Síndrome das Pernas Inquietas: causas, sintomas, tratamentos

Posted on Posted in Transtornos e Doenças, Transtornos e Doenças, Uncategorized

A Síndrome das Pernas Inquietas, conhecida também como SPI, é um transtorno caracterizado por uma sensibilidade e desconforto nos membros inferiores das pernas. O indivíduo sente a necessidade de movimentar seus membros inferiores a todo instante e, dependendo de certos casos, os braços podem ser afetados.

Vale dizer que trabalho de escritório e viagens são duas coisas que podem fazer a Síndrome das Pernas Inquietas se agravar. Além disso, tentar dormir quando você sofre desse problema pode ser uma das coisas mais frustrantes que você já experimentou. Isso porque, mesmo se você finalmente conseguir parar de mover as pernas e dormir, você poderá ser acordado (ou poderá acordar seu parceiro) com movimentos periódicos dos membros.

Quase 10% da população são afetadas pela Síndrome das Pernas Inquietas. A maioria dessas pessoas estão em idade mais avançada. É importante dizer também que o problema começa com um leve formigamento nas pernas. Porém, se não for tratado, o indivíduo adoentado passa a sentir dor agonizante, além de ficar noites sem dormir. Sem dúvidas, esse é um enorme fardo para os afetados e, muitas vezes, também para a família deles.

Quais são as causas da Síndrome das Pernas Inquietas

Embora não se saiba ao certo o que causa essa síndrome, alguns estudos e pesquisas realizados sobre a SPI mostram que ela pode ser causada por alguma associação genética ou falta de ferro em áreas específicas do cérebro.

Quais são os sintomas da Síndrome das Pernas Inquietas

Os sintomas mais comuns da Síndrome das Pernas Inquietas são:

  • necessidade de estimular as pernas, principalmente quando se encontram paradas;
  • agravamento da inquietação durante a noite e a madrugada;
  • costume de acordar no meio da noite com a necessidade de movimentar as pernas, sendo gatilho de crises;
  • formigamento;
  • queimações;
  • arrepios.

Os sintomas da Síndrome das Pernas Inquietas dependem da gravidade da síndrome, pois alguns casos podem ser mais graves e outros, mais leves.

Normalmente os sintomas tendem a aparecer com alta frequência no período da noite, fazendo com que a pessoa tenha seu sono prejudicado por eles.

Diagnóstico para a Síndrome das Pernas Inquietas

A Síndrome das Pernas Inquietas é diagnosticada pelo neurologista ou clinico geral. Além do médico recomendar os exames de músculos e condutividade nervosa, ele indica a realização de um hemograma para excluir sintomas e outras doenças como causas de desconforto.

O médico também realiza uma série de perguntas para o paciente, como por exemplo:

  • “Sente dores nas pernas?”;
  • “O que você sente quando está deitado ou sentado?”;
  • “Mexer as pernas a todo instante te deixa melhor?”;
  • “Quais palavras você usaria para descrever essa sensação incontrolável de mexer as pernas?”.

A polissonografia também é um exame que pode ser usado para a confirmação da Síndrome das Pernas Inquietas.

Tratamentos e cura para a Síndrome das Pernas Inquietas

A cura para a Síndrome das Pernas Inquietas ainda não foi confirmada cientificamente. No entanto, o tratamento com preparações de dopamina muitas vezes se mostra útil e eficaz.

A definição da forma de cuidar desse problema depende da gravidade do desconforto e das circunstâncias que o acompanham. Se alguns fatores desencadeantes estiverem presentes, como uma deficiência de ferro, estes são tratados primeiramente.

Se os sintomas persistirem ou ocorrerem sem fatores desencadeadores, várias opções de tratamento medicamentoso podem ser consideradas. Dependendo da situação, analgésicos ou várias drogas neurologicamente eficazes são usados.

Leia Também:  Narcóticos Anônimos: história, princípios e endereços

Como aliviar os sintomas da Síndrome das Pernas Inquietas

Medidas alternativas também são elegíveis para o tratamento. Reflexologia do pé, exercícios físicos, relaxamentos, banho frio nas pernas e natação também podem ser feitos facilmente em casa.

Vale dizer também que estudos mostram que café, chocolates, bebidas alcoólicas, energéticos e outros tipos de alimentos que contém estimulantes podem agravar o caso do paciente. Dessa forma, é valido evitar o consumo em excesso deles.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Assim, se você possui sintomas da Síndrome das Pernas Inquietas, procure imediatamente um profissional para que ele avalie o seu caso. Após uma avaliação preliminar, ele poderá encaminhá-lo a um médico especialista em doenças que afetam o sistema nervoso (neurologista) ou a um especialista em sono.

CID-10 da Síndrome da Perna Inquieta

CID significa Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saude e Décima. Cada estado da saúde têm uma classificação e um código. Portanto, eles podem ter sintomas parecidos e ficar na mesmo classificação.

A Síndrome Da Perna Inquieta faz parte do CID-10 e do código 333.94, 333.99 do grupo das doenças do sistema nervoso.

Como enfrentar os sintomas da Síndrome das Pernas Inquietas

O enfrentamento e o suporte são importantes para um indivíduo se fortalecer diante dessa dificuldade. Conviver com o transtorno da Síndrome das Pernas Inquietas envolve o desenvolvimento de técnicas para enfrentar a SPI, como por exemplo:

  • não esconder o seu transtorno. Compartilhar explicações sobre a SPI ajudará seus familiares e amigos a compreender melhor o seu estado psicológico.
  • Não se opor à sua necessidade de movimento. Evitar se mover pode piorar o caso. Portanto, se tiver vontade de se movimentar, movimente-se!
  • Anotar em um caderno ou diário as suas noites de sono. Assim, nas próximas consultas que forem realizadas com o seu médico, você poderá mostrá-lo para ele avaliar as suas noites de sono.
  • Iniciar o seu dia com exercícios físicos e terminá-lo fazendo alongamento.

Considerações finais

Como você pôde ver, a Síndrome das Pernas Inquietas é um transtorno que afeta gravemente a vida de um indivíduo. Se você possui a SPI procure conversar com amigos, familiares ou pessoas próximas a você que saibam do seu caso. Dialogar é uma maneira de expor seus sentimentos e fazer com que as pessoas ao seu redor entendam o que você está passando.

É de grande importância manter o seu médico sempre atualizado sobre como você está. isso porque, se você começar a se sentir pior, eles poderão sugerir diferentes mudanças no seu estilo de vida ou nos seus medicamentos.

Por outro lado, se você não possui a Síndrome das Pernas Inquietas, mas conhece alguém da sua família ou do seu ciclo social que tem esse problema, busque ouvir o que essa pessoa tem a dizer. Afinal de contas, é possível que muitas pessoas não levem a sério o que elas estão passando.

O gesto de ouvir, nesse contexto, é muito positivo porque você mostra realmente para o outro que se importa e que está ali para ampará-lo sempre que possível!

Gostou do artigo que preparamos para você? Se você tem interesse em conhecer mais sobre outros transtornos mentais, acesse o nosso curso online de Psicanalise. Ele te ajudará a ter condições de atender clínicas e conhecer melhor a mente humana! Preparamos conteúdos deliciosos para você navegar nesse mundo da Psicanálise. Assim sendo, não perca tempo e desfrute de todo esse conhecimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − oito =