linguagem psicologia

Psicologia e Linguagem: resumo sobre mente e linguística

Posted on Posted in Teoria da Psicologia

A linguagem é uma capacidade humana fascinante e complexa, com importantes conexões com nossa mente e psicologia. A psicolinguística é o campo de estudos dedicado a investigar a relação entre linguagem, mente e funções cognitivas.

Então, este artigo faz um resumo abrangente sobre as interações entre psicologia e linguagem, cobrindo tópicos como aquisição da linguagem, processamento linguístico, representação mental da linguagem e conexões neurais.

Veremos também algumas teorias psicológicas relevantes sobre a linguagem!

psicologia e linguagem resumo

Como funciona a aquisição da linguagem?

A aquisição da linguagem pelas crianças é um processo complexo que começa já nos primeiros dias de vida e envolve estágios distintos:

  • Reconhecimento de sons: Em primeiro lugar, os primeiros meses, os bebês já conseguem distinguir entre os diversos sons da fala humana e mostrar preferências por certas características sonoras, como a voz da mãe.
  • Balbucio: Em seguida, a partir dos 6 meses, as crianças começam a reproduzir certos sons e padrões de entonação da língua nativa nos seus balbucios. Isso serve como “treino” para a fala.
  • Primeiras palavras: Por volta dos 12 meses, ocorrem as primeiras produções reconhecíveis de palavras de conteúdo, como “mamãe”, “papai”. Ainda de forma limitada e inconsistente.
  • Vocabulário inicial: No segundo ano de vida há uma explosão vocabular, com aceleração rápida da aquisição de novas palavras, embora ainda sem combinações sintáticas complexa.
  • Combinação de palavras: Após dominar certo vocabulário básico, as crianças passam a combinar termos em frases curtas do tipo “vovó casa”, “mamãe saiu”.
  • Morfologia e sintaxe: Aos poucos, regras gramaticais mais refinadas são incorporadas, com domínio de marcações morfológicas, concordâncias, ordens sintáticas.

Todo esse rápido desenvolvimento linguístico inicial é bastante impressionante, dado que ocorre com pouco ensino explícito. Em pouco tempo a criança domina bilhões de sentenças potenciais em sua língua nativa. Por isso intriga tanto pesquisadores da aquisição da linguagem.

Processamento linguístico

Além da aquisição, a psicolinguística também estuda como os adultos processam a linguagem no dia-a-dia. Isso envolve desde ouvir e entender uma simples frase, até a leitura e compreensão de textos complexos.

Quando falamos ou ouvimos, nosso cérebro realiza em frações de segundo tarefas linguísticas complexas, como reconhecer fonemas, acessar o significado de palavras, analisar a estrutura sintática de frases. Tudo isso acontece automaticamente, sem necessidade de esforço consciente.

Psicólogos e linguistas desenvolveram modelos teóricos detalhados sobre como esse processamento linguístico ocorre mentalmente, identificando seus subcomponentes e etapas. Por exemplo, alguns modelos falam sobre processos lexicais, sintáticos e semânticos envolvidos na compreensão verbal.

Representação mental da linguagem

Outra questão importante é: como a linguagem é representada e armazenada em nossa mente? Os cientistas cognitivos propuseram a existência de uma “gramática mental”, um conjunto de regras abstratas internalizadas responsáveis por organizar nossos conhecimentos linguísticos.

Evidências experimentais e de neuroimagem sustentam a ideia de representações neurais para sons da fala, significados de palavras, regras gramaticais e outros elementos linguísticos. Ou seja, nosso cérebro de alguma forma “mapeia” e armazena informações sobre a estrutura das línguas que conhecemos.

Isso permite explicar fenômenos como a produção criativa de novas sentenças, o processamento rápido de sentenças complexas e a diferenciação automática entre sentenças corretas e agramaticais.

Bases neurais da linguagem

A psicolinguística também investiga os substratos neurais que viabilizam nossa capacidade de linguagem. Essa abordagem, conhecida como neurolinguística, associa métodos das neurociências aos estudos linguísticos tradicionais.

Pesquisas com neuroimagem revelaram que nosso cérebro possui circuitos e áreas especializadas no processamento da linguagem, como os giros frontais inferiores do hemisfério esquerdo. Lesões nessas áreas, como no caso de afasias, comprometem especificamente a linguagem.

Isso indica que nossa aptidão linguística depende de mecanismos neurais localizados. Ao mesmo tempo, a linguagem também envolve interações complexas entre várias redes corticais distribuídas.

Teorias psicológicas sobre a linguagem

As teorias psicológicas sobre a linguagem são um campo fascinante que une a psicologia com a linguística, explorando como nós, seres humanos, adquirimos, processamos e utilizamos a linguagem.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Teorias comportamentalistas

    Primeiramente, esta abordagem, liderada por figuras como B.F. Skinner, sugere que a linguagem é aprendida através do condicionamento operante. As crianças são recompensadas por imitar sons e palavras, reforçando assim a aprendizagem linguística.

    Além disso, estudos mostram que o reforço positivo acelera a aquisição de novas palavras e estruturas gramaticais.

    Abordagens inatistas

    Contrastando com a visão comportamentalista, teóricos inatistas como Noam Chomsky argumentam que a capacidade para a linguagem é inata, parte de uma “gramática universal”.

    Além disso, Chomsky introduziu o conceito de “dispositivo de aquisição da linguagem” (LAD), uma estrutura mental pré-programada que facilita a aprendizagem da linguagem. Estudos em neurociência apoiam esta teoria, indicando áreas cerebrais específicas envolvidas na linguagem, como a área de Broca.

    Teorias interacionistas

    Teóricos como Lev Vygotsky e Jerome Bruner defendem que a interação social desempenha um papel crucial no desenvolvimento da linguagem. Eles argumentam que a linguagem é aprendida dentro de um contexto social e cultural, com a criança participando ativamente desse processo.

    Pesquisas demonstram que a exposição a conversas ricas e variadas é fundamental para o desenvolvimento linguístico.

    Psicolinguística

    Este campo investiga como a linguagem é processada no cérebro. Por exemplo, a compreensão de uma frase envolve o processamento fonético, lexical (palavras), sintático (estrutura da frase) e semântico (significado).


    Leia Também:  Psicologia da Percepção: o que é, teoria e funcionamento

    Curso de Formação em Psicanálise Clínica EAD


    Experimentos utilizando técnicas como a ressonância magnética funcional (fMRI) revelam como diferentes áreas do cérebro são ativadas durante tarefas linguísticas.

    Neurolinguística

    Por fim, sendo uma subárea da psicolinguística, a neurolinguística explora como as funções linguísticas estão mapeadas no cérebro. Estudos com pacientes afásicos (pessoas com danos na linguagem devido a lesões cerebrais) ajudam a entender como diferentes aspectos da linguagem são processados em áreas específicas do cérebro.

    Enfim, compreender essas teorias não é apenas academicamente estimulante, mas tem implicações práticas significativas. Para profissionais da psicologia e da linguagem, esse conhecimento é vital para desenvolver estratégias de ensino eficazes, terapias de linguagem e entender melhor os distúrbios da comunicação.

    Portanto, podemos dizer que a relação entre psicologia e linguagem é intrincada e multifacetada. Através da psicolinguística, ganhamos insights profundos sobre a natureza humana e nossas capacidades comunicativas únicas. Este campo continua a evoluir, prometendo ainda mais descobertas sobre a complexa interação entre mente, cérebro e linguagem.

    Psicologia e linguagem mapa mental

    Considerações finais sobre Psicologia e Linguahem

    Enfim, a psicolinguística nos permite entender as intrincadas relações entre linguagem e cognição na mente humana. Seus insights sobre processos mentais, representações neurais e desenvolvimento da linguagem elucidam nossa aptidão única para a comunicação simbólica.

    Portanto, dominar esses conhecimentos é essencial para psicólogos e profissionais interessados na psique humana. Por isso, recomendamos nosso Curso de Psicanálise EAD, que integra de forma aprofundada linguagem, teoria psicanalítica e clínica em um programa 100% online.

    O curso abrange desde os fundamentos da psicanálise freudiana até técnicas de intervenção psicoterapêuticas. Além disso, dedica módulos exclusivos à psicolinguística e seus impactos na prática clínica.

    Então, não perca a chance de se aprofundar nessa temática fascinante do funcionamento mental por meio do nosso curso EAD. Inscreva-se já e desfrute de conteúdos abrangentes onde quer que esteja!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *