Sociedade dos Poetas Mortos: psicanálise por trás do filme

Posted on Posted in Psicanálise, Psicanálise e Cultura

Comumente, somos obrigados a obedecer um sistema de ensino, segundo o qual dizem, “para nos moldar”. Mas afinal, de que vale se encaixar em um padrão, se cada um de nós carrega diferenças? É isto o que o filme Sociedade dos poetas mortos, fazendo com que nós mesmos reflitamos.

Enredo

Sociedade dos poetas mortos mostra a jornada do pouco ortodoxo professor de poesia John Keating em uma escola preparatória. O local mantém uma postura rígida em relação à educação dos rapazes, de modo a suprimir qualquer manifestação espontânea. Contudo, Keating usa a sua sabedoria para inspirá-los a ser individualistas.

Com isso, os jovens passam a entrar em contato consigo e a encontrar as ferramentas de uma vida extraordinária. Óbvio que tal comportamento não passa despercebido, recebendo a reprovação de todos. Entretanto, o grupo não recua, lutando de forma poética pelo seu desejo de liberdade. Eles querem autonomia para serem e agirem como são.

Cabe ressaltar que Keating não é um louco por completo como os outros imaginam. Ele induz os jovens a pensarem por si só, mas sem serem inconsequentes. O bom-senso também permeia a luta pela independência, filtrando os limites do seu livre-arbítrio. Ao fim, a lição que fica é a valorização da vida em seu aproveitamento máximo e contínuo.

A rebeldia

O professor Keating parece aquele professor dos sonhos: louco, rebelde e amigo dos alunos. Entretanto, a figura do mesmo não foi construída de forma avulsa a cativar o telespectador. John representa o nosso desejo por quebrar as regras duras que nos impõem. Materializa-se como nossa vontade em nos libertar de imposições.

O mesmo tem consciência do quanto a disciplina é necessária para moldar o caráter dos jovens. Contudo, ele discorda dos métodos como isto é feito. Ele mesmo se mostra como um produto da educação tradicionalista que a instituição e outros lugares preservam. Sabendo o quanto perdeu com isso, o mesmo induz os jovens a questionar.

Isso fica evidente logo nos primeiros momentos onde o educador se encontra com seus pupilos. A todo momento, John Keating tenta fazê-los sair da carapaça passiva que a escola colocou neles. Entre voltas no passado e perspectivas ao futuro, os jovens começam a pensar da forma que são, sem normalizações. A derrubada de muros muda a todos.

A validação de nossas existências

O filme Sociedade dos poetas mortos é uma proposta para que nós reformulemos nossa conduta. Se nos atentarmos, perceberemos que em algum nível somos condicionados por algo e alguém. Isso vem em forma de opressão pura ou cuidado, já que muitos abdicam da liberdade para assistir alguém.

Olhando isso, o longa nos motiva a validar:

O prazer

Para tudo o que nós nos envolvamos nessa vida, devemos sentir prazer no que fazemos. Este deve ser o principal gatilho de nossas ações, já que nos motiva e dá razão para sermos felizes. Ainda que algo nos motive a uma direção contrária, seja a necessidade em se prover, devemos mirar a satisfação pessoal.

Espírito

O espírito aqui se configura como a nossa essência existencial. Esta é a nossa “impressão digital universal”, sendo única e insubstituível, bem como não transferível. O filme Sociedade dos poetas mortos nos incentiva a marcar o mundo com ela. Com isso, viver de acordo com o que somos, evitando ceder para a pressão social.

Expressão de nossas vidas no amor

Por meio da literatura, Keating ensina aos jovens a se despertarem ao amor em suas infinitas formas. Dessa forma, cultivariam a vontade de se apaixonar, fortalecer a amizade, mas sem perder o contato com a dor e desilusões. Embora desagradáveis, são peças importantes ao nosso crescimento. Assim, encontrariam também o valor da paz.

O reflexo da adolescência

Um dos aspectos que mais agitam o telespectador em Sociedade dos poetas mortos é a repressão que estes sofrem. Os personagens que tentam inibir o comportamento dos estudantes são frutos do que esta academia produz. Entretanto, as reações adversas a esse comportamento são de cunho pessoal, apontando a:

Normalidade

A academia é o exemplo de como e onde a normalização social é construída. Por meio da instituição, os alunos são induzidos a pensar de forma semelhante, a fim de preservar um padrão social. Quando isto é quebrado, o grupo anterior passa a se sentir ameaçado pelo outros. Assim, o inesperado e original se contrapõe ao normativo e igualitário.

Substituição

Naturalmente, temos medo de nossos filhos porque eles nos substituirão de alguma forma. Do mesmo modo é o que acontece na academia, já que a repressão, em suma, parte dos mais velhos. O novo sistema vivenciado pelos alunos de Keating carrega ideias ou soluções inovadoras e eficazes, inexistentes no outro sistema.

Leia Também:  Análise psicanalítica do filme 127 horas

Carpe Diem

O longa Sociedade dos poetas mortos consegue imprimir em nossas mentes a mensagem Carpe Diem. A expressão latina significa literalmente “aproveite o dia” e é um dos catalisadores da renovação local. Keating promove uma revisitação pessoal de cada jovem, a fim de que se conheçam e afastem pressupostos forçados.

Ao olharem as fotos de antigos alunos, os jovens passam a se questionar o que realmente querem da vida. Perguntam se aqueles antigos estudantes puderam ser quem eram seguindo as normas impostas pela academia. Com isso, tais questionamentos o induzem a enxergar possibilidades pouco ortodoxas.

Assim, ao invés de pensar no futuro, eles passam a pensar no hoje, bem como a aproveitá-lo. São jovens, cheios de energia e vontade de mudar o mundo, então por que não fazê-lo? A felicidade só vale a pena quando pudermos usufruir dela o quanto antes.

Considerações finais sobre Sociedade dos Poetas Mortos

O filme Sociedade dos poetas mortos nos convida a quebrar paradigmas pessoais e coletivos. Por meio dele, identificamos sinais opressivos que nós mesmos vivenciamos em nossa juventude. Contudo, também revivemos o tempo de buscas e liberdades que também regeram nossas vidas. Uma revisitação ao passado e à própria sociedade.



A partir disso, precisamos trabalhar a forma como lidamos com idealismos e princípios. Com isso, possível crer que no momento em que se repreende uma forma de revitalização, já falhamos em nossa conduta. Quando nos desgarramos de uma visão mais conservadora, entendemos que o novo é um movimento natural. O novo substitui o antiquado.

Para ajudar a moldar essa visão ao novo, por que não se encontra com nosso curso de Psicanálise Clínica online? As aulas proporcionam o entendimento das mudanças internas que ocorrem em decorrência do ambiente externo. Dessa forma, você alimenta seu autoconhecimento, possuindo plena vista de sua consciência.

As aulas do curso são realizadas via internet, visando o melhor acesso dos estudantes. Dessa forma, você pode estudar quando e onde for mais apropriado, sem que sua rotina se altere. Ainda que tenha um horário personalizado às suas necessidades, tem acompanhamento contínuo de nossos professores.

Com a ajuda deles, mergulhará no rico material das apostilas e sairá das aulas transformado. Cabe ressaltar o comprometimento com sua educação, bem como a entrega de um certificado impresso assim que concluir. Garanta a chance de alternar sua visão a si mesmo a algo novo. Faça nosso curso de Psicanálise! Ah, e se ainda não assistiu Sociedade dos Poetas Mortos, está perdendo uma ótima oportunidade de reflexão e lazer.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 1 =