Como a Psicanálise auxilia no Transtorno Bipolar

Posted on Posted in Comportamento, Psicanálise

O que é transtorno Bipolar?

O transtorno bipolar é uma doença mental crônica, na qual o paciente altera seu humor de um momento para outro.

Em um momento ele está depressivo, angustiado, triste, com medo. No entanto, no momento seguinte está eufórico, feliz e até radiante. Por essa razão, o transtorno bipolar é conhecido também como uma doença emocional ou afetiva.

Diagnosticar não é tarefa fácil. No entanto, o tratamento é muito rigoroso e até efetivo depois que se tem a confirmação da patologia.

Tratamento para o transtorno bipolar

Falando de forma abrangente, longe de querer ser uma verdade absoluta, mas no geral a pessoa que sofre de bipolaridade, terá que ser tratada para o resto de sua vida. Isso porque esta é uma patologia que não tem cura. Nesse contexto, assim como a depressão ou ansiedade, ela terá momentos que variam entre crises leves e crises severas, dependendo do tipo de classificação da doença.

Assim sendo, se torna mais fácil identificar uma pessoa em crise. Basta verificar se os seguintes sintomas se aplicam a um indivíduo:

depressivo;

sem energia ou vontade de fazer qualquer coisa;

se torna triste e fechado;

procura pelo isolamento;

perde sua autoestima;

mantém pensamentos pessimistas;

e encontra muita dificuldade para dormir, comer ou se relacionar.

No entanto, quando uma pessoa está no momento de euforia, ela exibe outros sintomas. Veja alguns deles abaixo.

sente-se mais confiável;

hiperativa;

demonstra um excesso de vaidade e de autoconfiança;

momento de excitação exacerbada.

Desta forma, esta pessoa que estava presa à sua baixo autoestima, isolada e triste, se liberta neste momento de todas estas angústias. A partir de então, passa a exagerar na fala. Sendo assim, precisa falar, fazer sexo, abraçar, beijar, e comer. Nesse contexto, a pessoa se torna extremamente motivada por impulsos.

Por se tratar de uma doença mental crônica e ainda aliada aos sentimentos, tudo no bipolar é 100%. Ou o indivíduo está 100% triste ou 100% feliz. No entanto, isto muda de um momento para o outro.

O momento da felicidade é para quem sofre do transtorno bipolar uma libertação daquele momento que antecedeu a este. Ou seja, o da depressão. Por essa razão, tudo é muito excessivo.

Seria quase uma forma ainda que inconsciente de se preparar para a fase seguinte que será de depressão e sofrimento.

A cura do transtorno

Existe tratamento para o transtorno bipolar, mas a cura não é considerada.

Ainda não se sabe de onde vem o transtorno bipolar, causas externas não tem aqui quase nenhuma relevância, porém suas causas são:

• Genéticas,
• Orgânicas
• Psíquicas

O tratamento se dá com remédios e terapias. No entanto, o maior problema encontrado aqui, é que o paciente quando se sente um pouco melhor, abandona os tratamentos. Além disso, a pessoa abandona principalmente os remédios, o que faz com que a doença volte a um estado de crise novamente.

Nesse contexto, é imprescindível lembrar que em momentos de calmaria, a doença não deixou de existir. Estava apenas sendo controlado por remédios.

Qual o papel da Psicanálise neste tratamento?

Vale aqui lembrar que a psicanálise é uma terapia, e que sua função é ajudar o paciente, com questionamentos, a descobrir quais são suas fobias, frustrações, desejos, e “nós “sentimentais.

Desta forma, a psicanálise ajuda o paciente a entender o que de fato está acontecendo com ele, se algum fator externo ou alguma pressão interna desencadeia as crises mais severas.

Mas ela por si só não ajudará a pessoa que sobre de transtorno bipolar, o que a psicanálise faz é orientar o paciente, aliado aos remédios que já foram receitados por um psiquiatra, pois esta pessoa precisa passar por um psiquiatra e só ele poderá prescrever remédios e ajustá-los para cada indivíduo.

Assim como é papel do psicanalista, conscientizar o paciente da importância de manter o uso dos medicamentos.
Em casos mais severos da doença, haverá a necessidade de internação do paciente para lhe preservar a vida, pois eles tendem a tentar o suicídio.

O terapeuta, no caso aqui o psicanalista, precisa estar muito atento com estas variações severas da doença, e se a terapia for em grupo (com a família), a mesma deve ser informada da possibilidade e prestar mais atenção ao paciente.



O que o tratamento psicanalítico oferece ao paciente?

Será sempre uma questão de aprendizagem e conscientização de sua condição, portanto cabe ao psicanalista:

• Livrar o paciente de emoções negativas ligadas ao passado
• Explicar ao paciente as consequências, caso não faça o tratamento farmacológico e terapeuta de forma continua
• Ajudar o paciente a entender e aceitar a sua condição patológica
• Fortalecer o paciente, no sentindo de ele próprio não permitir que qualquer gatilho externo, provoque uma crise mais severa
• Trabalhar e ajudar o paciente a lidar com toda e qualquer situação adversa, que a própria vida nos oferece o tempo todo

E este trabalho será constante, e para o resto da vida de quem sofre com o transtorno bipolar.

Leia Também:  A Máquina de Brincar: breve resumo do livro

A mente também adoece:

Precisamos antes de mais nada, acabar com o preconceito que existe quanto às doenças mentais. É necessário entender que se o corpo pode ficar doente, a mente também pode.

Nesse contexto, é importante compreender que qualquer um de nós ou da nossa família está sujeito a desenvolver uma doença mental. No entanto, essa é uma situação que não deve e nem pode ser equivalente ao final do mundo. Reagindo da maneira correta, poderemos minimizar as consequências negativas do transtorno para nossos familiares.

Assim, quanto antes observamos e agirmos, mas rápido será o início do tratamento. É importante reiterar que este é um processo que não levará à cura, mas que pode oferecer ao paciente uma vida mais feliz e plena.

Assim como a importância dos remédios, quem sofre de transtorno bipolar pode aparentar uma melhora sem o uso dos remédios. No entanto, lembre-se de que a pessoa está sujeita novas crises. Nesse contexto, esse momento de ausência de crises faz com que a pessoa se sentir bem a ponto de largar seus medicamentos.

 

A importância do tratamento com psicanalistas e psiquiatras

Contudo, quando a crise voltar, e ela pode voltar, é possível que volte mais intensa. Nessa tipo de situação é comum que algumas pessoas que sofrem com o distúrbio queiram se suicidar.

Por essa razão, é muito importante o acompanhamento de um psicanalista. Isso para lembrar o paciente de que sua condição não tem cura. Assim sendo, o tratamento que deve ser seguido à risca.

Da mesma maneira,  o acompanhamento de um psiquiatra feito de maneira regular garantirá que os remédios e suas dosagens sejam ajustados de acordo com a necessidade do paciente.

Vale lembrar que cada pessoa reage de forma diferente aos medicamentos. Nesse contexto, o que é bom para um paciente, não necessariamente será bom para outro.

Assim sendo, o acompanhamento do psiquiatra se faz necessário. Ele é quem fará com o paciente testes de adaptação dos medicamentos e suas dosagens.

Conclusão:

Por fim, o que uma pessoa com transtorno bipolar precisa entender é que esta será uma condição para sempre em sua vida. Assim, os tratamentos serão indispensáveis para ajudar alguém  a ter uma vida mais confortável e feliz.

Por essa razão, não abandone os tratamentos seja você ou algum familiar que esteja sofrendo com o problema. Eles são fundamentais para que você possa continuar com a sua vida o mais feliz e saudável possível..

Gostaram do artigo? Querem fazer algum comentário? Envie um e-mail com suas críticas, comentários e sugestões, estamos aguardando.

Além disso, não deixe de conferir o nosso curso de Psicanálise EAD! Você pode se descobrir na área e ajudar muitas pessoas. Inclusive as com transtorno bipolar, mesmo se você apenas for um curioso sobre o assunto.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − sete =