Professora Sim Tia Não é um livro do renomado Paulo Freire. Portanto, confira nesse artigo o resumo dessa obra tão importante!

Professora Sim Tia Não: resumo do livro de Paulo Freire

Posted on Posted in Filosofia e Psicanálise, Profissões e Psicanálise

“Professora Sim Tia Não” é um livro do renomado Paulo Freire. Sendo assim, todo educador deve conhecer as ideias do autor. Isso porque ele é um dos grandes nomes na área da educação em todo o mundo. Portanto, confira nesse artigo o resumo dessa obra tão importante.

Quem foi Paulo Freire?

Paulo Freire foi um educador, ativista e referência para as práticas de ensino e aprendizagem. Pois, ele tinha grandes ideiais sobre a educação no Brasil. Assim, seu nome representa força e resistência, mesmo após a sua morte em 1997.

Desse modo, os ensinamentos de Paulo Freire não se limitam apenas a solo nacional. Isso porque diversos países usam as práticas dele. Afinal, Freire defendia uma educação crítica, isto é, que estimula o pensamento em vez da repetição de conteúdos.

Entretanto, suas ideiais não são apenas essas. Pois, são vários os pensamentos do autor. Nesse sentido traremos aqui as ideias nessa obra tão rica para todos os educadores. Então, confiram a seguir!

Livro Professora Sim Tia Não

Publicado em 1993, essa obra é composta por 10 cartas em que Paulo Freire discute sobre as práticas de ensino. Logo, o livro é ideal para todos que trabalham na área de educação. Então, independe do público, pois o educador é um formador de sujeitos.

Sendo assim, suas práticas precisam estar alinhadas às ideias que visam à democracia. Por isso, a educação é pautada no respeito ao próximo e na construção de uma sociedade mais igualitária. Portanto, os educadores têm um papel fundamental.

10 lições em Professora Sim Tia Não Paulo Freire

A seguir, mostraremos as lições em cada uma das 10 cartas que compõem essa obra.

1. Ensinar – aprender. Leitura do mundo – leitura da palavra

Segundo Paulo Freire “não existe ensinar sem aprender”. Ou seja, todo educador deve estar aberto a repensar as suas ideias. Desse modo, o autor chama a atenção opara uma posição de humildade. Afinal, ninguém domina nenhum conhecimento.

Sendo assim, diante das curiosidades dos alunos, é necessário que os professores sempre estudem e que se atualizem. Pois,

“a responsabilidade ética, política e profissional do ensinante lhe coloca o dever de se prepapar, de se capacitar, de se formar antes mesmo de iniciar sua atividade docente.”

2. Não deixe que o seu medo do difícil paralise você

Na segunda carta, Freire alerta sobre a relação entre medo e dificuldade. Dessa forma, ele chama a atenção para a dificuldade que os educadores encontram ao se capacitar. Pois, muitas pessoas desistem de aprender por não compreender determinado assunto.

Leia Também:  O que é Psicologia Transpessoal?

Assim, cria-se uma barreira. Por isso, é importante impor disciplina para vencer os desafios. 

3. De falar ao educando a falar a ele e com ele; de ouvir o educando a ser ouvida por ele

Neste ponto, Paulo Freire discute autoridade versus democracia. Pois, a figura do professor já impõe poder frente aos seus alunos. Contudo, essa não é a única alternativa, pois, “a educação é um ato político”. Logo, é preciso criar um ambiente de troca na sala de aula em que todos são ouvidos.

4. Identidade cultural e educação

Nessa carta somos ensinados sobre a compreensão das múltiplas identidades. Ou seja, a identidade do educador e dos seus alunos. Isso porque cada pessoa é única e carrega as suas experiências e raízes culturais. Assim, são essas identidades que impactam nas relações de ensino e aprendizagem.

Portanto, é necessário o respeito para que se faça trocas com as diferenças.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    5. Contexto concreto – contexto teórico em “Professora sim tia não”

    Segundo Freire, há uma importante relação entre tudo o que fazemos e na própria experiência existencial enquanto experiência social e histórica. Isto significa as diferentes relações que temos no dia a dia. Sendo assim, elas impactam na sala de aula, pois

    o contexto teórico, o de formação permanente da educadora, é indispensável a reflexão crítica sobre os condicionamentos que o contexto cultural tem sobre nós, sobre a nossa manneira de agir, sobre nossos valores.

    6. Das virtudes ou qualidades indispensáveis ao melhor desempenho de professoras e professores progressistas

    Para o autor, todo professor progressista precisa desenvolver algumas habilidades. Assim, Freire destaca:

    • humildade;
    • amor “armado”: que se expressa no direito ou no dever de lutar e de denunciar;
    • coragem;
    • tolerância: aprender e respeitar o diferente;
    • capacidade de decisão;
    • segurança
    • disciplina intelectual;
    • sabedoria para viver a tensão entre a paciência e a impaciência;
    • parcimônia verbal.

    7. Das relações entre as educadoras e os educandos

    Nessa carta, o autor destaca que a prática educativa precisa ter coerência entre o que o educador diz e o que ele de fato faz. Ou seja, o quanto as práticas estão atreladas ao discurso. Pois, os alunos aprendem tanto com o que o professor diz, quanto com o que o professor faz. Então, se ele não vê essa relação, desconsidera o professor.

    Por isso, Paulo Freire indica o exercício de observar e registrar os fatos. Assim, professor e aluno refletem sobre os acontecimentos, comparam e estabelecem relações entre fatos e coisas. Isso porque o relacionamento entre as duas partes pode ser complexo.

    8. “Vim fazer o curso de magistério porque não tive outra possibilidade”

    O magistério é voltado para o professorado. Sendo assim, diante da mercado muitas pessoas vão para a área de pedagogia e licenciatura por conta do salário ou estabilidade na carreira. Contudo, Paulo Freire diferencia o que é a prática educativa.

    Pois, essa deve ser levada a sério, uma vez que trata da formação de pessoas: crianças, adolescentes e adultos. Sendo assim, os professores podem ajudar ou prejudicar a busca por conhecimento.

    9. Primeiro dia de aula em “Professora sim tia não”

    Na nona carta, o autor fala das inseguranças do primeiro dia de aula a frente de uma turma. Por isso, ele destaca que a timidez, inseguranças e inibições são naturais. Mesmo porque o educador não é um ser diferente e invulnerável.

    Dessa forma, ele sugere que o educador fale de forma aberta com seus alunos. Assim, ele mostra que todos nós, como seres humanos somos limitados. Ademais, cria uma relação com seus alunos, sem se impor de maneira autoritária.

    Leia Também:  Como ser bem sucedido na vida e no trabalho?

    10. Mais uma vez a questão da disciplina

    Na última carta, Paulo Freire chama a atenção mais uma vez para que os educadores tenham disciplina e não deixem de se capacitar. Então, ele indica como prática:

    • leitura séria de textos;
    • escrita cuidada, pois essa visa a metodizar, produzir, observar e analisar os fatos.

    Contudo, tal rigor não exclui o gosto pela aventura e da ousadia, desde que não falte a noção do limite. Desse modo, é possível acreditar na transformação da sociedade e lutar pela democracia.

    Considerações finais sobre “Professora Sim Tia Não”

    Agora que você já viu os principais pontos tratado por Paulo Freire em Professora Sim Tia Não, que tal conhecer nosso curso online de Psicanálise? Dessa maneira, você poderá desenvolver seu autoconhecimento e compreender também o comportamento humano. Assim, você que é educador aprimorará ainda mais as relações com os seus alunos.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *