Paranoia

Paranoia: significado e tratamento em Psicanálise

Posted on Posted in Psicanálise, Transtornos e Doenças

É comum a qualquer pessoa o cultivar ideias surreais em algum momento de suas vidas. Acontece que para uma parcela dos seres humanos, o cultivo desse tipo de pensamento designa um sintoma recorrente e pertinente de uma perturbação mental. Falaremos mais sobre isso entendendo melhor o significado de paranoia, alguns dos seus sintomas e os tratamentos possíveis.

O que é paranoia?

Paranoia se trata de uma alteração no pensamento, fazendo com que fique distorcido e cause perturbações em alguém. Também conhecida como pensamento paranóide/paranoico, simplificando, é uma ideia delirante a respeito de uma concepção ruim. Com base nisso, acaba criando uma lógica, um raciocínio pessoal sobre uma ideia surreal.

Isso acaba fazendo com que desconfie e suspeite que algo ou alguém está perseguindo ele a todo o momento. Quando se observa melhor, essa fala se concentra em que um risco está vindo na sua direção para lhe causar mal. Independente do motivo, ele teria se tornado o centro de armações para ter sua vida arruinada.

Ainda que se mostre em diferentes intensidades, acaba interferindo seriamente em quem está carregando o problema. Quando se estuda diversos casos é quando fica mais sensível essa disparidade. Tão simples é encontrar alguém com sintomas mais discretos ou um indivíduo sem qualquer autonomia na vida.

Quais as causas das paranoias?

Não existe até aqui um estudo que dê a certeza sobre as causas envolvendo a origem dos pensamentos paranóides. Estudiosos continuam pela busca enquanto testam diversas possibilidades e abordagens para identificar um padrão único. Assim como outros transtornos da mente temos apenas sinais do que pode estar por trás disso.

Muitos defendem que os traumas possam ter algum poder em alterar a percepção de si e da própria vida radicalmente. Validam a proposta de que a mente humana se esgotaria, transitando de uma saúde psíquica a um declínio. Por exemplo, experiências com grande ansiedade e desordens de humor poderiam se conectar e desencadear o problema, mas ainda é hipótese.

Fobias de qualquer espécie e a depressão poderiam influenciar negativamente na construção da paranoia. Todos os problemas apresentados acima, em algum nível, alteram negativamente a forma como alguém enxerga o mundo. Nisso, o estado paranoico pode ir se desenvolvendo aos poucos sem que o indivíduo perceba.

Acúmulos

Infelizmente, existe um risco real da paranoia acabar se ligando com diversos problemas mentais. Quando se influencia por diversos fatores acaba reforçando a permanência de outros empecilhos como ela. Ademais, além dos sintomas e sinais atingirem o seu bem-estar, numa avaliação é difícil fazer o diagnóstico adequado.

Como dito linhas acima, a ansiedade, ao mesmo tempo em que pode ser um sintoma, pode agir de forma independente. Ela pode influenciar o estado paranoico em algum nível assim como as fobias. Principalmente aquelas em que o medo se concentra em ficar em ambientes abertos e em público.

Sobre os sintomas

Indivíduos diagnosticados clinicamente com a paranoia possuem alguns pontos em comum nos sintomas. Claro, todos apresentam variantes. Desse modo, a intensidade e influência de cada um é diferente. É comum surgir a:

Desconfiança

É difícil confiar nas pessoas quando se pensa constantemente que é perseguido por alguém. Os relacionamentos aqui são muito complicados de se manter e desenvolver.

Medo

Seu delírio faz reforçar a ideia de perseguição, indicando que está vulnerável ou exposto a qualquer ameça.

Leia Também:  Bullying: como são o perfil da vítima e o perfil do agressor?

Cansaço

Preocupar-se constantemente como faz acaba por cansá-lo, mesmo isso parecendo inacreditável. Embora permaneça em vigília, está exausto, principalmente na sua parte mental.

Impressão de estar só

Em casos mais graves, os relacionamentos ficam difíceis de serem mantidos, algo que afasta os outros. Nisso, o paranoico acaba se sentindo mais só do que o habitual.

Rancor

Uma grande parcela desenvolve uma amargura, de modo que seu estado não permita a entrega completa de afeto. Já que as pessoas costumam se afastar, seu contato e expectativas diminuem consideravelmente.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Ansiedade

Ainda que seja um fator que possa contribuir ao surgimento, pode se manifestar também como um dos sintomas. Isso acontece porque o indivíduo começa a antecipar situações em que participa de conflitos e situações graves.

Depressão

Do transtorno à doença, temos um salto perigoso, fazendo dessa união uma combinação perigosa.

Diferença entre a esquizofrenia e a paranoia

É muito comum que se confunda a paranoia com a esquizofrenia, já que se caracterizam também pelos delírios. Acontece que nas paranoias há uma ideia de perseguição, alimentando uma ideia particular e projetando ela no ambiente. Por sua vez, a esquizofrenia deixa o indivíduo recluso da realidade, impedindo que faça juízos e ponderações concretas de suas escolhas.

Indo além, a paranoia ainda permite que você se atente aos mecanismos de defesa em prol da segurança. Seu medo é algo mais real e sólido, ainda que seja algo incompreensível. Muitos enxergam isso como injustificável, porém existe um encaixe na realidade por aquilo ser algo mais palpável.

Por sua vez, a esquizofrenia libera o medo através das fantasias e tudo aquilo que não é visto pelos demais, algo sem sentido. O doente aqui se protege da não-aceitação sobre o medo através das outras pessoas. Sem contar que é comum que elas se afastem de si mesmas, de modo que seu estado seja mais intenso.

Quais são os tipos existentes de paranoia?

Até o momento foram encontrados três tipos diferentes de paranoia, formando categorias específicas ao problema. Quando se confirma pelo diagnóstico, certamente o paciente pode se encaixar em:

Distúrbio Delirante Paranóide

Aqui não há sintomas de distúrbio aparente, mesmo sendo um delírio mais persistente. Os “subtipos” do distúrbio se mostram em alguns tipos de delírio. São ele:

  • ciúme;
  • erótico;
  • hipocondríaco;
  • delírio de grandeza;
  • persecutório.

Distúrbio Paranóide de Personalidade

Nesse caso as pessoas costumam desconfiar de tudo e todos sem um motivo tão plausível ou aparente. Porém, esse tipo de postura atrapalha em seu cotidiano comum nos relacionamentos ou trabalho. Assim sendo, os indícios mais comuns aqui são:

  • Comportamento distante e frio;
  • Desconfiança;
  • Hipersensibilidade.

Esquizofrenia Paranóide

Aqui um tipo específico de esquizofrenia se forma graças à composição psíquica e comportamental da pessoa. Isso inclui seus delírios bizarros e alucinações visuais e auditivas, inclusive acreditando que estão sob controle. Assim, é graças a isso que os seus contatos sociais em qualquer parte encontram risco de se desfazerem.

Qual o tratamento mais indicado?

É difícil fazer com que a terapia seja eficaz aqui por conta dos pensamentos delirantes que a paranoia alimenta. Tanto que é comum as pessoas terem ressalvas e desconfiança sobre a busca feita em consultório. Infelizmente, isso faz com que rejeitem métodos do trabalho, como internação e remédios, por pensarem na perda de liberdade.

Leia Também:  Quais os três usos do termo Psicanálise?

Sobre os remédios, como em qualquer terapia, eles servem para amenizar os efeitos dos sintomas do problema. Embora alguns sintomas não possam ser alterados, outros ficam visivelmente controlados e deixam de interferir com o vigor de antes.

Os medos que sente podem ser conversados dentro da psicoterapia, mediante profissional adequado. Gradualmente os temores podem deixar de se manifestar com frequência, permitindo a retomada de uma vida socializada.

Considerações finais sobre paranoia

A estrutura confusa da paranoia impede um controle maior da própria percepção de mundo, se fazendo refém das distorções pessoais. Um dos problemas aqui se concentra em mergulhar cada vez mais nesse bloqueio pelo medo de receber ajuda. Até aquilo que faria bem ao paciente é visto como objeto de risco à sua vida.

Sabemos o quanto é difícil a recuperação, mas ela não é impossível como muitos pensam. Com o acompanhamento adequado e apoio, a pessoa pode resgatar alguma clareza e controle de si. Embora o problema permaneça, é possível diminuir a sua influência e poder negativo sobre a sua vida.

Para que compreenda melhor os caminhos da sua mente, se inscreva em nosso curso online de Psicanálise Clínica. Desenvolvendo seu autoconhecimento, se torna mais sensível a respeito de si e do que precisa em prol do seu crescimento. Além de compreender melhor os desvios da mente, como a paranoia, encontra com facilidade o caminho do seu potencial interno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + vinte =