indivíduos.

    Tal como Freud percebeu o modo como uma patologia cultural (a Histeria) reprimiu a vida psíquica das mulheres, que naquela época, entre os séculos XIX e XX, vivenciavam o processo de industrialização e a passagem da vida doméstica para a vida de trabalho.

    Para além disso, Freud desenvolveu a Psicanálise enquanto um dispositivo político que auxiliava seus pacientes a denunciarem e transformarem qualquer tentativa de dominação sobre seus desejos e sobre a sua vida psicossocial.

    Afinal, para que serve a Psicanálise?

    Para o filósofo Deleuze, a pergunta “para que serve a Filosofia?” deve ser respondida de forma contundente, pois a Filosofia não serve a ninguém, nem ao Estado nem à Igreja, por exemplo. Segundo ele, a Filosofia serve para afligir e pôr em dúvida tudo o que já está preestabelecido.

    Do mesmo modo, se traçarmos um paralelo entre a Filosofia e a Psicanálise, podemos pensar que ela questiona e problematiza todo conhecimento produzido pelo próprio indivíduo, pela sociedade ou por outras teorias acerca dos inconscientes e dos desejos.

    Enfim, a Psicanálise é uma máquina crítica (teórica-clínica-política), que põe em xeque o modo pelo qual as pessoas constroem inconscientemente sua subjetividade. Uma máquina que pode operar dentro dos consultórios, em hospitais, nas universidades, mas também nos grupos de amigos e nas praças.

    O presente artigo foi escrito por  Raphael Aguiar([email protected]), Rio de Janeiro/RJ – formando em Psicanálise Clínica pelo IBPC, pós-graduando em Psicomotricidade pelo CBI of Miami/UCL, Terapeuta Ocupacional pela UFRJ.

    One thought on “Conceitos principais e usos da psicanálise

    1. Claro que essa é só uma pontinha, de tudo o que vem a ser e de como usar a Psicanálise, mas consegui, mesmo sendo leiga, entender e ser atraída pelo assunto.
      Da forma como o autor abordou, ao mesmo tempo em que se vê a complexidade, ele conseguiu trazer uma simplicidade, que faz perceber que é algo gostoso de aprender, que faz querer saber mais, achei bem interessante.
      Muito bom mesmo, parabéns!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.